Divórcio Extrajudicial: como funciona o divórcio em cartório!

divorcio extrajudicial

O divórcio extrajudicial tornou menos burocrático a ação de divórcio em si. Com ele, ambas as partes, se precavendo dos devidos documentos e processos, podem iniciar uma ação de divórcio extrajudicial.

A ação de divórcio extrajudicial funciona como uma extinção do vínculo conjugal realizado de forma mais ágil por conta de sua natureza.

O divórcio extrajudicial é uma modalidade mais rápida de divórcio devido a sua realização em cartório e desburocratização. Entretanto, essa rapidez e menor burocracia deriva de alguns requisitos prévios como: decisão sobre a guarda de dependentes e separação de bens.

Como funciona o divórcio extrajudicial

Como funciona o divórcio extrajudicial? O divórcio como um todo é: uma forma de extinguir laços ou vínculos conjugais.

Dessa maneira, o divórcio por cartório atua conforme um divórcio normal, porém, ao invés de realizado em um ambiente de juizado, ele pode ser feito em um cartório.

Para por em prática o divórcio em cartório se faz necessários alguns processos. Contudo, o primeiro passo é a vontade de um ou ambas as partes que estão matrimonialmente interligadas.

Nesse tipo de divórcio não se faz necessário o uso de uma “causa” ou motivo para divórcio.

Os requisitos para o divórcio em cartório

Para realização do divórcio extrajudicial em cartório, requer os seguintes itens:

  • É necessário que ambas as partes estejam de acordo, ou seja, um divórcio consensual;
  • Preferencialmente, o divórcio é utilizado por casais não tenham filhos ou que os mesmos já tenham atingido a maior idade;
  • É obrigatório em caso de ter filhos menores de idade ou dependentes, uma resolução judicial prévia;
  • Não é possível ser realizado em período de gravidez;
  • Se faz necessário apenas um advogado para acompanhar o caso e elaborar os termos do divórcio.

Após esses tópicos os tabeliães começaram a preparar a escritura pública.

A escritura pública e a oficialização do divórcio extrajudicial

Para realização da escritura pública de divórcio consensual, os tabeliães devem cobrar os seguintes documento e informes:

  • Certidão de casamento;
  • Documento de identidade oficial e CPF;
  • Poderão ser solicitados informes sobre profissão e endereço das partes envolvidas;
  • No caso de haver pacto antenupcial (contrato realizado previamente ao casamento e que define as questões patrimoniais e divisão de bens), deve ser apresentado;
  • Se houver filhos de maior idade, será requisitado todos os documentos e informes anteriormente citados, incluindo certidão de casamento dos mesmos (se houver);
  • Documentos que comprovem os respectivos titulares sobre bens e imóveis;
  • Declaração de divisão de bens (se houver);
  • O tabelião irá questionar sobre retorno ao nome de solteiro ou não alteração, ambos opcionais;
  • Deve se mostrar, se for o caso, os documentos de obrigatoriedade de pagamento da pensão alimentícia.

O valor do divórcio extrajudicial, adotando o custo total, vai depender de alguns critérios. Por exemplo, se tiver repasse de bens e imóveis, nesse caso, existe cobrança de impostos respectivos.

Por isso, é importante utilizar a educação financeira e verificar previamente no cartório de notas quais impostos incidirão sobre o caso.

Depois da realização do divórcio, o tabelião enviará a escritura pública para o Cartório de Registro Civil (CRC), o mesmo em que o casamento foi firmado.

Ao receber, o CRC irá classificar na certidão de casamento como divorciado. Somente após esse processo é que o divórcio, de fato, é efetivado.

Vantagens do divórcio extrajudicial

As vantagens do divórcio extrajudicial para além da não necessidade de ir a um juizado, são as seguintes:

  • O processo de divórcio extrajudicial requer apenas um advogado, em virtude de ser uma ação em conjunto e de vontade mutua;
  • A agilidade da separação extrajudicial devido: o não requerimento de novos documentos, já que os mesmos foram realizados previamente;
  • Desburocratização no processo de divórcio: de fato, basta levar os documentos requeridos e será realizado o divórcio;
  • Apesar da não gratuidade do divórcio extrajudicial: ele apresenta presenta custos baixos. Geralmente, impostos respectivos ao repasse de bens e imóveis, taxas cartorárias de emissão de documentos e pagamento dos honorários advocatícios.

Portanto, o divórcio extrajudicial atua como um facilitador, deve ser buscado quando ambas as partes estão de acordo e atendem aos requisitos do mesmo. Mais conteúdos como esse? Inscreva-se no nosso Whatsapp.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos