Como funciona uma audiência de conciliação de dívidas?

conciliacao de dividas 1

Renegociar dívidas ou até mesmo chegar em um acordo sobre determinados casos, pode ser uma tarefa árdua. Por isso, a conciliação de dívidas é um método que ocorre com frequência no início de um processo.

Uma conciliação de dívidas funciona a partir de um cartório ou juizado. Esse órgão busca contatar ambas as partes envolvidas em um processo para solucioná-lo por meio de um acordo.

A conciliação de dívidas é uma prática pautada na agilidade e tem como objetivo chegar em um consenso entre duas partes envolvidas numa ação ou processo judicial.

Mas, primeiramente, é necessário destacar o papel da educação financeira para ajudar o consumidor a não contrai dividas e poupar toda essa dor de cabeça relacionada às pendências financeiras.

Como funciona a conciliação de dívidas?

Como funciona a conciliação de dívidas? A conciliação de dívidas é uma forma de resolver mais rapidamente uma pendência entre duas partes.

Dessa maneira, ela é apresentada quando um processo tem início, geralmente, a pedido de alguma das partes envolvidas.

A audiência de conciliação de dívidas só ocorre quando ambas as partes estão na mesma página, ou seja, estão em sinergia e escolhem participar.

Portanto, as partes envolvidas irão conversar e tentar chegar em um acordo, sempre orientados pelo juiz de concílio.

No caso de um acordo, o caso é solucionado de forma amistosa e rápida. Já em caso de discordância, será marcado uma nova audiência para apresentação de testemunhas e provas.

Em caso de segundos não-acordos após a nova audiência, a ação segue para o processo seguinte em que o juiz chegará numa sentença cabível.

O não comparecimento em audiência de conciliação

Em caso de não comparecimento em uma audiência de conciliação estão sujeitos:

  • Autor da conciliação de dívidas: o não comparecimento resulta em um prazo para justificação perante o juiz. Se identificado relevância no motivo de ausência uma nova audiência é marcada. Se não, o juiz mandará arquivar o processo;
  • Réu da conciliação de dívidas: o não comparecimento resulta em um prazo para justificação de ausência perante o juiz. Caso não participe da justificativa ou considerem que não há relevância ou motivo para a falta, o juiz aplicará um termo de confissão.

O termo de revelia ou confissão funcionará como se o réu tivesse assumido que tudo que o autor da ação propôs é, de fato, verdade.

Já no caso de arquivamento de processo, o autor poderá abrir outra ação idêntica, e novamente será marcada uma audiência de conciliação.

Em qual situação a audiência de conciliação de dívidas é possível?

Uma dúvida pertinente no momento de escolha sobre seguir ou não com a conciliação de dívidas é: quando ir.

A audiência de conciliação com banco, geralmente, gera mais preocupação para os autores de processos. Mas, ela e outras ações devem ser encaradas com mais clareza.

Por isso, é possível abri uma ação de conciliação de dívidas nos seguintes casos:

  • Causas trabalhistas;
  • Causas de separação de bens;
  • Questões com empresas de telefonia e planos de saúde;
  • Dívidas de cartões de crédito ou débito;
  • Financiamento em que se crê existência de irregularidades;
  • Acidentes ou sinistros de trânsito que incidiram em danos de propriedades ou bens;
  • Atrasos em entregas de bens e imóveis;
  • Em casos em que pode se considerar propaganda enganosa;
  • Situações com vizinhos ou inquilinos;
  • Para renegociar ou negociar dívidas.

Como agir em uma audiência de conciliação de dívidas?

Como agir em uma audiência de renegociação de dívidas?  É importante que o autor se atenha aos detalhes do processo e busque auxílio de um advogado.

Visto que, em caso de aceitação, a ação é finalizada e poderá não funcionar totalmente ao favor do reclamante ou ele deixar de obter melhores acordos.

Além da renegociação, também é possível abrir uma audiência por dívidas, sejam elas de qualquer segmento ou natureza.

Para um bom funcionamento, o autor da ação deve utilizar dos passos a seguir:

  • Reunir documentos: todo tipo de prova que comprove os prejuízos, danos, dívidas e que ajudem a montar uma credibilidade e corrobore na veracidade dos ocorridos;
  • Montar resumo: fatos que não devem ser esquecidos durante a audiência ou momentos que merecem destaque;
  • Manter pontualidade: o comparecimento em tempo para a audiência é um passo importante para a conclusão da ação, atrasos e não comparecimento acionará as atitudes cabíveis, com possibilidade de multa de até 2% sobre valor da causa.

Por fim, a conciliação de dívidas deve ser acionada sempre que a pessoa se sentir lesada e tiver interesse de um encerramento mais rápido e amigável da ação com o credor ou devedor. Mais conteúdos como esse? Inscreva-se no nosso Whatsapp.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

4 respostas

  1. Tenho uma audiencia marcada, mas em outro estado e não tenho como ir. Tentei fazer acordo pra negociar a dívida mas o advogado quer o valor mais auto. O que acontece se eu não for. Eu sou a devedora

    1. Juliana, você pode enviar uma justificativa ao juiz. Caso ele identifique relevância no seu motivo, uma nova audiência poderá ser marcada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos