Direito de arrependimento: veja o que fazer ao desistir de uma compra

compras por impulso2

Um dos maiores problemas em relação a compras de produtos e serviços, é saber os direitos do consumidor e quais os limites de suas aplicabilidades. Por exemplo, muitos brasileiros não conhecem a existência do direito de arrependimento.

Entender como funciona o direito de arrependimento nas relações de consumo e quais as formas de fazê-lo, ajuda o cliente que adquire algo por impulso, se arrepende ou até mesmo recebe um produto diferente das expectativas criadas na hora da compra.

O direito de arrependimento é quando o consumidor pode optar por devolver o produto, mesmo quando ele não apresenta defeitos.

CDC – Lei nº 8.078 de 11 de Setembro de 1990

Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências.

Art. 49. O consumidor pode desistir do contrato, no prazo de 7 dias a contar de sua assinatura ou do ato de recebimento do produto ou serviço, sempre que a contratação de fornecimento de produtos e serviços ocorrer fora do estabelecimento comercial, especialmente por telefone ou a domicílio.

Parágrafo único. Se o consumidor exercitar o direito de arrependimento previsto neste artigo, os valores eventualmente pagos, a qualquer título, durante o prazo de reflexão, serão devolvidos, de imediato, monetariamente atualizados.

Como funciona a desistência de compra

direito-de-arrependimento-2

O código de defesa do consumidor garante a devolução de compra no prazo de 7 dias, a contar da data do recebimento do produto.

Mas, a devolução de mercadoria só pode ocorrer caso:

  • A compra tenha sido realizada através de telefone, a domicílio ou internet;
  • Estiver dentro do prazo de 7 dias;
  • Se o produto estiver intacto.

O direito de arrependimento não pode ocorrer se o cliente houver realizado a compra dentro do estabelecimento e teve acesso ao produto.

A única exceção que ocorre é se, no ato da compra do produto não estiver disponível fisicamente, mas apenas em catálogo.

O cliente tem direito a devolução de compra nas lojas em até 7 dias.

Devolução de compra pela internet

Mesmo que a compra tenha sido realizada no cartão de crédito, por exemplo, é obrigação do fornecedor devolver o valor integral do produto, acrescido de juros e correção monetária.

Em caso valor de frete adicionado na entrega do produto, também não pode ser cobrado ao consumidor que arque com essa despesa.

O reenvio do produto é de responsabilidade de quem fez a venda.

O que é necessário para fazer devolução de compras

Antes de tudo, é preciso contatar o fornecedor para solicitar a devolução e reembolso referente a compra.

Também é importante documentar o pedido de desistência para assegurar o cliente e evitar futuros problemas relacionados à ação.

  • Anotar protocolo de atendimento;
  • Tirar print em caso de atendimento virtual sem registro;
  • Enviar notificação por e-mail.

Em alguns casos, o fornecedor pode oferecer ao cliente um produto que tenha o valor equivalente ao mesmo pago pela mercadoria, mas não é obrigatório que esse acordo seja aceito.

Também não é necessário que haja justificativa para a devolução, sequer é preciso que o produto apresente defeito.

Em caso de negativa da empresa em ressarcir o valor referente a reemissão do artigo comprado, o consumidor deve procurar o Programa de Orientação e Proteção ao Consumidor (PROCON).

O direito do arrependimento garante que o comprador não obtenha um produto por impulso e estimula ao fornecedor que mantenha sempre as definições do produto de maneira clara e objetiva. Após utilizá-lo, reflita melhor sobre suas reais necessidades ao fazer uma próxima compra, algo promovido por uma boa educação financeira. Baixe também o Ebook: 5 Ideias para Aumentar a sua Renda!

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Últimos artigos