Credit Default Swap: entenda o que é

credit default swap

Para aumentar a proteção das carteiras de crédito das instituições financeiras, um seguro foi criado: o Credit Default Swap. Com ele, é possível avaliar a segurança para quem investe em um determinado país.

O objetivo do Credit Default Swap é evitar o prejuízo para quem tem um título público, em caso de inadimplência.

O Credit Default Swap, ou CDS, é um derivativo de crédito que oferece proteção e assume o pagamento do valor investido ou uma parte dele ao comprador desse crédito.

Características do Credit Default Swap

Pela sua função, caso um emissor deixe de honrar um compromisso, o seguro fica responsável por pagar ao contratante. Quem opta pelo CDS pode ter proteção ou lucro, de acordo com o objetivo da transação.

O mercado derivativo de crédito abrange CDS específicos de alguns tipos de risco, como títulos soberanos e de grandes empresas, além de CDS de uma carteira.

Existem duas formas mais comuns de liquidação de um CDS:

  1. O titular do papel recebe a diferença entre o preço de mercado do título e o seu preço de emissão;
  2. O titular do papel recebe o equivalente às parcelas de juros não pagas, além do principal.

O pagamento de uma indenização ocorre quando não há o pagamento de uma obrigação, por exemplo. Além disso, ele pode acontecer quando há a falência, renegociação de dívidas, rebaixamento da nota de crédito ou moratória.

Vantagens e desvantagens de um CDS

Aderir ao CDS tem várias vantagens. Uma delas, por exemplo, é o prazo de vigência dos contratos de 1 a 10 anos, com a maior parte da liquidez concentrada em um período de 5 anos.

Além disso, outro ponto importante é que, apesar de serem investimentos em títulos de emissores de outro país, não há preocupação com taxa de câmbio. O CDS tem maior liquidez, portanto ele é uma opção bem interessante de investimento.

Sendo assim, os prazos para a vigência dos contratos não necessariamente seguem os prazos padronizados dos papéis de renda fixa.

Esse seguro fornece um fluxo constante de pagamentos com pouco risco de queda e pode ser usado para proteger o risco de crédito de ativos no balanço patrimonial.

Por outro lado, os contratos de CDS têm algumas desvantagens como, por exemplo:

  • Regulamenta-se pouco;
  • Os contratos não seguem um padrão;
  • Mudam de valor conforme a percepção dos agentes financeiros;
  • Têm risco da seguradora não honrar o compromisso.

Negociação do Credit Default Swap

credit default swap 2

A Associação Internacional de Swaps e Derivativos (ISDA) negocia e documenta os contratos de CDS. Os termos dos contratos podem variar de acordo com a vontade das partes envolvidas.

A maioria dos CDS exigirá um pagamento de prêmio contínuo para manter o contrato, que funciona como uma apólice de seguro.

Em negociações de CDS, o comprador do swap efetua pagamentos ao vendedor até a data de vencimento do contrato.

Por outro lado, o vendedor paga o valor da garantia ao comprador. Ele também fica responsável pelo pagamento dos juros que seriam quitados entre esse período e a data de vencimento do título.

Além disso, é importante a seguradora avaliar o risco do crédito e, assim, receber uma compensação justa.

Credit Default Swap: indicador de risco

Já que o Credit Default Swap é responsável por avaliar e precificar o risco de um título de crédito, ele se tornou um dos principais indicadores de risco do mercado.

O CDS é utilizado, sobretudo, para investimentos internacionais. Sendo assim, quanto maior for o risco de um país, maior será o valor do seguro, já que o mercado pode ter efeitos maiores.

Tanto profissionais financeiros quanto reguladores e imprensa utilizam as informações obtidas com o Credit Default Swap. Essa é uma maneira de observar os riscos de cada lugar onde o título está disponível.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos