Vale a pena fazer um consórcio para quitar financiamento?

consorcio para quitar financiamento

Comprar um segundo imóvel ou ter a casa própria é uma realidade buscada por muitos brasileiros. Especialmente pelo alto preço dos imóveis, algumas pessoas optam por fazer um financiamento, empréstimo ou até mesmo o consórcio para quitar financiamento.

No caso do consórcio para quitar financiamento: funciona por meio de uma negociação entre a administradora do consórcio, o consorciado(cliente) e a instituição financeira que concedeu o financiamento, claro, levando em consideração o valor do consórcio e o do financiamento.

Então, o consórcio para quitar financiamento é uma modalidade de dívida que se constitui pela realização de uma atividade de consórcio para pagar o já existe financiamento (crédito concedido por instituições financeiras).

É necessário lembrar que, para contrair empréstimos, solicitar um financiamento ou fazer um consórcio, é importante utilizar a educação financeira e fugir das dívidas com altos juros.

Quais diferenças entre o financiamento e consórcio e como eles funcionam?

O financiamento é uma prática de concessão de crédito (dinheiro) para pessoas físicas ou jurídicas em troca de um pagamento parcelado com acréscimo de juros sobre o valor requisitado.

Mas, como funciona o consórcio? Um consórcio se constitui pelos seguintes fatores:

  • Administradora: é a empresa responsável por fazer o consórcio. Ela administra o fundo coletivo e a entrada de membros, além de ser a instituição que irá conceder o valor requisitado quando houver a contemplação por sorteio ou lance;
  • Consorciado: é pessoa ou empresa que deseja fazer consórcio, seja de bens, imóveis, veículos e até mesmo viagens;
  • Parcelas: toda operação de consórcio se caracteriza pelo pagamento de parcelas para criação de um fundo coletivo. As parcelas são proporcionais ao valor do bem e tipo de consórcio;
  • Fundo coletivo: é criado a partir do pagamento mensal realizado por todos os membros presentes no consórcio;
  • Contemplação, sorteio e lance: é o momento em que o consorciado ganha o valor monetário requisitado. A contemplação atua por meio do sorteio (de forma aleatória) ou por lance (quem pagar mais no mês ganha).

A principal diferença entre o financiamento e consórcio é o tempo na aquisição do bem. No financiamento, o direito ao bem é concedido rapidamente. Porém, ele é mais burocrático na sua seleção e análise financeira por parte das instituições ou bancos.

Já no consórcio, é preciso esperar que se concretize o sorteio ou a contemplação por lance para que se possa adquirir o bem.

Além disso, o consórcio apresenta também encargos menores em comparação com o financiamento, principalmente pela ausência de IOF.

É possível pegar consórcio para pagar um financiamento?

Vale a pena fazer consórcio e quitar financiamento ou pegar um consórcio para pagar financiamento?

Existem diversos fatores que irão influenciar se o ato de quitar financiamento com consórcio vale a pena. Uma maneira é analisar o custo efetivo total da operação.

O custo efetivo total (CET) é o valor pago integralmente se somados todos os encargos, juros, taxas e parcelas do dinheiro ou crédito que será concedido. Ele deverá estar presente no contrato, juntamente com os temos e possibilidades quanto ao uso.

Contudo, quando a questão é utilizar consórcio para financiamento ou carta de crédito para quitação de financiamento é preciso saber:

  • Se a operação é permita: ela deve estar amparada no contrato de consórcio. Geralmente, se disponibiliza isso em termos escritos no contrário, assim, anunciando se é possível pagar financiamento com consórcio ou pela carta de crédito contemplada;
  • O valor da carta: é necessário saber se o valor da carta é igual ou maior ou igual ao valor do imóvel desejado. No caso de ser menor, é proibida a realização da operação;
  • É crucial saber as taxas ou encargos cobrados no consórcio: toda operação de consórcio tende a apresentar uma taxa administrativa destinada para as administradoras do fundo. Por isso, é preciso saber se o pagamento da taxa irá compensar.

Dessa forma, caso atinja todos os critérios, é possível quitar um financiamento com consórcio.

Contudo, apesar de se uma modalidade muito atraente pela sua isenção de IOF e até mesmo ausência de juros, fazer uma operação nesse nível requer alguns cuidados.

Quais cuidados na hora de fazer o consórcio, financiamento ou renegociar dívidas?

O consórcio, em comparação com as demais modalidades de compra, é um procedimento com burocracia diminuída, mas não necessariamente representa a melhor escolha.

Na hora de decidir entre fazer um financiamento, consórcio ou renegociar dívidas, é válido cogitar:

  • Portabilidade de crédito ou portabilidade de dívida: consiste em “trocar de lugar” uma dívida. Basicamente, se busca uma nova instituição que ofereça descontos ou isenção de taxas. Assim,o valor das parcelas e o custo efetivo total são barateados;
  • Renegociação das taxas de juros: é possível conversar com a própria instituição bancária sobre uma negociação das taxas cobradas, além de alertar sobre a possibilidade de mudança com a portabilidade;
  • Menor custo efetivo total na operação: quando estiver comparando entre as modalidades de compra, uma forma assertiva é a comparação entre o custo efetivo total de cada. Só assim, se saberá o valor que é menor e mais benéfico;
  • Investir o dinheiro em renda fixa ao invés de realizar nova dívida: os investimentos em renda fixa são seguros e com o dinheiro que se gastaria nessa nova dívida (consórcio), seria possível comprar fundos, títulos ou tesouros que permitirá o pagamento à vista.

Por fim, decidir entre fazer consórcio para quitar financiamento ou outras modalidades de compra, é algo que requer planejamento. Criar dívida para quitar uma pré-existente não é saudável, ainda mais quando as chances de superendividamento na modalidade são altas. Mais conteúdos? Inscreva-se no nosso Whatsapp.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos