Home Blog Saiba como funciona o contrato a termo

Saiba como funciona o contrato a termo

contrato a termo

Por meio do contrato a termo, é possível firmar um compromisso de compra ou venda de um ativo em determinado período.

contrato a termo pode ser utilizado pelos investidores para incrementar a sua estratégia de investimento.

O que é o contrato a termo?

Contrato a termo é um acordo entre duas partes de compra ou venda de um ativo, se caracterizando como uma das opções mais simples do mercado derivativo.

Este acordo pode ser firmado através de um contrato particular ou negociando na bolsa de futuros.

No entanto, para os investidores comuns, que operam utilizando a bolsa de valores, o mais comum é negociar contratos a termos através da Bovespa (atual B3).

A B3, por sua vez, para a negociação a termo, estabelece alguma regras.

Regras do contrato a termo

contrato a termo

Desta forma, quem deseja negociar esse tipo de derivativo, deve conhecer as principais regras do contrato a termo.

  • No contrato a termo, o prazo do acordo deve ser concordado por ambas as partes, e deve ser de no mínimo 16 dias e no máximo 999 dias;
  • É necessário um limite mínimo de transações, utilizando como margem de garantia nas operações;
  • Se for acordado entre as 2 partes, o ativo pode ser liquidado antes do vencimento do contrato;
  • Para poder fazer esse tipo de operação o investidor deverá estar registrado na CBLC (Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia).

Como funciona o contrato a termo?

Como dito anteriormente, este tipo de acordo estabelece um prazo para compra ou venda de um ativo.

A parte que se propor a comprar assume uma posição comprada, enquanto a parte que promete a venda no futuro assume uma posição vendida.

Ao firmar o contrato, será definido o valor ao qual o ativo será comprado/vendido, o preço de entrega.

O preço de entrega é exatamente igual ao preço a termo assim que o contrato é negociado.

No entanto, com o passar do tempo, o preço a termo vai variar de acordo com as expectativas e situação do mercado, o que resultará em ganho para alguns dos lados.

Por exemplo, imagine que firmamos um contrato a termo de 30 dias sobre o preço de 1 kg de café.

No momento que fechamos o acordo o kg do café custava R$20,00. Considerando o mercado em preço a termo para o prazo de 30 dias, teríamos um preço de R$20,10, com o juros 0,5% ao mês.

Mas, após 15 dias do fechamento do contrato, o preço do kg do café dispara e chega a R$25,00.

Como o preço de entrega previsto se mantem o mesmo, a posição comprada se beneficia deste contrato, já que adquire o ativo por um preço menor do que ele realmente vale.

E o que muda para a bolsa de valores?

O exemplo a cima é razoavelmente simples. Quando falamos de negociação de contrato a temo na bolsa de valores, a coisa pode ficar um pouco mais complicada.

Afinal, quando o contrato é negociado em bolsa, é possível ter acesso a todas informações da negociação a todo momento.

Você pode saber exatamente o número de contratos negociados e o preço a termo atualizado, por exemplo.

No entanto, a principal diferença está na flutuação dos preços de entrega e o preço a termo.

No caso da bolsa de valores, a mudança destes preços pode ser muito mais constante e significativa.

Nos mercado tradicionais, como o exemplo do café, o ajuste acontece no vencimento do contrato a termo.

Contudo, na bolsa de valores, essas diferenças são atualizadas diariamente, através de mecanismos de margem similares aos usados no mercado futuro.

Vale a pena fazer negociações de contrato a termo?

Esse tipo de operação não costuma ser indicado para quem está começando a investir, dado o grau de complexidade da operação.

No entanto, pelos mais experientes, este é um instrumento muito usado para gerar caixa ou financiamento.

Para uma operação de financiamento, por exemplo, um investidor adquire um lote de ações e vende a termo outro lote de ações equivalente, no mesmo pregão.

Ao inverso, para gerar caixa, o investidor vende um lote de ações que possui e compra a temor o mesmo lote, tudo isso no mesmo pregão.

Ou seja, independente da estratégia adotada, o investidor deve conhecer bem o ativo e o mercado em geral.

Por isso, esse tipo de operação tende a ser classificada como arriscada.

É comum que investidores mais experientes e com maior patrimônio utilizem a estratégia do mercado ao termo, para fins de alavancagem ou proteção dos seus recursos.

Por fim, é importante que o investidor conheça o contrato a termo e as demais opções fornecidas por esse mercado. Assim, é possível se aprofundar cada vez mais no mundo dos investimentos.

Escrito por

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Compartilhe conosco suas experiências

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *