Benchmarking: aprenda a fazer!

benchmarking

Lidar com as mudanças constantes e verificar quais são as boas práticas que os demais “jogadores” estão usando, é essencial para o crescimento de um negócio. Por isso, a prática do benchmarking é muito difundida.

O benchmarking funciona por meio de uma análise mercadológica e dos ambientes que afetam determinada empresa. Essa análise verifica as melhores práticas do mercado, para aprender e tentar aplicá-las com foco em fortalecer a atitude de empreendedorismo.

O que é benchmarking?

Benchmarking é o processo de analisar e executar determinadas estratégias pautadas em uma melhoria de desempenho, produtividade, entre outros objetivos, ligados a uma empresa ou negócio.

Geralmente, o processo é viabilizado por meio da análise das estratégias presentes nos negócios concorrentes.

O termo benchmarking tem origem na palavra inglesa benchmark que na computação significa o ato de executar um programa de computador com a finalidade de avaliar seu desempenho, é um processo de ensaio que se repete até o refinamento.

Da mesma forma, o benchmarking tem por premissa, encontrar e testar as melhores práticas do mercado, geralmente, dos concorrentes de determinado negócio. A partir disso, averiguar quais prevalecem e quais devem ser descartadas.

Como fazer benchmarking?

Para fazer benchmarking primeiramente, é preciso realizar uma pesquisa de concorrência, conhecer os processos existentes no mercado e entender quais são os estágios de desenvolvimento que o negócio está inserido.

Além disso, a prática do benchmarking consiste em:

Analisar internamente o negócio

Por meio de uma análise interna e das práticas de uma empresa, é possível identificar as fraquezas e quando comparado com os concorrentes, será mais fácil identificar oportunidades

Observar os líderes do mercado naquele segmento

Direcionar o olhar para os grandes jogadores daquele setor, com isso, será possível discernir e identificar algumas estratégias que podem ser aproveitadas para o negócio atual.

Mensurar dados

Algumas dessas empresas não divulgam seus dados e obviamente, suas estratégias, porém, ao acompanhar as suas parcerias e demais dados, será possível identificar algumas das táticas usadas.

Observar e analisar o mercado no geral

Descobrir incongruências internas é um ponto positivo, mas, às vezes algumas práticas que estão sendo amplamente utilizadas no mercado superam as soluções já criadas internamente.

Pesquisar e comparar

Ao averiguar o mercado e as estruturas internas, será viável uma comparação, apesar de generalizações, a comparação apresenta a possibilidade de levantar questões basilares para problemas atuais da empresa.

Metas financeiras empresariais

Ao levantar os problemas e possíveis soluções através das comparações, será necessário traçar metas para fechar essas lacunas identificadas e, claro, disciplina no planejamento.

Programar e manter

Após o planejamento e as metas, será a hora de implementar efetivamente, esse processo se estende, pois, uma vez implementado, será necessário atualizar e manter.

Quais são os tipos de benchmarking existentes?

Dentre benchmarking exemplos, o mais conhecido e icônico é o da Xerox (empresa), que desmontou os equipamentos das concorrentes para saber qual era o processo e componentes que permitia: comercializar os produtos de forma mais em conta.

Além disso, existem tipos de benchmarking, sendo eles:

  • Benchmarking genérico: selecionar um setor e identificar as melhores práticas de empresas que atuam nele, com uma visão mais ampla;
  • Benchmarking interno: é a melhoria através da observação dos próprios processos internos. É muito utilizado em empresas com filiais ou quando determinados departamentos ganham notoriedade por suas práticas;
  • Benchmarking funcional: é uma análise das estratégias de outras empresas, não necessariamente do mesmo segmento, mas que permite aprender abordagens, técnicas e conhecimentos diversos para adaptá-los ao negócio;
  • Benchmarking competitivo: é pautado diretamente na análise da concorrência, sendo a modalidade mais complexa devido a dificuldade em se obter informações dos concorrentes, mas, muito valiosa quando se obtém sucesso;
  • Benchmarking de cooperação: é quando uma ou mais empresas firmam uma parceria e assim, compartilham técnicas, táticas, informações e conhecimento, proporcionando experiência e aprendizagem para todos os envolvidos.

Quais são as desvantagens e vantagens do benchmarking?

O benchmarking pode ser uma prática perigosa, pois, algumas empresas encaram ou se limitam à apenas uma cópia de sistemas já implementados, como se eles fossem uma receita a seguir, quando na verdade, requer alterações e adaptações.

Por vezes, é comum também um desvio de concentração ou expertise, empresas que se preocupam muito em tentar decifrar o mercado e concorrentes, e por isso, negligenciam suas operações atuais.

Além disso, algumas operações de benchmarking também podem levar empresas ao erro, por mensurar incorretamente dados ou realizar comparações indevidas.

Contudo, o benchmarking quando bem implementado e realizado, pode apresentar diversos benefícios para uma empresa.

Vantagens do benchmarking:

  • Encorajar a inovação e práticas diversificadas na empresa;
  • Fomentar mudanças e desenvolvimento constante;
  • Aperfeiçoar o conhecimento interno da organização, suas práticas e processos;
  • Melhorar as práticas da empresa em comparação com os seus concorrentes, superá-los ou manter ao menos em um patamar de competitividade;
  • Identificar projetos já realizados e saber já os caminhos que se deve seguir para obter êxito, bem como, já estar precavido dos eventuais problemas;
  • Aumentar o conhecimento de mercado;
  • Ganhar mais consistência nas práticas da empresa e consequentemente, aumentar o lucro e produtividade;
  • Reduzir custos e solucionar problemas enfrentados pela empresa.

Portanto, os benefícios do benchmarking englobam justamente a ideia de que as empresas devem aprender o que há de melhor no mercado e tentar aplicar isso em seu negócio, a fim de crescer e se desenvolver com essa prática.

Contudo, o benchmarking deve ser feito de forma cautelosa, sem nenhuma infração a lei e com respeito aos concorrentes, sempre. Vale lembrar que nem sempre a tática descoberta no mercado é a ideal para o negócio.

Por vezes, ao fazer o benchmarking será necessário pensar em adaptações ou até mesmo criar outras práticas que melhor se adaptem ao negócio ao invés de tentar assumir um modelo padrão.

Acesso rápido

Compartilhe:

Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Últimos artigos