CDI: conheça uma das mais importantes taxas do mercado financeiro

CDI

Ao procurar por investimentos de renda fixa, é comum que alguns tenham a sua rentabilidade atrelada a taxa CDI.

Por isso, é fundamental que o investidor conheça melhor o CDI, a sua importância econômica e sua aplicação para os investimentos.

O que é CDI?

CDI é a sigla para Certificado de Depósito Interbancário, que são os títulos com emissão pelos bancos para possibilitar o empréstimos entre bancos.

Ou seja, esse título não está associado aos empréstimos que nós fazemos ao banco ou vice-versa. Na verdade, ele é um índice que leva em consideração as atividades das instituições financeiras.

Basicamente, isso acontece para que para atender ao planejamento do Banco Central do Brasil (Bacen).

De forma simplificada, o objetivo do banco central é forçar que os bancos fechem o dia com saldo positivo. Assim, podemos dizer que a taxa que indica o equilíbrio entre o sistema bancário é justamente a CDI.

Apesar de ser uma taxa do mercado interbancário, A importância do CDI não se restringe as instituições financeiras.

O investidor de renda fixa, provavelmente já deparou com essa taxa ao avaliar opções de investimentos. Isto acontece porque essa taxa se referencia a rentabilidade de títulos de renda fixa.

Investimentos atrelados ao CDI

CDI

Como dito anteriormente, há vários investimentos de renda fixa atrelados ao índice.

Mas, para que o investidor decida qual é a melhor taxa para referenciar seus investimentos, é necessário saber quais são os investimentos indexados ao CDI.

CDB

O CDB (Certificado de depósito bancário) é um dos investimentos que tem maior relação com o CDI. A emissão dos Certificados de Depósito Bancários são feitos por instituições financeiras para financiar as suas atividades.

Ou seja, o investidor empresta dinheiro a um banco e, em troca desse “favor”, um banco rende o capital aportado pelo investidor referenciando-se em uma determinada taxa: O CDI.

Normalmente, ao procurar investir em CDBs, o investidor se deparará com rentabilidades de X% do CDI.

Na maioria das vezes, quanto maior for a porcentagem da taxa CDI, mais arriscada a instituição financeira é para o mercado.

No entanto, não há razões para que o investidor se preocupe. Esse tipo operação tem a garantia do FGC (Fundo Garantidor de Crédito). O fundo cobre, por CPF, operações em até R$250 mil reais.

LCI

A instituições financeiras emitem os títulos de LCIs (Letras de Crédito Imobiliário), utilizados pra captar recursos para financiar a atividade do setor imobiliário.

O setor imobiliário, importante para nossos governantes, tem o incentivo de isenção de IR.

Então essa é uma das opções de renda fixa atreladas ao CDI e sem IR. Assim como os CDBs, esses títulos entregam uma rentabilidade de X% do CDI.

Esse também é um investidor altamente seguro, já que conta com o Fundo Garantidor de Crédito. 

LCA

De forma bastante similar ao LCI, os  LCAs são utilizados pelas instituições financeiras para financiar atividades consideradas estratégicas pelo governo, só que desta vez falamos do setor do agronegócio.

Portante, por conta do planejamento econômico governamental, esses investimentos também são isentos da cobrança de IR.

Assim como os 2 investimentos citados acima, o rendimento de um LCA é X% do CDI e também recebem cobertura do FGC.

LC

LC (Letra de Câmbio) são títulos emitidos para financiar as atividades de instituições financeiras não bancárias, como a CERASA.

Neste caso, o imposto de renda pode afetar a rentabilidade do investidor.

Quando maior o prazo que o investidor mantem o título, então, menor será incidência de Imposto de renda.

No entanto, assim como as demais, esse investimento também recebe cobertura do Fundo Garantidor de Crédito.

Relação da Selic e do CDI

Mais conhecida ainda que a taxa CDI, a Selic é a taxa básica de juros da econômica brasileira.

Historicamente, essas taxas apresentam certa correlação. Movimento em ascendentes em na Selic tendem a ser acompanhados de aumentos no CDI.

No entanto, existem algumas claras diferenças entre o CDI e a Selic.

Enquanto o CDI é atualizado diariamente, a alteração taxa Selic acontece periodicamente via decisões do COPOM (Comitê de Política Monetária).

Vantagens do CDI

Além do Certificado de Depósitos Interbancários, os investimentos de renda fixa também são atrelado a outros indicadores financeiros.

Como exemplo temos a Selic, citada anteriormente, e até mesmo índices de inflação, como o IPCA e IGP-M.

No entanto, evidentemente, existem algumas vantagem de investir no CDI.

É possível afirmar que essa é uma forma de investir com maior “previsibilidade”, já que o indicador é pouco volátil.

Além disso, a rentabilidade do investimento não necessariamente é exatamente igual a performance do índice no período.

A grande maioria dos investimentos atrelados ao CDI possuem uma rentabilidade de X% do CDI diferente de 100%.

É possível destacar também como uma vantagem desse índice o alto volume de aplicações isentas de imposto de renda atreladas ao Certificado de Depósitos Interbancários .

Por essa taxa ser usado no mercado de instituições financeiras, que por sua vez fomentam a atividade de diversos setores econômicos, essa isenção do governo é dada como um incentivo.

A grande desvantagem desses investimentos é a maioria deles tem uma elevação no preço de entrada.

Se um investidor possui um grande patrimônio, isso não será um problema. Mas, para quem está começando, esse preço de entrada costuma ser bastante elevado.

Por fim, se você pretende investir na renda fixa, conhecer o CDI e saber as suas vantagens é imprescindível para a decisão de investir.

Qual é o significado CDI?

Certificados de Depósito Interbancário.

O que significa 100% do CDI?

Uma conta com rendimento de 100% do CDI renderá o mesmo valor do CDI durante todo o tempo em que o dinheiro estiver aplicado. Se o estiver em 3% ele renderá também 3%, por exemplo.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos