Home Blog Bootstrapping: o que significa, como funciona e como fazer o bootstrap?

Bootstrapping: o que significa, como funciona e como fazer o bootstrap?

bootstrapping

Iniciar um projeto, conseguir investimentos e montar uma equipe não são tarefas fáceis. Por vezes, as startups precisam investir não somente os valores monetários, mas em tempo e até mesmo iniciar com capital próprio (conhecido como bootstrapping).

O bootstrapping funciona como uma técnica usada para alavancar projetos e empresas apenas com capital (não somente financeiro) da pessoa empreendedora, sem depender de investimentos exteriores. Ou seja, construir ou fundar uma empresa a partir das finanças pessoais ou das receitas operacionais da nova empresa e um time.

Então, bootstrapping é uma forma de começar um negócio, serviço ou startup com apenas investimento próprio. É classificado como investimento não só o capital, mas também o tempo e outros recursos humanos.

Assim, ele tem como premissa a retroalimentação do projeto.

O que significa bootstrapping?

O termo bootstrapping é proveniente da palavra bootstrap (junção de boot: bota, e strap: alça). Em tradução literal do termo: alça da bota. Essa é uma parte da bota usada para auxiliar uma pessoa a calçá-la sozinha.

Então, a expressão bootstrapping significa (em tradução livre) “alçar a si mesmo”.

Por isso, o bootstrapping atua como uma forma de empreender ou abrir uma empresa com capital próprio e sem investimentos exteriores.

Como fazer o investimento bootstrap?

O primeiro passo para pensar em bootstrapping é ter uma ideia de projeto e um rigoroso planejamento, já que, uma vez iniciado o bootstrapping startup, o direcionamento dos ganhos em torno do lucro deverá se manter.

Assim, possibilitando o pagamento das dívidas e o reinvestimento.

Geralmente, investimento bootstrap é formado por um capital inicial, que se concretiza pelos seguintes fatores:

  • Capital pessoal do empreendedor: é o capital proveniente de ganhos pessoais. Alguns investidores começam montando um fundo de reserva e se direcionam para os investimentos (principalmente os de renda fixa, já que o retorno é seguro);
  • Time: equipe responsável por tocar o projeto. Por vezes, sua composição varia entre sócios ou parceiros (que não ganham um salário efetivo). Já que, no início, a empresa precisa de todo valor monetário investido em busca da geração de mais capital;
  • Recursos humanos: investir além de recursos financeiros, o tempo e dedicação em um projeto. Isso gera capital, por vezes, intelectual, e que posteriormente será convertido em financeiro. Empresas como a Microsoft e Apple iniciaram nessa proposição;
  • Crédito comercial: é o tipo de crédito concedido a empresas sobre a promessa de retorno em curto prazo. Geralmente, para empresas que estão iniciando e precisam daquele crédito em adianto.

Como funciona o crédito comercial?

A opção do trade credit ou crédito comercial é algo economicamente viável para as novas empresas, pois além do recebimento do crédito, diminui a necessidade de empréstimos (que apresentam altas taxas de juros).

Por exemplo: uma gráfica irá iniciar suas atividades e precisa de material para rodar os pedidos.

Dessa forma, ela não poderá atender os clientes, sem antes obter os materiais. Então, os fornecedores ou comerciantes realizam concessões para que se receba em um futuro próximo.

Contudo, quando a questão são os créditos comerciais, existem alguns indicadores que podem se tornar negativos nesse tipo de empreendimento:

Se o prazo de pagamento não for cumprido, isso poderá gerar outras implicações (até mesmo de cunho judicial).

Por fim, a metodologia bootstrapping apresenta alguns riscos e variáveis que podem ser maturadas diante um planejamento rigoroso, podendo não ser a melhor técnica a depender do negócio e dos recursos existentes. Por isso, é crucial uma pesquisa de mercado e preparação financeira, alavancando o negócio também pelo conhecimento.

Escrito por

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Compartilhe conosco suas experiências

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

connect

we'd love to have your feedback on your experience so far

bicycle