Quais as regras para a desistência da compra de imóvel?

desistencia da compra de imovel 2

A busca por imóveis pode ser uma experiência de pesquisa intensa e cada imóvel sofre valorização ou desvalorização a depender de seu local e a situação do mercado. Justamente por isso, a desistência da compra de imóvel é uma prática acobertada por lei.

A desistência da compra de imóvel atua por meio da enunciação de desistência por umas partes envolvidas em um contrato de compra de imóvel. Dessa forma, cada contrato apresentará suas cláusulas e termos pré-estabelecidos.

Portanto, a desistência da compra de imóvel é uma forma de abrir mão de um contrato firmado com uma imobiliária, construtora ou incorporadora. Por meio da desistência, acontece a rescisão do contrato e assim, é possível receber uma parte do valor investido até o momento.

Na hora de comprar um imóvel é necessário o uso da educação financeira. Caso, após uma analise, seja percebido que a compra do imóvel não é ideal, existe algumas possibilidades de desistir da compra legalmente.

O que é o distrato de imóvel e quais as suas consequências?

O distrato de imóvel funciona por meio da desistência de compra do imóvel, seja por parte do cliente ou da empresa.

Ou seja, uma das partes apresenta a intenção de desfazer o contrato firmado, sempre, antes de acontecer a entrega do imóvel.

Em julho de 2018, a lei 13.786/18 responsável pelo distrato de imóvel foi alterada e agora passa a considera o valor do imóvel na porcentagem da multa.

Contudo, ao comprar um imóvel, é possível negociar as cláusulas de multa com as respectivas incorporadoras.

Por isso, é crucial averiguar as cláusulas de distrato em contratos de compra.

Se for o caso, consultar um advogado da área imobiliária para saber se os termos presentes são viáveis, também pelo fato de que cada contrato apresenta um distrato diferente.

Sobre o valor cobrado em caso da desistência de compra de imóvel, dependerá do valor do imóvel.

Sendo assim, segundo a nova lei do distrato de imóvel,caso o bem tenha valor igual ou menor que R$235 mil reais, deverá ser cobrado no máximo 20% do valor pago até agora.

Contudo, esse valor não poderá exceder 5% do valor total do imóvel.

Já no caso de imóveis acima R$235 mil, as construtoras podem reter o valor da corretoria e até 50% do valor já pago através das prestações, contanto que esse valor não exceda 10% do valor total do imóvel.

A única exceção para essa regra é no quesito dos imóveis empresariais. Nessa modalidade é possível que o valor de multa por distratar contrato seja de até 12% sobre o valor total do imóvel empresarial.

Em quais situações é possível desistir de comprar um imóvel?

No momento em que opta-se por desistir da compra de imóvel é viável perceber que algumas regras e possivelmente, penalidades podem ser aplicadas.

No entanto, cada contrato apresentará suas cláusulas e peculiaridades, entre as situações e motivos para desistir da compra de imóvel:

  • Não é mais possível continuar com o pagamento, seja por dificuldade financeiras, desemprego e outros. Dessa forma, o cliente opta por desistir da compra do imóvel e recebe a restituição equivalente prevista em contrato;
  • É viável a desistência de financiamento de imóvel devido as altas taxas de juros cobradas ou alto valor na parcela do financiamento por parte das instituições financeiras ou bancos (nessa questão é cabível ação judicial por juros abusivos);
  • Existe a possibilidade de desistência sem motivo especificado, porém, algumas multas podem ser aplicadas a depender do contrato;
  • Mediante algum descumprimento contratual por parte da empresa, construtora ou imobiliária. Nesse caso, a “culpada” seria a empresa e o consumidor poderá desistir do imóvel e entrar com uma ação judicial.

Caso opte por desistir de imóvel, o indivíduo deverá fazer dentro do prazo de desistência da compra, ou seja, até a entrega das chaves. A partir daí, não será possível quebrar o contrato extrajudicialmente, sendo possível apenas pelo meio jurídico.

Por fim, a desistência da compra de imóvel pode ser um processo difícil, mas é um direito de todo consumidor. É cabível uma ação judicial quando uma das partes se sentir lesada, mas a princípio deve acatar o descrito em contrato e por isso, é preciso cautela na hora de assiná-lo. Mais conteúdos? Inscreva-se no nosso Whatsapp.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos