Custo de estoque: como calcular o valor do seu estoque corretamente?

custo de estoque

Diversas empresas beiram a falência devido ao descontrole nas finanças, especialmente aquelas que dependem de uma evacuação de estoques e grande volume de vendas. Nesse caso, é crucial ter uma noção sobre o custo de estoque e as demais implicações de se armazenar.

O que é custo de estoque?

O custo de estoque funciona como uma somatória de todos os gastos, despesas e possíveis valores comerciais que exercem influência sobre as mercadorias adquiridas. Dentro dele, existem algumas variáveis, já que também é levada em conta a gestão e venda das mercadorias.

Então, o custo de estoque é composto por todos os gastos que envolvem o processo de aquisição, transporte e estocagem de mercadorias e produtos.

Além disso, é comum a mensuração de riscos e possível obsolescência, pois, influencia na margem de perda e gastos.

Quais tipos de custos incidem sobre o estoque?

Ao falar sobre estoque, é preciso ter em mente que sua composição vai além do Custo de Mercadoria Vendida (CMV) e da compra da matéria-prima. Os custos de estoque podem chegar até mesmo a zerar o lucro ganho sobre a mercadoria vendida.

Dentre alguns tipos de custos de estoque, estão:

  • Custos de manutenção: são aqueles que abarcam os custos de oportunidade (custo de capital – relativo ao que foi investido), custo de armazenagem (em relação ao espaço físico), custo de serviços (RH, segurança, tecnologia), além da gerência e manutenção;
  • Custos de pedido: são levados em conta os custos de transporte e frete, basicamente todos os custos de logística, os custos de mercadoria propriamente, os custos de reposição de estoque, custo de carregamento de estoque;
  • Custos do produto: são encarados nessa fase, os custos para criação e manufatura (a depender do tipo de empresa), custos pelos extravios e custo dos riscos de estoque e o custo de armazenagem dos produtos e mercadorias;
  • Custos de falta: são despesas derivadas da falta de itens pós-pedido do cliente, ou seja, além do estoque. É válido acrescentar aqui, os pedidos emergenciais, mudanças de fornecedores e substituições por matérias-primas menos favoráveis a rentabilidade.

Por conseguinte, para manter um bom controle de estoque, é preciso uma noção prévia sobre todos esses custos e um rigoroso planejamento.

Assim, fazendo com que seja possível lidar com as eventualidades e minimizar os gastos com estoque.

Como calcular o custo de estoque?

Para manter um controle de custo de estoque é preciso ter noção sobre os custos incidentes no valor final pago para estocar, controlar estoques e manter as mercadorias em estoque.

Normalmente, são listadas às despesas com a gestão de estoques, segurança, manutenção, aquisição, entre outras partes que integram o cálculo do custo de estoque.

Destes listados, os custos de manutenção, geralmente, são os mais caros.

Contudo, para calcular custo de estoque rapidamente basta:

  1. Acrescentar 20% ao valor de empréstimos: no caso, empréstimos que seriam equivalentes ao preço pago pelas mercadorias e por aí ter uma média aproximada;
  2. Ou então, saber dos custos variáveis: aqueles que são esporádicos e tendem a mudar com relação às perdas, manutenções, operações emergenciais, entre outros;
  3. Somar em relação aos custos fixos: aqueles que são predeterminados e incidem mensalmente, por exemplo, seguro, pagamento de funcionários e afins;
  4. Comparar com o possível lucro amostral relativo à venda da mercadoria.

Por fim, o custo de estoque tende a ser variável e, consequentemente, ser muito impactante no orçamento de uma empresa, principalmente se não for planejado e traçado alguns planos de contingência para determinadas circunstâncias.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos