Saiba como cancelar o seu CNPJ!

cancelar cnpj 2

Cancelar CNPJ após o fechamento de uma empresa é uma situação bastante complicada. Isso porque o objetivo de todo empreendedor é ter um negócio de sucesso.

No entanto, por conta de diversos motivos como falta de recursos ou instabilidade no mercado, alguns empresários acabam optando por cancelar CNPJ.

O que significa cancelar o CNPJ?

Ao cancelar CNPJ, o empresário assume que não percebe mais potencial em seu empreendimento.

Por conta disso, decide deixar de ser uma pessoa jurídica, o que acaba representando uma redução nos custos tributários.

Isso porque quem é PJ possui maiores responsabilidades fiscais, com impostos fixos e tarifas mais altas.

Apesar de toda a burocracia envolvida no processo de registro, o cancelamento do CNPJ é bastante simples.

Mesmo assim, é preciso estar atento à todas as exigências a fim de evitar dores de cabeça e prejuízos.

Quando cancelar o CNPJ?

O cancelamento do CNPJ se torna necessário após o encerramento das atividades de uma empresa.

Com isso, o empresário comunica o encerramento formalmente à Receita Federal para dar baixa na empresa.

Quando esse procedimento não é realizado, as obrigações fiscais relacionadas ao negócio continuam. Além disso, com a ausência de pagamento, esses tributos são somados à multas.

É preciso lembrar que o CNPJ também pode ser cancelado em casos de:

Após a comunicação do real motivo para o encerramento, a Receita Federal emite uma certidão com o motivo e data de extinção.

Como cancelar um CNPJ?

Para a finalização de empresas tradicionais, são exigidas algumas ações antes da solicitação de baixa.

As empresas com formato de sociedade devem emitir o Distrato Social. Essa ação é responsável por dividir os bens da empresa entre os sócios .

Além disso, nele, é informado o motivo de fechamento da empresa. No entanto, o empresário que não possui sócio pode pular essa etapa.

ICMS e ISS

No caso de um empreendimento que pague impostos municipais como o ISS, é preciso fazer a solicitação de baixa na Secretaria de Finanças.

Cada município determina os documentos necessários, o período do processo e as taxas cobradas.

Já impostos estaduais como o ICMS, a baixa da inscrição pode ser feita na sede da Secretaria de Fazenda da região.

Fique atento às taxas federais

Algo importante a ser certificado são as dívidas relacionadas aos créditos federais e dívidas ativas na união.

A certidão é emitida na sede da Receita Federal, detalhando todos os pagamentos previdenciários e regularizações de tributos.

Regularização do FGTS

A consulta e solicitação do certificado de regularização do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço podem ser feitos diretamente pelo site da Caixa.

Caso haja alguma pendência como taxas ou tributos, o período de entrega é de 30 dias após o pagamento ser constado no sistema do banco.

Junta Comercial

Após recolher todas as certificações e regularizar as tributações, chega o momento de arquivamento de protocolo na Junta Comercial.

No caso da sociedade, todos os titulares devem assinar o documento, que tem valor variado de acordo com cada estado. Por isso, é preciso consultar a sede do órgão em seu município.

Quando efetuado o pagamento da taxa solicitada à Junta, o Distrato Social é arquivado.

Para isso, microempresas ou empresas de pequeno porte não precisam apresentar documento comprobatório de regularidade.

Fechamento da empresa

O cancelamento do CNPJ para Micro e Pequenas Empresas é feito através do aplicativo Coleta Web, dentro do site da Receita Federal.

Dentro dele deve ser feito o preenchimento e envio do formulário de baixa, indicando Evento 517: Pedido de Baixa.

Após o encaminhamento via aplicativo, é recebido um código de acesso para que o empresário analise o andamento da solicitação.

Quando o processo é finalizado, é emitido o Documento Básico de Entrada (DBE).

Ele deve ser impresso e entregue junto aos outros documentos no local indicado pelo sistema.

Como cancelar CNPJ sendo MEI?

Para quem atua como microempresário individual (MEI), é preciso acessar o Portal do Empreendedor, no setor de baixa.

É lá que são preenchidas as informações sobre a empresa a ser finalizada e seu titular, como:

  • CNPJ a ser cancelado;
  • CPF;
  • Dados cadastrais.

Após isso, deve ser marcada a opção Declaração de baixa. Será gerado então um Certificado da Condição de Empreendedor Individual que informa a baixa. Ele deve ser imprimido e guardado.

O processo de fechamento de empresa é finalizado com a entrega da DASN-Simei de extinção.

A baixa pode ser comprovada na página de Emissão de Comprovante de Inscrição e de Situação Cadastral na Receita Federal.

Qual a diferença do cancelamento de CNPJ do microempreendedor?

O diferencial oferecido ao MEI é que todo o processo é gratuito e a baixa no CNPJ ocorre mesmo com débitos ou declarações pendentes.

Nesse caso, a responsabilidade sobre esses pagamentos é passada para o titular ou sócio do empreendimento encerrado.

Por isso, pode ser interessante fazer uma Pesquisa de Situação Fiscal, disponibilizada no site da Receita Federal, evitando cobranças posteriores.

Além disso, é importante guardar a certificação de baixa para estar assegurado em casos de cobrança indevida.

Caso isso ocorra, existe o risco de ter o nome em órgãos de cobrança de crédito, como SERASA e SPC. Isso pode prejudicar o ex-empresário a criar uma nova empresa posteriormente.

Para quem desejar retomar as atividades com uma microempresa após o cancelamento, é preciso refazer todo o processo de criação.

Vale destacar que, em caso de inatividade por mais de 12 meses, a baixa no MEI ocorre automaticamente.

Após isso, os débitos pendentes ainda serão direcionados ao titular da microempresa.

Por isso, antes de cancelar CNPJ, é preciso estar atento às obrigações ligadas à empresa. Para mais conteúdos acompanhe a nossa carta do fundador, com insights valiosos todos os dias!

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos