Análise fundamentalista: aprenda a fundamentar seus investimentos

analise fundamentalista

Muitos investidores de sucesso defendem a análise fundamentalista como melhor meio para encontrar bons investimentos de longo prazo.

Bom, como ao investir em ações você se torna sócio da empresa, nada mais justo do que conhecer a análise fundamentalista e se associar a empresas com grande capacidade de valorização.

A análise fundamentalista consiste no estudo aprofundado sobre a economia, mercado e setor o qual a empresa está inserida, além da análise intrínseca ao negócio, observando seu potencial de rentabilidade e saúde financeira.

Assim, através de indicadores fundamentalistas e estudos macroeconômicos, os investidores podem fundamentar suas decisões de forma eficiente.

No entanto, aprender a fazer análise fundamentalista pode não ser uma tarefa tão fácil assim. Mas entender melhor a economia e saber o que analisar em uma empresa faz com que seja possível tomar ótimas decisões de investimento.

Como funciona a análise fundamentalista?

analise fundamentalista

Grandes investidores como Warren Buffet, Peter Lynch e Luiz Barsi defendem a estratégia da análise fundamentalista.

No entanto, obviamente, cada investidor possui suas particulares e preferências relacionadas a análise.

Para que você possa a começar a analisar ações e fazer boas decisões de investimentos, é interessante entender no que consiste basicamente a análise fundamentalista.

Lembrando que existem também outras estratégias como a análise técnica, mais direcionada para traders e especuladores profissionais que buscam maior lucro de curto prazo.

A análise fundamentalista, em contrapartida, é mais eficiente para investimentos e bons ganhos de longo prazo, além de trazer mais segurança para a decisão.

Análise fundamentalista: questões econômicas e de mercado

É muito interessante, ao analisar investimentos, tomar conhecimento sobre a situação econômica do mundo, do país e o potencial de crescimento do setor econômico do negócio.

Não existe ordem certa, mas se você fizer a análise da economia e do setor antes de olhar para as empresas diretamente, poderá evitar investimentos em empresas que atuem em um mercado de alto risco.

Macroeconomia

Um bom ponto para analisar a sua análise é os fundamentos macroeconômicos.

Um investidor deve estar familiarizado com alguns indicadores macroeconômicos, como:

Por exemplo: normalmente, quando um país está em recessão, o crescimento das empresas locais tendem a desacelerar, e sem dúvidas essa é uma informação interessantíssima para o investidor.

Além disso, expectativas quanto ao crescimento econômico, inflação e juros são fundamentais para entender os movimentos da bolsa de valores.

Ou seja, um primeiro passo para fazer uma boa análise fundamentalista é enxergar como anda a economia local.

Segmento econômico

Uma ótima forma de garantir bons investimentos, é focar nas empresas posicionadas em mercados que crescem a um nível mais acelerado que o PIB.

Além disso, questões políticas e econômicas podem privilegiar determinados setores em frente aos demais.

Empresas que operam commoditys , por exemplo, estão muito sujeitas ao preço estabelecido pelo mercado internacional.

Uma alta no preço de uma commodity, pode tornar as empresas desse mercado mais lucrativas.

Por isso, é extremamente importante analisar e conhecer a situação do mercado no qual a empresa está inserida.

Market Share

O market share é uma métrica importantíssima para analisar o potencial de crescimento do negócio.

Quando falamos de market share, estamos nos referindo a fatia de mercado que aquela empresa possui.

Para avaliar a capacidade de aumento do market share da empresa, é importante entender a situação econômica local, o a competição existente no mercado e o que a empresa vem fazendo para se destacar em relação aos concorrentes.

Análise fundamentalista: dissecando a empresa

Após analisar o mercado, chega o momento, talvez até mais importante, de analisar intrinsecamente as empresas.

Acredito que existam 3 pontos centrais na hora de analisar uma empresa:

Rentabilidade e Lucratividade

A rentabilidade indica o nível de remuneração do capital investido em uma empresa.

E, com certeza, todos investidores querem aplicar seu capital em empresas onde a remuneração do capital investido é maior.

Para analisar a rentabilidade das empresas, normalmente, são usados 2 principais indicadores: ROE e ROIC.

ROE são as inicias de “Return On Equity”, que pode ser traduzido como retorno sobre o patrimônio líquido, ou seja, retorno sobre todo capital dos acionistas do negócio.

ROE = Lucro líquido / Patrimônio líquido

Além do ROE, temos o ROICReturn On Invested Capital“, que é traduzido como retorno sobre o capital investido.

ROIC = Lucro operacional / Capital investido 

O ROIC estima quantos porcento de cada R$1 investido no negócio são revertidos em lucro operacional.

Evidentemente, quanto maior for esses indicadores, maior a capacidade de remuneração de capital do negócio.

Essas métricas costumam ser muito eficientes para comparar empresas de um mesmo setor econômico.

Além da rentabilidade, é muito interessante analisar a lucratividade do negócio.

Diferente da rentabilidade, para o cálculo da lucratividade não é levado em consideração o valor investido, mas sim o quanto da receita foi convertida em lucro.

Para analisar a lucratividade e compara empresas de um mesmo setor, é importante estar de olho em 3 indicadores:

Endividamento

O endividamento é um dos pontos mais cruciais para avaliar boas opções de investimentos de longo prazo.

Pouco adianta se a empresa gera uma receita enorme, mas não suficiente para pagar suas dívidas.

Você, investidor, deve sempre evitar se associar a empresas que são desequilibradas financeiramente e investir naquelas que apresentam um balanço sólido.

Para analisar o endividamento, é importante comparar algumas informações financeiras do negócio:

  • Deve-se comparar a dívida bruta com o EBTIDA. Normalmente, são indicadas empresas com uma dívida líquida menor que 3x o EBTIDA (Lucro antes de impostos, juros, depreciação e amortização). Isto porque, caso contrário, é possível constatar que a empresa tem sérias dificuldades para reduzir o nível de endividamento e chegar em um nível financeiro mais equilibrado;
  • Deve-se comparar a dívida bruta com o patrimônio líquido. Não são indicadas empresas que apresentem um patrimônio líquido menor que a dívida bruta do negócio. Empresas que apresentam essa característica, normalmente tem seus resultados comprometido por pagamentos de juros e dificilmente alcançam um balanço sólido no longo prazo.

Governança

A governança corporativa é um critério importantíssimo na hora de analisar investimentos em ações.

Ao investir em ações, como dito antes, você estará se associando a uma empresa.

A pergunta da vez é: você se associaria a uma empresa que está sendo gerida por uma pessoa que não te passa confiança?

Imagino que a sua resposta deve ser um não. Pois bem, por isso que é tão importante analisar por quem e como é organizada a estrutura hierárquica do negócio.

Alguns pontos que dão segurança e incentivam o investidor em relação a uma governança corporativa, são:

  • Transparência;
  • Ausência de conflitos de interesses;
  • Número de reuniões públicas feitas com analistas e investidores anualmente;
  • Nível de capital social em mercado aberto;
  • DRE e balanços claros e de fácil compreensão.

Bônus: Preço

O preço foi deixado como um bônus para a sua análise fundamentalista porque existem divergência de opiniões quanto a este indicador.

Tem quem defende que o preço não importa, e, ao fazer uma boa análise do ativo, você deve comprá-lo a qualquer momento, sem olhar a cotação, já que o foco é no longo prazo.

No entanto, muitos outros defendem que o preço importa. Afinal, é possível identificar quando o mercado está sub ou sobrevalorizando um ativo.

Se você optar por ser da corrente dos que defendem que o preço importa, há algumas formas de estimar momentos para comprar um ativo financeiro a um bom preço:

  • Preço / Lucro: esse indicador divide o preço unitário de uma ação dividido pelo lucro por ação. Desta forma, quando a cotação supera essa relação a empresa está sobrevalorizado. Caso a cotação esteja abaixo do valor do P/L, estará subvalorizada;
  • Relação entre o valor patrimonial e valor de mercado: normalmente, quando o valor de mercado é superior ao valor patrimonial da empresa é possível afirmar que ela está sobrevalorizada;
  • Dividend yield: esse indicador representa a distribuição de dividendos do último ano (12 meses) por ação. Diferente das demais, essa é uma métrica usada para avaliar quais empresas distribuem mais lucro entre seus acionistas.

É importante que você estude cada indicador e termo listado acima para compreende-los melhor e estar apto a escolher bons ativos.

A análise fundamentalista é, com certeza, uma das formas mais eficientes para construir uma carteira de ações com grande potencial de valorização no longo prazo. Para investir bem, é essencial fundamentar suas decisões.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Últimos artigos