Home Blog Casal empreendedor: 5 dicas para empreender a dois!

Casal empreendedor: 5 dicas para empreender a dois!

casal empreendedor 1

Gerenciar um negócio em família é um dos maiores medos dos brasileiros, por exemplo, na realidade de um casal empreendedor. Muitas pessoas não sabem demarcar as relações profissionais e afetivas. Não que uma precisa estar necessariamente desvinculada a outra, mas é necessário existir limites.

Por exemplo, um casal empreendedor pode sentir dificuldade em desenvolver um negócio de sucesso sem existir desavenças. Geralmente acontecem estas ocasiões pela falha administração das atividades de cada um no empreendimento.

Um casal empreendedor precisa trabalhar em casal, mas não ser apenas um casal trabalhando. Ou seja, empreender em casal exige sacrifícios tais e quais montar um negócio por si só.

Compromisso, amor e propósito são algumas das intenções que se fazem necessárias.

5 dicas para casais empreendedores

Seja uma mulher empreendedora ou um homem empreendedor, é essencial buscar o espaço no mercado. Conhecer as soluções que serão desenvolvidas e as concorrências, são alguns dos tópicos a serem contemplados.

1. Encontrar um propósito em comum

Não adianta abrir um negócio em família se não for um propósito comum. Não significa que os envolvidos precisam estar completamente envolvidos na delegação de uma função, mas sim estar próximos do tema.

Por exemplo, se um casal decide abrir uma loja de artigos de praia, mas uma das pessoas não gosta de lidar diretamente com a venda, e sim com a contabilidade,  é esse potencial que deve ser explorado.

Perceber que cada um possui individualidades, desde que sejam complementares, é um identificador de possível crescimento do empreendimento, já que cada um compete a função de forma direta e competente.

2. Designar atividades

Assim como encontrar um propósito em comum, designar as atividades é uma tarefa indispensável para não existir sobrecarga de funções.

Quando os ofícios não estão bem definidos, é possível que uma pessoa acredite estar fazendo mais do que a outra.

Mesmo que não seja verdade, quando não existe o direcionamento de postos, é provável que surjam brigas sem fundamento, apenas pela falta de definição.

3. Estabelecer limites

Assim como quem tem um empreendimento em casa, quem exerce o empreendedorismo em casal, precisa estabelecer limites. Não apenas ligado a sentido territorial, para que cada um possa cultivar sua individualidade de maneira saudável.

Isto é, estabelecer limites até mesmo na forma de tratamento é um ponto chave para o sucesso ou insucesso do negócio. Empreendedores estão diretamente ligados à oscilações de ganhos, resolução de problemas, exercício da criatividade, etc.

Por isso, é preciso desenvolver  uma relação profissional e afetiva em comunhão, com cada um respeitando o espaço do outro.

Afinal, negócios são negócios.

4. Motivação

Muitos casais empreendedores deixam de fazer dinheiro porque começam por empolgação, não por motivação. Apesar de facilmente ser confundida, a empolgação e a motivação possuem significados diferentes.

A empolgação está atrelada ao momento e a motivação é algo que pode ser cultivado por um maior período de tempo.

Além disso, quando uma das duas “pontas” ficam solta, é quase que automático que a outra solte.

5. Proteção

Por vezes, alguns casais empreendedores quebram, acontece, vida real, e o maior problema geralmente envolve a concentração de renda no empreendimento em questão e o mal gerenciamento dos recursos.

Por isso, o casal que está empreendendo, precisa estar atento e proteger deste risco, criando, por exemplo, uma reserva de emergia e até mesmo buscar outras fontes de renda para diminuição desse risco.

Para alavancar o negócio de um casal empreendedor, é preciso estimular a motivação mútua de maneira consciente, lidando também com os problemas reais. Duas cabeças pensam melhor do que uma, mas as duas precisam estar presentes.

Escrito por

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Compartilhe conosco suas experiências

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *