Desemprego: descubra como funciona

desemprego

A alta taxa de desemprego no Brasil, geralmente, não é decorrente de um único fator, mas de diversas questões que quando agrupadas acabam agravando a problemática, colocando o desemprego como um dos indicadores negativos que integram o cotidiano dos indivíduos brasileiros.

Diante disso, é válido ressaltar que o crescimento desenfreado do desemprego pode afetar países. Por isso, de modo geral, o desemprego está associado a saúde econômica do país.

Quem pode ser considerado desempregado?

Para que um indivíduo seja considerado desempregado é necessário que o cidadão possua idade específica para trabalhar (acima de 14 anos). Por isso, o indivíduo precisa estar apto e disponível para o mercado de trabalho, mas não consiga encontrar emprego, continuando em situação de desemprego.

Entretanto, é válido ressaltar que não são todas as pessoas podem considerar-se desempregadas, por exemplo:

  • Um estudante que dedica todo seu tempo aos estudos.
  • Um cidadão que cuida da casa e não trabalha fora.

Não consideram-se desempregados, pois estão fora da força de trabalho.

Tipos de Desemprego

No Brasil, existem categorias diferentes de desemprego. Sendo assim, direciona-se cada uma delas aos devidos motivos:

Dessa maneira, os principais tipos de desemprego no Brasil são:

  1. Friccional;
  2. Estrutural;
  3. Sazonal;
  4. Cíclico;

1. Friccional

Também conhecido como “natural”, à categoria do desemprego friccional traduz-se em pessoas desempregadas temporariamente.

Assim, indivíduos que estão mudando de emprego,  foram demitidos ou estão em busca de emprego pela primeira vez, agrupam-se nesta categoria.

2. Estrutural

O desemprego estrutural geralmente é causado pelas mudanças estruturais da economia, como:

  • Inovações tecnológicas
  • Novas formas de produção
  • Avanços nas indústrias

Diante disso, a mão de obra humana é substituída por máquinas, visto que, vão ser necessários menos profissionais para a produção de determinados produtos.

3. Sazonal

O desemprego sazonal ocorre devido à sazonalidade de determinadas atividades econômicas, ou seja, alguns setores da economia podem trabalhar em determinados períodos com mais ou menos força de trabalho.

Assim, buscam profissionais que podem ser empregados de forma rotineira e temporária em uma determinada parte do ano, mas passam o restante dos meses sem emprego.

4. Cíclico

Também conhecido como involuntário ou conjuntural, é o que surge diante de crises econômicas, as empresas precisam dispensar seus funcionários com o intuito de diminuir gastos.

Reverte-se o desemprego cíclico assim que a economia apresentar sinais de melhoria.

Em síntese, estar desempregado é não possuir nenhum vínculo oficial com instituições empregadoras, em virtude disso, trabalhadores formais que recentemente ficaram sem ocupação e renda, podem receber alguns benefícios.

Quais as principais causas do desemprego?

Dentre as principais causas do desemprego consideram-se as seguintes questões:

  • Baixa qualificação: considerando que existam algumas vagas disponíveis no mercado, entretanto, o trabalhador não possui formação para exercer tal função;
  • Crise econômica: devido a crises econômicas, o consumo tende a diminuir. Por isso, quando um país vivencia uma crise, empresas demitem funcionários como forma de diminuir custos;
  • Máquinas X Homens: nos últimos anos, cancelaram-se muitas vagas de empregos, devido a substituição de mão de obra humana por máquinas. Assim, grande parte das indústrias passaram a utilizar máquinas na linha de produção;
  • Fatores Climáticos: atingindo os trabalhadores do setor agrícola, as chuvas em excesso, secas prolongadas e outros fatores climáticos possuem a possibilidade de gerar uma alta perda financeira no campo, dessa forma, demitem-se diversos trabalhadores;
  • Custos elevados com CLT: os custos de contratação CLT elevam-se durante alguns períodos. Por isso, grande parte das empresas buscam aumentar horas extras de seus funcionários, quando comparado a realizar a contratação de mais empregados. 

O que é a taxa de desemprego?

A taxa de desemprego está associada ao percentual referente ao número de indivíduos desempregados em um país.

Sendo assim, encontra-se a taxa de desemprego de forma estatística por meio do número de pessoas que estão buscando um emprego. 

Lembrando que todos os países do mundo possuem uma população economicamente ativa (PEA), sendo essas pessoas as que possuem idade para trabalhar. 

Portanto, no ano de 2020, a PEA do Brasil chegou a corresponder ao quantitativo de 100 milhões de habitantes. Assim, as taxas de desemprego são medidas baseadas nos números do PEA, isto é, o número é referência para o índice. 

Quais as consequências do desemprego? 

De início, ressalta-se que as consequências podem ser sociais, físicas e psicológicas. 

Dado que elas podem afetar o modo de vida dos indivíduos. Por isso, dentre os problemas relacionados a saúde física e mental do trabalhador, estão:

  1. Baixa autoestima;
  2. Frustração e insatisfação;
  3. Mudanças de humor.  

Entretanto, os aspectos que demonstram os maiores destaques nas consequências estão associadas às condições econômicas do indivíduo e seu grupo familiar. 

Visto que ocorre uma diminuição da renda, levando a migração para outra classe social. Podendo nessas circunstâncias ocorrer uma redução da qualidade de vida da pessoa e grupo familiar envolvido. 

Ainda, pode existir um aumento da desigualdade social devido ao desemprego. Dessa maneira, torna-se um problema de ordem governamental, ou político. 

Como conseguir o Seguro-Desemprego?

desemprego 2

O seguro-desemprego é um benefício temporário recebido pelo profissional de carteira assinada que foi dispensado sem justa causa.

Deve-se agendar o atendimento presencial. Dessa forma, é necessário ligar para o número – 158.

Dessa forma, em momentos de crise, como no caso do COVID-19 (coronavírus), realiza-se a solicitação pelos meios eletrônicos, devido ao fechamento das agências da Secretaria do Trabalho.

Assim, o profissional pode dar entrada no pedido de seguro entre 7 a 120 dias após a demissão, realizando-o de três formas:

  • Acessando o portal do Governo;
  • Utiliza-se o aplicativo Carteira de Trabalho Digital, que está disponível em aparelhos com sistemas operacionais Android e iOS, se pode baixar gratuitamente;
  • Através da central telefônica, número – 158, das 7h às 19h.

Quais documentos necessários para solicitar seguro-desemprego?

O trabalhador precisa ter os seguintes documentos para conseguir solicitar o seguro-desemprego no Brasil:

  • Termo de rescisão de contrato de trabalho- TRCT;
  • Carteira de trabalho e Previdência Social- CTPS;
  • Extrato do FGTS;
  • Requerimento do seguro, fornecidos pela antiga empresa;
  • Identificação de inscrição no PIS/Pasep;
  • Documento de identificação com foto, por exemplo: RG ou Carteira de motorista;
  • CPF;
  • Número do PIS;
  • Comprovante de escolaridade;
  • Comprovante de endereço.

Em suma, quem está em situação de desemprego pode receber o primeiro pagamento do seguro-desemprego entre 31 e 60 dias após o pedido do benefício. Após isso, liberam-se o recebimento das parcelas a cada 30 dias.

Quais os tipos de desemprego?

Os principais tipos de desemprego existentes são Friccional, Sazonal, Estrutural e Cíclico.

Qual o índice de referência da taxa de desemprego?

Para encontrar a taxa de desemprego utiliza-se o PEA.

O que é o seguro-desemprego?

Um benefício concedido durante um período para o profissional CLT que foi dispensado sem justa causa.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos