O que é Demonstrativo de Fluxo de Caixa? Aprenda a analisar o DFC!

demonstrativo de fluxo de caixa

O Demonstrativo de Fluxo de Caixa faz parte do controle financeiro de uma empresa, essencial para a sua manutenção ao longo do tempo.

Nesse sentido, o Demonstrativo de Fluxo de Caixa funciona como um relatório que auxilia na administração e gerenciamento das áreas de um negócio.

O que é o Demonstrativo de Fluxo de Caixa?

O Demonstrativo de Fluxo de Caixa, também chamado de DFC, é o controle de entradas e saídas durante determinado período, mostrando o resultado dessa movimentação.

Ele serve para melhorar o controle do fluxo de caixa e auxiliar na tomada de decisões bem fundamentadas financeiramente relacionadas à empresa.

Isso porque ajuda a entender e analisar a capacidade de uma empresa de gerar caixa e equivalente em um determinado período por meio de seus pagamentos e recebimentos em dinheiro.

Nesse sentido, com DFC detalhando a origem de recursos obtidos por uma empresa e suas aplicações, fica mais fácil perceber a necessidade de corte de gastos ou até mesmo de novos investimentos.

Dessa forma, evitando a criação de dívidas e mantendo o caixa da empresa sempre saudável, a partir do controle de:

A DFC tem relação com o DRE (Demonstrativo do Resultado do Exercício), já que pode ser incluída no balanço patrimonial.

Para que serve o Demonstrativo de Fluxo de Caixa? homem com folhas de papel e calculadora

Elaborar o Demonstrativo de Fluxo de Caixa é obrigatório para diversos tipos de empresas.

Para as sociedades de capital aberto ou empresas com patrimônio líquido superior a R$2 milhões, é a Lei Nº11.638/2007 que vigora essa determinação desde 2008.

Já para as Pequenas e Médias Empresas (PMEs), a determinação está na NBC TG 1000.

A DFC deve ser apresentada pelo menos uma vez por ano junto aos relatórios contábeis presentes no balanço da empresa.

O motivo dessa obrigatoriedade é que, por meio de análises e auditorias proporcionadas pela DFC, é possível encontrar erros e fraudes contábeis.

Qual a estrutura do DFC?

As normas contáveis estabelecem uma estrutura comum para a elaboração de um DFC, que permite a comparação entre o desempenho de diferentes empresas.

De acordo com o Pronunciamento Técnico CPC 03, elaborado pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis, a DFC deve ser estruturada em torno de três atividades: operacionais, de investimentos e de financiamentos.

Atividades operacionais

As atividades operacionais abrangem os gastos e despesas relacionados às atividades que geram receita para a empresa, como as contas a pagar e receber, impostos, pagamentos de fornecedores e recebimentos de clientes.

Ou seja, o movimento de recursos pela atividade principal do negócio, que têm associação direta com o capital circulante líquido.

O cálculo dessas atividades se dá pelo valor utilizado para produzir e vender o produto ou realizar o serviço, menos o valor recebido por eles.

Atividades de investimento

As atividades de investimento são ligadas ao uso, pela empresa, do que sobra do seu caixa em investimentos relativos a patrimônios de longo prazo.

Isso porque, para serem considerados investimento, os patrimônios não podem ter sido comprados com a intenção de venda rápida.

Portanto, fazem parte desse grupo as transações de compra e venda relacionadas ao ativo não circulante do balanço patrimonial.

Atividades de financiamento

As atividades de financiamento são aquelas em que a empresa pega recursos emprestados de terceiros, ou de seus próprios proprietários, por conta de uma escassez de caixa.

Nelas, estão incluídos empréstimos, financiamentos e emissão de novas ações ou recompra de papéis (ações).

Esses são o passivo circulante e não circulante, junto ao patrimônio líquido.

Resultado da DFC

O resultado final do Demonstrativo de Fluxo de Caixa é a soma dos resultados líquidos obtidos em cada um dos três grupos de atividade.

Ele precisa igualar a diferença de saldos entre o início e o fim do período considerado.

Quais os métodos de elaboração do DFC?

Existem duas formas de elaborar um DFC, relacionadas ao grupo de atividades operacionais:

Método Direto

O método direto de demonstração de fluxo de caixa se refere a pagamentos e recebimentos relacionados ao caixa bruto da empresa.

Sendo o mais utilizado para fazer o DFC, ele precisa conter atividades:

  • Operacionais: recebimento de clientes, pagamento de fornecedores, despesas administrativas, pagamentos ao governo.
  • De Investimento: compra de ativo permanente e recebimento de dividendo;
  • De Financeiro: financiamentos, integralização de capital, empréstimos bancários, divisão de lucros.

Método Indireto

No método indireto, ao invés de considerar recebimentos e pagamentos reais, a elaboração das atividades operacionais é feita a partir do ajuste do lucro líquido, considerando as variações das contas patrimoniais relacionadas com a DRE.

Dessa forma, ele se refere a relação entre o resultado do caixa das atividades e o lucro líquido, envolvido com estoque e contas a pagar e receber (lucros ou prejuízos resultados no DRE).

Sendo um modelo menos apurado de análise, o método indireto deve:

  • Retirar do lucro líquido as ações de adiantamento de cartões, créditos tributários, gastos antecipados, contas a receber e alterações futuras de caixa;
  • Dispensar do lucro líquido procedimentos vindos das atividades de financiamento e de investimento.

Quais as vantagens do Demonstrativo de Fluxo de Caixa?

Como dito anteriormente, a demonstração de fluxo de caixa traz benefícios para a empresa, mesmo que demande certo investimento de tempo para sua realização.

Nesse caso, é indicada a contratação de um profissional da contabilidade para fazê-lo, evitando possíveis erros.

Entre as principais vantagens do DFC, estão:

  • Apresenta de forma simples dados financeiros;
  • Evita fraudes e prejuízos financeiros;
  • Funciona como base para tomada de decisões;
  • É um relatório importante para (novos) investidores.

Um outro benefício oferecido pelo DFC é a possibilidade de fazer comparações com o passado da empresa.

Isso contribui para a análise do crescimento da empresa ao longo do tempo, sendo um ponto forte do Demonstrativo de Fluxo de Caixa.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos