CET: como encontrar o Custo Efetivo Total de um serviço?

custo efetivo total

Quando o assunto é bancos, muitas tarifas estão envolvidas, como o CET. Mas isso não quer dizer que você tem que pagar por todas elas!

A princípio, o custo efetivo total (CET) tende a variar de acordo com a instituição financeira. No momento em que se realiza um empréstimo, por exemplose estrutura uma porcentagem de taxas para o cliente mediante os serviços prestados pelo banco 

custo efetivo total (CET) é justamente o valor total que será pago por você, sendo incluído todos os juros e taxas cobradas. Por isso, atenha-se ao prazo de pagamento, pois ele pode encarecer bastante um empréstimo. 

Como funciona o custo efetivo total e o que faz parte dele?

Para entender como funciona o custo efetivo total, é preciso entender o como ele é formado.

Por isso, atente-se a como o CET é composto: 

  • Juros das parcelas do empréstimo;
  • Gasto por serviços realizados pelo banco (mesmo que com serviços terceiros contratados pelo banco);
  • Impostos (sendo um deles o IOF – imposto sobre operações financeiras);
  • Taxa de abertura de contas ou abertura de relacionamento;
  • Taxa de abertura de contrato;
  • Seguros (ex: aquele que você contrata caso não puder pagar o financiamento e afins);
  • Juros do contrato, tributos e tarifas.

Como calcular o custo efetivo total? 

Para entender sobre como calcular o custo efetivo total de empréstimo, se faz necessário compreender primeiro que ele é expresso sempre como custo efetivo total anual e se localiza de forma destacada no contrato.  

Apesar do cálculo ser um pouco complexo, você não precisará fazê-lo, pois o banco já o deixará pronto e descriminado no contrato.  

Entretanto, sua formula é a seguinte:

Onde: 

  • FC0 – é o valor do empréstimo concedido (já deduzido: tarifas, encargos pagos com antecedência e despesas). 
  • FCj  é o valor dos encargos cobrados pelo banco, incluindo todas as taxas, custos, seguros, cadastros, renovações cadastrais e tarifas. 
  •  é o valor do intervalo entre a data do pagamento e do desembolso inicial, sempre expresso em dias.   
  •  é o prazo do contrato, assim como ‘j’, também é expresso em dias corridos.  
  • dj – é a data de pagamento dos valores acordados em relação ao FCj (os encargos).   
  • d0  é a data de liberação do crédito ou empréstimo solicitado. 

Através dessas fórmulas custo efetivo total de uma operação pode ser calculado.  

Ainda assim, pode surgir o questionamento “taxa de juros: como calcular o custo efetivo total?”.

Pois bem, use uma calculadora financeira e acrescente os seguintes valores: 

  1. Taxas de juros;  
  2. Tributos e tarifas bancárias; 
  3. IOF; 
  4. Taxas cadastrais e de abertura de conta; 
  5. Seguros e demais despesas do contrato.

Isso te dará um custo inicial, mas atenha-se aos encargos que serão mensais 

Depois de checar os valores que virão a cada mês, some doze meses para ter um prognóstico de um ano e acrescente o valor do empréstimo concedido

Dessa forma, você chegará no valor do custo efetivo total, consequentemente o valor que você irá pagar pelo empréstimo.  

Regras da boa vizinhança quando o tema é Custo Efetivo Total 

Entender o funcionamento do CET é um passo importante para um melhor funcionamento da sua agenda financeira. Por isso, siga algumas dicas de educação financeira importantes na hora de buscar um crédito:  

  • Evite a abusividade antes de fazer um empréstimo. Confira as instituições financeiras e seus valores de CET. Assim, você pagará menos;
  • Não compare só a taxa de juros, encargos maiores te prejudicaram, com um custo efetivo total;
  • Também tome o cuidado do valor da parcela, ele não pode ser maior que 30% da sua renda fixa, caso contrário você poderá prejudicar seu equilíbrio financeiro.   

Agora que você já sabe sobre o CET, tenha um melhor controle financeiro ao pedir um empréstimo ou abri uma linha de crédito, economize ao saber exatamente o custo efetivo total e sempre busque o valor mais justo.  

 

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos