Regra 50-30-20: organize sua vida financeira com esse simples método

50 30 20 2

Organizar a vida financeira é uma ótima forma de poder começara investir ou até mesmo criar um fundo de reserva emergencial. Por isso, algumas pessoas utilizam o 50-30-20.

O método 50-30-20 funciona como uma compartimentalização dos ganhos mensais em concordância com as necessidades de um indivíduo.

Então, o 50-30-20 é uma metodologia que busca uma organização financeira orientada pelo direcionamento da renda líquida em um mês.

Dessa forma, é possível priorizar e saber quais os gastos são efetivos ou supérfluos e salvar uma parte para investimento ou criação de um fundo.

Aprender a poupar é um dos passos mais importantes para uma educação financeira.

A regra 50-30-20: um método de organização financeira

A regra 50-30-20 não é algo inflexível, ela varia seu percentual para cada caso e pessoa. Mas, em essência, ela consiste no dividir renda percentualmente para poder atingir um melhor aproveitamento do dinheiro.

O método de organização financeira 50-30-20, é apenas uma maneira de organizar orçamento financeiro.

Mas existem diversas formas de dividir orçamento e ainda assim, conseguir aproveitar as necessidades, desejos pessoais e poupança.

Entretanto, a divisão de renda pode ser uma tarefa complexa devido a listagem das prioridades, por isso para organizar a vida financeira:

  • Os 50% da renda líquida mensal (ou seja, total ganho em um mês): poderá ser direcionado para os gastos que são considerados essenciais. Por exemplo, alimentação, aluguel, telefone, internet, plano de saúde e transporte;
  • Entre os 30% da renda mensal: destinado para gastos considerados supérfluos. Dessa forma, não é preciso se privar de pequenos prazeres. Por exemplo: sair para jantar, fazer uma compra fora dos essenciais, lazer, viagem, cinema e afins;
  • Já os 20% restantes da renda total: utilizar como seguro. Assim, será possível criar um fundo de reserva emergencial, estar assegurado em caso de uma eventualidade, pagar uma previdência privada ou social e até mesmo fazer investimentos.

Portanto, com o método 50-30-20 é possível, de forma simplificada, organizar entre essas três categorias todos os gastos mensais.

Assim, conseguindo um melhor aproveitamento do rendimento mensal.

Para fins ilustrativos, o exemplo a seguir atuará como simulação de um orçamento real, um jovem adulto que vai morar sozinho:

  • 50%: conta de luz, água, internet e telefone, aluguel ou prestação de um financiamento de imóvel e utilização de transporte coletivo;
  • 30%: assinatura de aplicativo de música, utilização de corridas por aplicativos de mobilidade urbana, pedir delivery de comida, sair para lazer (cinema e outros);
  • 20%: possível aplicação ou investimento de acordo com o perfil e necessidade, realizar um fundo emergencial e guardar para eventualidades, deixar o dinheiro aplicado em uma poupança que tenha um rendimento razoável etc.

Organizar o orçamento significa dizer que poderá aproveitar melhor o dinheiro ganho e condicionar a forma de gastá-lo.

Com o 50-30-20, é possível não somente organizar de maneira simples e dividir a renda, como também, saber quais os itens que estão pensando no seu bolso.

Existe um quantitativo de pessoas que estão em situação de endividamento por, justamente, apresentarem uma má gestão financeira.

A mudança de prioridades pode ser uma forma de iniciar o processo de sair do endividamento e a fórmula 50-30-20, ela ajuda a enxergar onde poderá poupar ao invés de apenas economizar.

Apesar de parecer ser sinônimos, poupar e economizar são dois conceitos diferentes. Poupar está ligado a reter um gasto que pode ser evitado. Já economizar, nesse contexto, significa gastar menos e manter um custo benefício melhor.

Por isso, utilizar o 50-30-20, pode ser uma boa ferramenta para iniciar a organização financeira. Mas vale lembrar que ele não é um modelo rígido, cada pessoa poderá personalizá-lo de acordo com a sua realidade. Mais conteúdos como esse? Inscreva-se no nosso Whatsapp.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

4 respostas

  1. Muito bom o artigo, parabéns! Gosto muito da Regra 50/30/20 porque ela serve de parâmetro para começar a fazer um controle financeiro bacana, principalmente para quem não sabe por onde começar. Além disso, facilita a análise de onde começar a cortar.

    1. Verdade Gelmar, essa é uma aplicação bem prática que pode te ajudar a criar um hábito. O nosso lado emocional, por vezes, tende a não colaborar muito com o lado financeiro. Por isso, é crucial manter um bom planejamento.
      Em alguns casos, a regra é uma boa maneira de começar!

    1. Bruna, tudo certo? Olha, gastos com educação entra na como uma categoria dentro de gastos essenciais. Mas, isso não é regra, você pode adaptar para aquilo que deseja. A proposta é ser flexível e se adaptar a necessidade e prioridade de cada um. Se para você essa é uma prioridade essencial, sim, coloca como essencial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos