Home Blog Anbima: o que é e como funciona?

Anbima: o que é e como funciona?

ANBIMA

Aos que investem em renda fixa ou pensam em investir, mesmo que um pequeno percentual de sua carteira, é importante conhecer os principais índices de renda fixa que estão associados a ANBIMA.

Os índices de renda fixa da ANBIMA, são utilizados até por alguns fundos como benchmark, uma espécie de referência direta.

O que é ANBIMA?

anbima 2

ANBIMA é uma sigla para Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais, é uma associação criada em 2009 a partir da junção de outras entidades.

O propósito da ANBIMA é representar o mercado, construir um modelo organizado para autorregular, educar e informar a todos sobre o mercado financeiro.

Para isso, ela busca apoiar o processo evolutivo do mercado de capitais com foco no desenvolvimento econômico e social brasileiro para tentar influenciar o mercado global.

Para que serve a ANBIMA?

Devido o seu caráter de serviço à sociedade financeira, ela reúne diversas empresas com o objetivo de reproduzir a pluralidade do mercado internamente, representando assim, entidades como:

Seu intuito ao representar essas entidades é autorregular e apresentar o IMA, um agrupamento de renda fixa como uma espécie de família de índices.

Esses índices representam a dívida pública através dos preços atrelados ao mercado e a uma carteira de títulos públicos.

Para melhor entender o funcionamento destes títulos e índices, se faz necessário explicar as configurações que eles podem apresentar.

Como funcionam os pagamentos de títulos e índices? 

Existem diferentes opções de investimentos, cada um com suas particularidades, desvantagens e vantagens. 

Mas, entre os investimentos de renda fixa, os títulos do tesouro, se destacam como boas opções. 

Para que você escolha aquela que mais condiz com sua estratégia, é importante conhecer as configurações que formam esses índices e títulos, são elas:

  • Pré-fixados; 
  • Pós-fixados;
  • Híbridos. 

Pré-fixados 

Os títulos e índices pré-fixados são um dos mais conservadores; Isso porque, no momento de compra do título, já se entende quanto renderá ao fim do prazo do investimento. 

Por exemplo, se o rendimento estiver pré-fixado à taxa SELIC no momento da compra do título, pode ser interessante para quem compra antes de quedas na SELIC. 

Se você comprar um título com determinada SELIC e, futuramente, houver uma redução nela, haverá uma valorização do seu título. 

Pós-fixados 

Já os que se caracterizam como pós-fixados, apresentam rentabilidade/variação ligada a uma taxa.

Alguns ETF’s de renda fixa, apresentam pós-fixação com porcentagens de CDI, mas, essa não é uma prática comum.

Em específico, os valores seriam aplicados no resgate das cotas. Um bom exemplo é o FIXA11 que é formado por contratos de DI futuro.

Ou seja, o investidor ganha com a fixação posterior no momento de resgate.

Híbridos 

É uma opção bem comum entre os fundos, basicamente atuam com características pré e pós fixadas. 

Imagine um titulo híbrido, por exemplo, ele apresenta uma taxa fixa de rentabilidade a qual o título está sujeito até momento de resgate. 

No entanto, além dessa taxa, o título também está atrelado ao IPCA (inflação). 

Uma boa vantagem, nesse caso, pois estão atrelados a índices de inflação e por isso apresenta maior garantia de rentabilidade.

Quais são os índices ANBIMA?

A ANBIMA apresenta alguns índices, mas, de forma concreta pode-se dizer que 3 são seus indicadores mais famosos, sendo eles:

  • IDkA;
  • IDA;
  • IMA.

Destes índices ANBIMA, o IMA é o mais expressivo comercialmente, devido as suas subdivisões.

O que é IMA?

O IMA (Índice de Mercado ANBIMA) é uma família de índices de renda fixa que representam a dívida pública por meio dos preços a mercado de uma carteira de títulos públicos federais.

Sendo assim, a carteira teórica do IMA é apresenta todos os títulos elegíveis, representando a evolução do mercado como um todo, por isso ele é um forte indicador.

Como é composto o IMA da ANBIMA?

A composição do Índice de Mercado ANBIMA (IMA) se divide em diversos subíndices atrelados ao tesouro nacional, sendo eles:

  • IRF-M – (prefixados);
  • IMA-C – (indexados pelo IGP-M);
  • IMA-B – (indexados pelo IPCA);
  • IMA-S – (pós-fixados pela taxa Selic).

Existem ainda algumas variações como o IRF-M 1 (títulos de até 1 ano), IRF-M 1+ (títulos com mais de 1 ano), IMA-B 5 (títulos de até 5 anos) e IMA-B 5+ (títulos com mais de 5 anos).

Inclusive, existem fundos que acompanham índices similares, mas que foram desenvolvidos por empresas privadas como, por exemplo, o IMAB11 criado pelo banco Itaú em 2019.

No caso, a diferença é que esse tipo de ETF se comporta como os de renda variável, mas assim como os IMA, ele é fixado também em renda fixa.

IDkA – Índice de Duração Constante

O IDkA (Índice de Duração Constante ANBIMA) é um conjunto de índices e medem o comportamento de carteiras sínteses de títulos públicos federais com prazos constantes.

Opções prefixados:

  • 3M (três meses) IDkA Pré;
  • 1A (um ano) IDkA Pré;
  • 2A (dois anos) IDkA Pré;
  • 3A (três anos) IDkA Pré;
  • 5A (cinco anos) IDkA Pré.

Opções pós-fixadas em IPCA:

  • 2A (dois anos)IDkA IPCA;
  • 3A (três anos) IDkA IPCA;
  • 5A (cinco anos) IDkA IPCA;
  • 10A (dez anos) IDkA IPCA;
  • 15A (quinze anos) IDkA IPCA;
  • 20A (vinte anos) IDkA IPCA;
  • 30A (trinta anos) IDkA IPCA.

IDA – Índice de Debêntures ANBIMA

O IDA (Índice de Debêntures ANBIMA) é um agrupamento de índices que representam a trajetória de uma carteira teórica de debêntures, em relação aos preços de mercado.

No caso, esse índice serve de parâmetro para o segmento das debêntures e é divido em dois subíndices, que são indexadores dos seguintes títulos:

  • IDA-DI – Índice de debêntures atreladas à taxa DI;
  • IDA-IPCA –  Índice de debêntures atreladas à IPCA.

Além dos índices e autorregulamentações, a Anbima também apresenta formação com algumas certificações populares como a CPA-10 e CPA-20.

Agora que você conhece os índices e processos que envolvem a ANBIMA está apto para comparar e entender diversos segmentos do mercado de fundos.

Escrito por

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Compartilhe conosco suas experiências

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *