Home Blog O que é crowdfunding? Entenda como funciona o financiamento coletivo

O que é crowdfunding? Entenda como funciona o financiamento coletivo

crowdfunding 2

Começar um negócio pode ser uma questão complexa, principalmente, na busca por investidores e capital inicial para o novo empreendimento. O crowdfunding é um método que atua justamente nessa captação, de forma segura e online.

O crowdfunding funciona através de plataformas e sites, atuando como uma espécie de vaquinha online na qual pessoas interagem e procuram investidores, que compram a ideia do projeto.

Então, o crowdfunding é uma prática de financiamento coletivo instaurada pela captação monetária online.

Nessa modalidade, é possível coletar seguidores que investem no projeto, estipular metas e assim, tirar um negócio do papel.

Entenda como funciona a dinâmica de um financiamento coletivo

O crowdfunding, também conhecido como financiamento coletivo, é uma forma de mostrar um produto, serviço ou negócio em um tipo de vitrine virtual.

Através dessa plataforma vitrine, os usuários podem interagir com o autor do negócio e escolher quantias que desejam investir.

Para conseguir financiamento coletivo, é necessário buscar algumas plataformas de vaquinha online, existem diversas nacionais e até internacionais.

Entretanto, é comum que todas sigam um padrão ou dinâmica do financiamento coletivo:

  • Ter em mente um produto, serviço ou negócio capaz de desenvolver algo palpável ou virtual;
  • É determinado um valor para que aquele projeto seja subsidiado e entre em ação;
  • Política de tudo ou nada: é uma maneira de estipular um prazo limite para que a arrecadação aconteça. Sendo assim, o site de financiamento coletivo obriga o autor a não fugir desse prazo, se não, todo valor arrecadado até o momento é devolvido;
  • Política Flex do crowdfunding: não é preciso atingir 100% do valor adotado como meta. Contudo, a plataforma de financiamento coletivo cobrará uma porcentagem a mais sobre o valor arrecadado para esse tipo de modalidade;
  • Geralmente, os investidores são tratados como sócios que não ganham porcentagens ou lucros em cima do investimento realizado, mas sim, uma prova do produto, um modelo de testes, um serviço premium ou antecipado, entre outros;
  • Opta-se por escolher o que cada investidor vai ganhar em relação ao investimento feito, com base nos valores doados;
  • As plataformas cobram uma taxa sobre o valor arrecadado: atua como um percentual pelo uso e divulgação do projeto no site da plataforma.

Os tipos de crowdfunding e suas possibilidades

Os principais tipos de crowdfunding ou financiamento coletivo de projetos são aqueles que mobilizam o maior número de pessoas em prol de uma meta.

Esses sites solicitam um financiamento colaborativo para:

  • Crowdfunding para produtos: serve para lançar produtos, subsidiar a produção ou criação de produtos e afins;
  • Crowdfunding para ideias exclusivas e que serão finitas: criação de serviços, produtos e outros variantes que serão apenas para aquela ocasião ou funcionarão como algo Premium/VIP, uma peça exclusiva;
  • Crowdfunding social para projetos sociais: ONGs e outras associações que pedem financiamento para realização de alguns projetos da organização;
  • Crowdfunding para eventos: festividades, shows, cursos, seminários, workshops, congressos, eventos esportivos e outros;
  • Crowdfunding para viagens coletivas e experiências: grupo de pessoas que criam pacotes de viagens coletivos ou venda de chamadas “experiências” que abarcam desde passagem, trilhas, estadia, participação de eventos, turismo e demais possibilidades;
  • Crowdfunding social para doação: geralmente, pessoas que estão enfrentando eventualidades ou para fazer determinados procedimentos cirúrgicos e afins.

Em conclusão, existem diversos tipos e práticas de financiamento coletivo. Porém, ele não é uma metodologia assertiva, não se tem uma garantia que irá, de fato, ser comprado.

Por isso, muitas vezes é preciso buscar outras formas de conseguir um investimento para além do crowdfunding. O ideal é conseguir capitalizar inicialmente um projeto através de rendas próprias (fundo de reserva), da busca de investidores-sócios e entre outras formas. Mais conteúdos? Inscreva-se no nosso Whatsapp.

Escrito por

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Compartilhe conosco suas experiências

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *