Home Blog Ações da B3 (B3SA3): descubra tudo sobre esses ativos!

Ações da B3 (B3SA3): descubra tudo sobre esses ativos!

investir na b3 ações da b3 b3sa3

A B3 (B3SA3) nada mais é do que a empresa responsável pela bolsa de valores no Brasil. Além disso, ela também abrange a bolsa de mercadorias e futuros.

O surgimento da B3 (B3SA3) é recente, sendo no ano de 2017. Sua fundação se deu a partir da fusão entre a BM&FBovespa e a CETIP.

O que é a B3 (B3SA3)?

A B3 S.A., também conhecida como Brasil, Bolsa, Balcão, é a bolsa de valores oficial do Brasil. A empresa de tecnologia é a única bolsa de valores, mercadorias e futuros em operação no país.

Sendo assim, a companhia com sede em São Paulo também é a maior câmara de ativos privados no país, maior depositária de títulos de renda fixa da América Latina e líder nos serviços de registro de financiamento de imóveis e veículos.

Além disso, é importante destacar que a empresa possui suas próprias ações negociadas no Novo Mercado através do ticker B3SA3 – o que demonstra seu alto nível de governança.

Um fato importante sobre a B3 é que ela não possui acionista controlador, já que 85% do seu capital está fragmentado pelo mercado.

Composta apenas por ações ordinárias, a empresa tem 9,5% dos seus ativos detidos pela Capital World Investor, empresa norte-americana de serviços financeiros.

As ações da B3 também fazem parte dos seus principais índices, como o Ibovespa, IBrX-50 e IBrX, Itag.

Por ser a única bolsa brasileira até o momento, ela não possui concorrentes diretos no país.

Portanto, devido à sua relevância para o mercado de capitais brasileiro e mundial, é importante analisar sua história e funcionamento.

Assim, possibilitando uma tomada de decisões de investimento bem fundamentada aos seus investidores.

História da B3 (B3SA3)

investir em b3sa3 ação da b3

A B3, como conhecemos hoje, foi formada há poucos anos, em 2017. Antes disso, o Brasil já teve diversas bolsas de valores em sua história.

Em 1880, o então presidente do Brasil Emílio Rangel Pestana fundou a Bolsa Livre.

No entanto, devido a problemas durante o Encilhamento, com o plano econômico de Ruy Barbosa, o país sofreu uma grande crise de crédito.

Assim, fazendo com que a Bolsa Livre fechasse em 1891, após 11 anos de funcionamento.

Quatro anos depois, em 1895, nascia a Bolsa de Fundos Públicos de São Paulo, que apenas 40 anos depois passou a se chamar Bolsa Oficial de Valores de São Paulo.

Essa mesma bolsa, após 32 anos, em 1967, passou a se chamar Bovespa, a Bolsa de Valores de São Paulo.

É importante destacar que, na década de 60, havia uma bolsa de valores por estado. E entre elas, era a Bolsa de Valores do Rio de Janeiro que se destacava no país.

Cada uma delas era controlada pelas respectivas secretarias estaduais de finanças, sendo elas entidades oficiais corporativas.

Foi só em 1965 que todas elas passaram a ser associações civis sem fins lucrativos, se desvinculando das entidades públicas e obtendo autonomia financeira e administrativa para se regularem.

Formação da BM&FBovespa

Durante a ditadura militar, com a crise econômica de 1970, a bolsa de São Paulo passou a ter um maior destaque no país.

Muito depois, em 2000, as bolsas de São Paulo e Rio de Janeiro resolveram se unificar com as nove ainda restantes no Brasil.

A partir desse momento, todas as ações do país passaram a ser negociadas na Bovespa. Com as bolsas do Rio ficaram os títulos públicos, negociados eletronicamente a partir desse período.

Cinco anos depois, o pregão viva-voz da Bovespa foi encerrado, fazendo com que todas as negociações fossem feitas online.

Em 2007, a então Bovespa deixou de ser uma associação civil sem fins lucrativos e tornou-se uma empresa de capital aberto com ações negociadas em seu próprio mercado de ativos.

A Bovespa ainda passou por algumas modificações como o início do pregão eletrônico 100% doméstico e, finalmente, a união com a Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F) em 2008.

A partir disso, a instituição passou a se chamar BM&FBovespa. Somente no ano seguinte os contratos futuros deixaram de ser negociados no pregão viva-voz.

Com isso, as negociações da bolsa passaram a ser controladas pelo Puma, Plataforma Unificada Multiativos, e não mais pelo Mega Bolsa.

Criação da B3

Em 2017, a BM&FBovespa se uniu à CETIP (Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos) instituição responsável pela administração da maioria dos títulos de renda fixa negociados no mercado brasileiro.

A junção das duas instituições foi aprovada pelo Banco Central, Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

Dessa forma, foi constituída a B3 (Brasil, Bolsa, Balcão) como conhecemos hoje, a quinta maior bolsa de capitais e financeiros do mundo.

Por conta da sua popularidade e reconhecimento, o principal índice da bolsa brasileira, o Ibovespa, permaneceu com o mesmo nome.

Linha do tempo da B3 (B3SA3)

  • 1880 – Fundação da Bolsa Livre pelo então presidente Emílio Rangel Pestana;
  • 1891 – Fechamento da Bolsa Livre após onze anos de funcionamento;
  • 1895 – Criação da Bolsa de Fundos Públicos de São Paulo, que 40 anos depois passou a se chamar Bolsa de Valores de São Paulo;
  • 1965 – Bolsas de valores do país passam a ser associações civis sem fins lucrativos;
  • 1967 – Bolsa de Valores de São Paulo passa a se chamar Bovespa;
  • 1970 – Bolsa de Valores do Rio de Janeiro perde destaque no país para a Bovespa;
  • 2000 – Unificação das 11 bolsas de valores existentes no Brasil;
  • 2005 – Encerramento do pregão viva-voz da Bovespa;
  • 2007 – Bovespa abre capital em seu próprio mercado e deixa de ser uma associação civil sem fins lucrativos;
  • 2008 – União entre Bovespa e BM&F, formando a BM&FBovespa;
  • 2010 – CME Group e BM&FBovespa passam a deter 5% do capital uma da outra após firmarem uma parceria estratégica;
  • 2012 – Anúncio do Programa de Integração da Pós-Negociação da BM&FBovespa e do CORE, um novo sistema de cálculo de risco;
  • 2013 – PUMA Trading System chega ao mercado de ações brasileiro e nova metodologia de cálculo do Índice Ibovespa é lançada;
  • 2014 – PUMA Trading System passa a operar nos mercados de renda fixa privada;
  • 2014 – Lançamento do sistema de cálculo de risco CORE, responsável por integrar infraestruturas e mercados;
  • 2017 – BM&FBovespa se une à Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos (CETIP) para criar a B3.

O que faz a B3 (B3SA3)?

A principal atividade da B3 é a administração de mercados organizados de títulos e valores mobiliários.

Além disso, a empresa também presta serviços de registro, compensação, liquidação e suporte a operações de financiamento.

Na única bolsa de valores brasileira, os investidores conseguem negociar desde ações até ativos mais complexos, como os derivativos.

Também é possível encontrar na B3 moedas estrangeiras e commodities relacionadas ao agronegócio.

Mesmo sendo a empresa responsável pela administração da bolsa, a B3 também está listada no mercado de capitais dentro do Novo Mercado – mais alto grau de governança corporativa no Brasil.

Para os investidores, isso significa que além de oferecer um espaço seguro para a compra e venda de ativos financeiros, a B3 também fornece transparência ao mercado brasileiro.

Empresas Listadas na B3

Ao todos, são mais de 400 companhias listadas dentro da B3, estando elas divididas em diversos setores, como:

  • Saúde;
  • Bens Industriais;
  • Consumo Cíclico;
  • Utilidade Pública;
  • Materiais Básicos;
  • Telecomunicações;
  • Financeiro e Outros;
  • Consumo não-cíclico;
  • Tecnologia da Informação;
  • Petróleo. Gás e Biocombustíveis.

Para consultar se uma empresa está listada na bolsa de valores brasileira, basta acessar o site da B3 e preencher seu nome ou código de ação (ticker).

Com isso, é possível consultar alguns dados sobre a empresa. Além de sua cotação em tempo real.

Como atua a B3 (B3SA3)?

Com a união entre a BM&FBovespa e a CETIP, a B3 combinou diversas atividades em sua bolsa de valores, como:

  • Cadeia de financiamento de veículos e imóveis;
  • Registro e depósito de títulos de dívida corporativa;
  • Registro de instrumentos financeiros por bancos e derivativos customizados;
  • Oferecimento de produtos e serviços que aceleram o processo de análise e aprovação de crédito em território nacional.

Além das ações, existem diversos tipos de investimentos negociados na B3, como:

  • Títulos de Renda Fixa Públicos e Privados: papéis do Tesouro Direto, Letras de Crédito Imobiliário (LCI), Letras de Crédito do Agronegócio (LCA), Fundos de Investimentos etc;
  • Mercados de Renda Variável, à Vista, de Ouro e Câmbio: transações de compra e venda de ativos cujos valores são estabelecidos em pregão com base na oferta e demanda de investidores;
  • Derivativos: contrato mútuo no qual se estabelece um valor econômico derivado, de forma total ou parcial, em de outros ativos, como moedas e juros.

Para dar conta de tudo isso, a B3 conta com diversas empresas que fazem parte de seu grupo:

BANCO B3 S.A.

Constituído em 2004 como subsidiário da BM&FBovespa, tem como objetivo facilitar a compensação e a liquidação financeira das operações realizadas no ambiente da B3.

Sua maior vantagem é a diminuição de riscos para a companhia e garantia de suporte operacional.

BM&F (USA) INC.

Localizado em Nova York, tem como objetivo representar a B3 no exterior e desenvolver relacionamento com outras bolsas e agentes reguladores.

Além disso, auxilia na obtenção de novos clientes e na divulgação de informações sobre o mercado brasileiro.

BM&FBOVESPA (UK) LTD.

Localizada em Londres e criada em 2009, tem como objetivo promover a Bolsa, seus mercados, produtos e serviços para investidores institucionais da Europa, África e Oriente Médio (EMEA).

Outra função importante do escritório é manter relacionamento da B3 com entidades regulatórias, órgãos governamentais e bolsas da região, além de prospectar novos clientes.

B3 SOCIAL

É uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público, criada em 2007 para integrar e coordenar os projetos de investimento social da Bolsa.

BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS (BSM)

Associação civil criada para fiscalizar a atuação da própria bolsa de valores brasileira e de seus participantes dentro dos termos da Instrução CVM 461/07.

Não é consolidada nas Demonstrações Financeiras da Companhia.

BLK

Fundada em 2008, é uma das líderes entre empresas especializadas em eletronic & algorithmic trading no Brasil.

Atua criando e desenvolvendo softwares e algoritmos de execução de ordens para os mercados de capitais e de derivativos financeiros.

Sua principal plataforma é o RoboTrader.

Portal de Documentos

Fundado em 2007, é especializado em soluções digitais para os participantes do ciclo de crédito.

Oferece procedimentos para cobrança relativa a operações de crédito e outras inadimplências de veículos e imóveis por meio de notificações e intimações eletrônicas.

Além disso, permite protesto eletrônico, consolidação de propriedade e kits de ajuizamento.

O Portal de Documentos também realiza eletronicamente o processo para registro em cartório de contratos de propriedade, bens móveis, equipamentos e documentos em geral, buscando a publicidade e garantia perante terceiros, segundo o site da B3.

B3 Educação

Algo que poucos sabem é que existem cursos oferecidos pela B3 para quem tem interesse pela área de finanças e pelos diferentes tipos investimentos.

Em geral, a B3 oferece cursos e treinamentos presenciais e pagos para seus funcionários e também para o público geral.

No entanto, a página educacional da B3 disponibiliza sete cursos online gratuitos.

Direcionados para profissionais ingressantes no mercado de capitais e estudantes, eles também são úteis para o público geral interessado no setor financeiro.

Todos os cursos oferecem certificado de participação e são liberados em até 24 horas após a inscrição.

Os cursos oferecidos pela bolsa de valores são:

  • A bolsa: seus ambientes e mercados – Curso introdutório sobre a bolsa de valores, seu funcionamento, serviços oferecidos ao mercado financeiro e também sobre o funcionamento do sistema financeiro brasileiro, com carga horária de duas horas;
  • Análise Fundamentalista – Curso sobre os conceitos da análise fundamentalista e como ela pode ser utilizada na escolha das melhores empresas para investir, com carga horária de uma hora;
  • Guia de Investimentos em Renda Fixa – Curso básico sobre o significado da renda fixa, seus principais títulos, pontos importantes antes de investir, seu perfil de investidor e onde investir, com carga horária de duas horas;
  • Mercado de Ações – Curso sobre os principais conceitos do mercado de ações, seus perfis de investidores, tipos de investimentos possíveis e funcionamento das negociações, com carga horária de uma hora;
  • Mercado Futuro Agropecuário: Conceitos e Definições – Curso básico sobre a definição do mercado futuro agropecuário e suas estratégias, noções básicas esse tipo de aplicação, formação de preços e riscos do setor, com carga horária de uma hora;
  • Mercado de Swaps e Opções – Curso que reúne a definição do mercado swaps, suas principais características e funcionamento, com carga horária de uma hora;
  • Tesouro Direto: como investir – Oferece um passo a passo para se tornar um investidor na renda fixa através do Tesouro Direto e apresenta as diferenças entre renda fixa e variável e investimento em títulos públicos, com duração de duas horas.

As ações da B3 (B3SA3): onde e como são negociadas?

O ticker da B3 (MELI34) é negociado na própria bolsa de valores brasileira (Brasil, Bolsa e Balcão).

Por conta disso, suas ações são negociadas em plataformas de acesso online, o que simplifica as negociações e promove a segurança entre os investidores.

A B3 possui apenas ações ordinárias (B3SA3 ON), que oferecem direito ao voto durante as assembleias empresariais.

Dessa maneira, se você quer saber como comprar ações da B3, basta abrir conta em uma corretora de valores de sua preferência.

Após isso, será necessário realizar uma transferência TED com o valor desejado para a aplicação e selecionar as ações da B3, negociadas como B3SA3.

Características das ações da B3 (B3SA3)

As ações da B3 (B3SA3) são negociadas no mercado de capitais brasileiro e possuem as seguintes características:

A classificação setorial da B3 (B3SA3), segundo o próprio site, é: Financeiro / Serviços Financeiros Diversos / Serviços Financeiros Diversos.

Já o seu segmento de listagem na bolsa de valores é o Novo Mercado, que reúne as empresas que se comprometem a adotar práticas de governança corporativa, como a transparência e adoção da prática de Tag Along.

E por falar nisso, as ações da companhia oferecem Tag Along de 100%ON, além de Free Float de 76,36%.

Quais os custos de investir na B3

Investir através de uma corretora de valores é a forma ideal e segura para a grande maioria dos investidores.

No entanto, o serviço de intermédio nas operações de compra e venda de ativos tem seu preço, cobrado em forma de diferentes taxas existentes.

Além disso, alguns dos custos de investir na B3 também estão relacionados à exigência de pagamento de Imposto de Renda.

Para entender melhor quais os custos de investir na bolsa de valores, confira as principais taxas e tributos cobrados:

Taxa de Corretagem

Valor cobrado como um tipo de comissão para as corretoras pela execução das ordens de compra e venda de ativos.

Essa taxa é cobrada aos clientes tanto por corretoras quanto pelos bancos sobre operações que envolvem, em sua maioria, investimentos em renda variável.

No entanto, a taxa de corretagem também pode ser cobrada por negociações de títulos, fundos, contratos futuros e outros ativos.

Muitas corretoras estão adotando uma taxa fixa, não relacionada ao volume negociado. Com isso, quanto mais dinheiro for investido, menor o seu impacto no lucro dos investidores

Taxa de Custódia

A Taxa de Custódia é um percentual cobrado pela B3 para a custódia dos títulos públicos investidos pelo sistema do Tesouro Direto.

Alguns dos serviços que justificam essa cobrança são:

  • Guarda dos títulos;
  • Manutenção do sistema;
  • Envio de extratos mensais.

Por esse motivo, independentemente da corretora de valores escolhida, sempre haverá a cobrança da Taxa de Custódia da B3.

Taxas da bolsa de valores

A B3 possui inúmeras tarifas relacionadas a diferentes classes de produtos negociados em seu ambiente, como:

  • Commodities;
  • Juros e Inflação;
  • Moedas;
  • Renda Fixa Privada e Pública;
  • Renda Variável;
  • Programas de Incentivo.

Entre as principais, estão os emolumentos, taxas fixas cobradas pela B3 por cada negociação de ações.

Também chamados de Taxa de Negociação, eles servem para remunerar os serviços de processamento das negociações pela B3.

Porém, o valor cobrado varia de acordo com o volume investido, tipo de operação (Swing ou Day Trade) e perfil de investidor (pessoa física, fundos de investimento etc).

Além dos emolumentos, a B3 também cobra uma Taxa de Liquidação na mesma operação, que costuma ser de 0,0275%.

Outra cobrança, iniciada em 2020, é sobre o pagamento de dividendos a investidores com mais de R$20 mil aplicados na bolsa, com taxa de 0,12%.

Imposto Sobre Serviços

Por ser um tipo de serviço, a corretagem está sujeita ao Imposto sobre Serviços (ISS) a depender da regionalidade e da corretora.

Em São Paulo, por exemplo, o Imposto Sobre Serviços é uma tarifa municipal cobrada sobre o valor taxa de corretagem, chegando a 5% da mesma.

Nesse caso, se a taxa for zero, o valor pago de ISS também será zerado.

Imposto de Renda

O Imposto de Renda incide apenas sobre o lucro dos investimentos.

A alíquota é de 20% sobre as operações de Day Trade e de 15% para operações com mais de um dia de duração.

O recolhimento deve ser feito através da guia de arrecadação, conhecida como DARF.

Entretanto, é importante destacar que aplicações em renda fixa e/ou fundos de investimentos têm o IR recolhido automaticamente.

Como ganhar dinheiro com as ações da B3 (B3SA3)?

ações da b3 b3sa3 investimentos

Existem diversas formas de alcançar bons lucros com as ações da bolsa de valores brasileira, a B3.

Entre elas, está o recebimento de dividendos, que são pequenas parcelas do lucro de uma empresa, distribuídas como forma de remuneração entre os acionistas.

Segundo a Lei das S.A.s de 1976, todas as empresas listadas na bolsa brasileira devem distribuir um percentual obrigatório dos seus lucros, com exceção de casos específicos, como impossibilidade financeira.

Portanto, os dividendos são uma ótima alternativa para obter bons rendimentos no mercado de renda variável.

Uma outra forma de ganhar dinheiro investindo na B3 é focando no longo prazo.

Esse tipo de aplicação tem foco no crescimento da empresa e, consequentemente, na valorização de suas ações ao longo dos anos.

Para isso, é importante que o investidor se atente aos fundamentos da empresa e suas perspectivas de crescimento no setor financeiro.

Por ser, ao menos por enquanto, a única bolsa de valores ativa no mercado de capitais brasileiro, a B3 acaba oferecendo segurança aos seus acionistas.

Sendo assim, dependendo dos seus objetivos, os investidores podem escolhê-la como uma opção dentro de seu portfólio de ativos.

Vale a pena investir na B3 (B3SA3)?

Sem dúvida alguma, a B3 (Brasil, Bolsa e Balcão) é extremamente importante para o desenvolvimento da economia do Brasil. Estando listada no Novo Mercado, ela oferece liquidez e transparência aos investidores.

Ao mesmo tempo, fornece um ambiente seguro para a captação de recursos necessários para o desenvolvimento das companhias brasileiras.

No entanto, é comum que a bolsa brasileira seja a companhia que mais sofre em períodos de crise, já que é diretamente atrelada às flutuações do mercado.

Um outro ponto a ser analisado é a possibilidade de concorrência para a B3, já que uma nova bolsa é esperada para os próximos anos no Brasil.

Baseando-se em seus fundamentos históricos, a B3 (B3SA3) apresenta resultados satisfatórios. Mas antes de escolhê-la, é importante compará-la com outras opções de interesse para uma aplicação mais bem fundamentada.

Escrito por

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Compartilhe conosco suas experiências

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *