Economês: entenda a linguagem da economia, investimentos e bancos

economes

Ler sobre economia, investimento e mercado financeiro pode ser difícil pelo enorme número de economês usado pelos profissionais e estudiosos dessas áreas.

Por isso, conhecer um pouco mais a fundo esse economês pode ser uma ótima forma de compreender melhor a economia, o mercado de capitais e instituições financeiras.

O que é economês?

Economês é uma palavra criada para se referir a linguagem do mundo econômico e financeiro.

Para leigos e iniciantes, a linguagem utilizada para abordar determinados assuntos pode soar bastante inacessível.

Assim, ao entender melhor a linguagem econômica, a pessoa torna-se mais capaz de se aprofundar na área.

O economês, como destacado anteriormente, abrange tanto a linguagem derivada da literatura econômica quanto a linguagem utilizada no mundo financeiro cotidianamente.

É possível separar o economês em 3 principais áreas:

Economês do mundo dos investimentos

economes

Os investimentos são exemplos clássicos de assuntos que o investidor iniciante se complica pela linguagem completa.

Por isso, aprender o economês dos investimentos é muito útil para quem quer se aprofundar na área.

Obviamente, não é possível falar sobre todas as palavras difíceis usadas no mundo dos investimentos.

Todavia, existem algumas que são básicas e pouco conhecida por aqueles que começam a investir.

Dicionário Economês:

A

  • Ações: papel que representa o menor “pedaço” de uma empresa. Ao adquirir uma ação, o investidor torna-se acionista de determinado negócio.
  • Ação fracionária: normalmente as ações são vendidas em lotes. Se você quiser comprar ações em uma quantidade menor que o mínimo de um lote, terá que utilizar o mercado fracionário para comprar ações.
  • Ação ordinária: ação que dá direito a voto em determinadas decisões da empresa.
  • Ação preferencial: ação que da ao investidor a preferência no recebimento de dividendos.
  • Alavancagem: estratégia de aumento de lucro que aumenta, simultaneamente, o risco da operação. Pode ser financeira, quando uma empresa recorrer a capital de terceiros para financiar suas atividades, por exemplo. Ou operacional, quando a empresa aproveita a sua escala produtiva para aumentar a produção e diminuir os custos médios, por exemplo.
  • Ativo: qualquer bem, crédito ou valor que pode ser convertido em dinheiro.

B

  • Balanço: demonstrativo financeiro para determinar a saúde financeira corrente de uma empresa. As empresas da bolsa de valores devem divulgar seus balanços para que o investidor avalie as opções de investimentos.
  • Banco de investimento: instituição financeira que auxilia o investidor a decidir entre as opções de investimentos e faz o intermédio das ordens de compra e venda de ativos financeiros. Também pode servir para empresas que querem tornar-se de capital aberto e negociar ações na Bolsa.
  • Benchmark: ponto de referência de fundos de investimentos e outras aplicações similares. O benchmark dos fundos de renda fixa, por exemplo, é a Selic ou CDI.
  • Blue chips: nome dado as empresas listadas na bolsa com maior valor de mercado.
  • B3: Brasil, bolsa e balcão. Novo nome utilizada pela antiga BM&FBOVESPA, que é a bolsa de valores brasileira.
  • Bolsa de valores: instituição sem fins lucrativos que ajuda na relação de compra e venda de ações e derivativos.
  • Bull Market: expressão utilizada para falar quando o mercado está em alta.
  • Bear Market: expressão utilizada para falar quando o mercado está em baixa.
  • Boom: para os investimentos, significa uma rápida valorização de ativo(s). 

C

  • Caderneta de poupança: aplicação mais popular entre os brasileiros. Apresenta desvantagens em relação a outras opções da renda fixa.
  • Câmbio: operações financeiras envolvendo negociações entre moedas estrangeiras.
  • Capital aberto: empresa que negocia parte do seu capital social com o público na bolsa de valores.
  • Carteira de investimentos: conjunto de ativos financeiros de um fundo ou investidor pessoal.
  • Carência: período em que o investidor não pode resgatar seus recursos.
  • CDB: Certificado de depósito bancário. Título privado de renda fixa, utilizado para financiar as atividades de uma instituição financeira.
  • CDI: Certificado de depósito interbancário. Índice utilizado para referenciar a rentabilidade de diversas aplicações de renda fixa.
  • Corretagem: taxa cobrada por uma instituição financeira para intermediar a negociação de um ativo.
  • Corretora: instituição financeira responsável por intermediar ordens de compras e vendas de ativos financeiros.
  • Cota: menor parte de um fundo de investimento.
  • Cotação: valor de mercado unitário em determinado período de um ativo financeiro.
  • CVM: Comissão de Valores Mobiliários. Responsável por regular o mercado de capitais. 

D

  • Day trade: compra e venda de ações que acontecem no mesmo dia na tentativa de alcançar um lucro de curtíssimo prazo.
  • Debênture: título de crédito emitido por instituições não financeiras para captar recursos.
  • Demonstrações financeiras: demonstrações contábeis que mostram a realidade financeira dos negócios.
  • Derivativos: contratos derivados de outros ativos que possuem vencimento no futuro.
  • Diversificação: estratégia de alocação de investimentos em diversos ativos para reduzir o risco sobre o capital aportado.
  • Dividendos: parte do lucro da empresa que é dividido entre os acionistas.
  • DY (Dividend Yield): importante indicador que mostra a quantidade de dividendos que foi pago nos últimos meses sobre o valor da cotação do ativo.

E

  • EBTIDA: ganhos antes dos impostos, juros, depreciação e amortização de uma empresa.
  • Emissão: colocar em circulação títulos que podem ser negociados pelos investidores.
  • Emolumentos: taxas remuneratórias de serviços públicos.
  • Especulação: aplicação financeira pouco fundamentada, normalmente utilizada para buscar lucro de curto prazo.
  • ETF’S: Exchange traded funds. Fundos de índices da bolsa de valores.

F

  • FGC: Fundo Garantidor de Crédito. Instituição que acoberta o investidor de títulos privados em caso de falência da instituição financeira que recebeu investimento. Cobertura é de até R$250 mil por CPF.
  • Fundo de investimento: carteira de investimento formada composto pelo capital de diversos investidores e gerida por uma instituição financeira.

H

  • Hedge: estratégia de investimento utilizada para que o investidor se proteja dos riscos das oscilações dos preços.
  • Hedge Funds: fundo que utiliza a estratégia de Hedge para os seus cotistas através de diversos ativos.
  • Holding: empresa responsável por controlar outros negócios através da aquisição da maioria das ações da empresa.
  • Home Broker: ferramenta utilizada para o acompanhamento de cotações e envio de ordens de compra ou venda. 

I

  • IBOVESPA: principal ETF da bolsa de valores nacional. Busca mostrar a rentabilidade média de determinado período da bolsa em geral.
  • Indexador: índice financeiro usado para referenciar e corrigir o valor de investimentos.
  • IOF: imposto sobre operação financeira. Algumas aplicações estão passíveis a cobrança desse imposto.
  • IPO: Oferta Pública Inicial. Quando uma empresa abre capital e começa a negociar suas ações em bolsa.

J

L

  • Letra do tesouro: título de dívida do tesouro nacional para acobertar o déficit orçamentário.
  • Letra hipotecária: título de crédito emitido por financeiras garantido pelo penhor de créditos hipotecários.
  • Liquidez: facilidade ou rapidez que determinado ativo em convertido em dinheiro.
  • Lucro Bruto: receitas subtraídas das despesas de um negócio, sem considerar impostos e participações.
  • Lucro líquido: lucro bruto diminuído de impostos, despesas financeiras e participações. 

M 

  • Marcação a mercado: contabilização dos ativos de uma carteira de investimentos pelo seu valor diário ao invés do seu valor de aquisição corrigido pela taxa do período.
  • Mercado a termo: mercado de contratos de acordos de compra ou venda em determinada data futura à preços previamente determinados.
  • Mercado aberto: mercado com livre acesso à negociação e sem local físico estabelecido.
  • Mercado de ações: parte do mercado de renda variável destinado a venda ações de empresas.
  • Mercado futuro: mercado de compra e venda de contratos para liquidação em data futura determinada previamente.
  • Mercado de opções: mercado onde são negociados direitos de compra ou venda de alguns ativos financeiros.
  • Mercado primário: mercado onde os ativos financeiros são negociados pela primeira vez, logo após serem emitidos e disponibilizados para o mercado.
  • Mercado secundário: mercado composto por ativos já adquiridos no mercado primário.

O

  • Opção: direito que o investidor compra de comprar e vender determinado ativo por um preço pré-fixado para uma data futura.
  • Ordem: solicitação do investidor para que o banco ou corretora execute compra ou venda de ativos. 

P

  • Passivo: total de obrigações e dívidas de uma empresa ou pessoa.
  • Patrimônio líquido: diferença do valor dos ativos e dos passivos. Esse valor é dito como capital próprio do negócio.
  • Portfólio: configuração de diversos ativos (títulos e valores) que um investidor mantém.
  • Precificação: estudo sobre ativos para definir preço ideal de compra e venda.
  • Pregão: sessão disponível para compra e venda de papéis na bolsa de valores.
  • Privatização: transferência do controle majoritário governamental para instituições privadas através de negociações.
  • Poupança: parte dos recebimentos que não são gastos e podem ser convertidos em investimentos. 

R

  • RDB: Recibo de depósito bancário. Investimento de renda fixa negociada com os bancos.
  • Rentabilidade: taxa de retorno de um investimento.
  • Resgate: ato de recebimento por um título ou papel após a venda ou fim de prazo de aplicação.
  • Risco: grau de incerteza relacionado ao investimento e sua rentabilidade.

S

  • Securitização: conversão de dívidas e obrigações em títulos negociáveis.
  • SFN: Sistema Financeira Nacional.
  • Small Caps: ações negociadas na bolsa de valores com valor de mercado relativamente pequeno, se comparadas com as maiores empresas da bolsa.
  • Subscrição: reserva de compra para acionistas de uma empresa para as novas ações que serão emitidas. Essa reserva ocorre em uma data anterior ao lançamento das novas ações e o preço é fixado neste período.

T 

  • Taxa de administração: taxa cobrada por fundos e outras aplicações que são administradas por algum profissional do mercado financeiro.
  • Taxa de câmbio: valor pago na conversão de duas moedas.
  • Taxa de custódia: taxa cobrada pela guarda e manutenção de investimentos.
  • Taxa de performance: valor cobrado pelo gestor de um fundo da porcentagem da rentabilidade que supere o benchmark do fundo.
  • Título: qualquer papel negociável.
  • Título de dívida: título sobre a dívida de determinada instituição ou até mesmo do tesouro nacional.
  • Título pós-fixado: título que tem a rentabilidade atrelada a um índice de data futura.
  • Título pré-fixado: título que tem a rentabilidade atrelada a um índice do momento de compra.
  • Título privado: título de uma instituição privada, utilizado para gerar recursos pra essa instituição.
  • TR: taxa referencial de juros, calculado pelo banco central a partir da rentabilidade médias de CDBs e RDBs. 

V

  • Volatilidade: é o grau de oscilações no preço de ativos.
  • Valor de mercado: valor unitário de uma ação multiplicado pelo número de papéis disponíveis no mercado.

Economês do mercado bancário

Além dos mundos dos investimentos, a educação financeira busca abordar questões que estão no cotidiano do consumidor.

Como os bancos fazem parte do cotidiano das pessoas, é mais provável que os termos bancários sejam mais conhecidos.

Por isso, é importante listar algumas palavras menos conhecidas, mas que tem muita importância para o cliente de instituições bancárias.

  • A termo: operação de compra ou vida sobre condições futuras, mas com preço determinado por ambas as partes.
  • Anuidade: valor que deve ser pago anualmente pelos serviços bancários.
  • Amortização: redução gradual de uma dívida através de pagamentos periódicos.
  • Auditoria: análise e avaliação das contas de uma escrita contábil de um negócio ou instituição.
  • Banco comercial: instituição financeira que tem como objetivo principal proporcionar o suprimento dos recursos necessários para financiar empresas e pessoas físicas quaisquer.
  • Banco cooperativo: banco comercial com participação de cooperativas de crédito.
  • Banco múltiplo: instituição financeira que realiza operações ativas, passivas e acessórias para diversas outras financeiras.
  • Carta de crédito: sorteada entre participantes de um consórcio. Crédito contratado através do consórcio.
  • Conta essencial: conta livre de taxas, com todos os serviços bancários básicos e necessários.
  • Cheque nominal: cheque que expressa o nome do beneficiário.
  • Cheque sem fundos: denominação ao cheque sem a correspondente provisão de fundos.
  • Cooperativa de crédito: sociedade de pessoas sem fins lucrativos, constituída para prestar serviços ao associado.
  • Correção monetária: correção feita sobre um valor monetário para atualizá-lo em relação a inflação do período e possíveis juros incididos.
  • Débito: dívida e obrigação.
  • Default: declaração de insolvência do devedor.
  • Depreciação: reavaliação do valor de ativos, considerando o tempo e uso do ativo como “degradantes” do valor.
  • Deságio: depreciação e redução do valor nominal de um título ou moeda.
  • DOC: Documento de Ordem de Crédito. Forma de transferência de crédito entre contas correntes.
  • Duplicata: título que se extrai em consequência de uma venda de produtos ou serviços quando feita para pagamento a prazo.
  • Endosso: ato de assinar nas costas dos títulos de crédito à ordem.
  • Factoring: é o contrato pelo qual uma das partes cede a terceira créditos provenientes de vendas de produtos ou serviços, assumindo o cessionário o risco de inadimplência.
  • Fluxo de caixa: pagamento efetivo de dinheiro para uma empresa. Medida de entrada e saídas periódicas de um negócio.
  • Fungível: instrumento financeiro de valor equivalente a outro facilmente substituível.
  • Hipoteca: garantia de pagamento de dívida dada a um credor, representada por um bem imóvel do devedor.
  • Hot Money: aplicação em ativos atraídas por taxas de juros altas, podendo se deslocar rapidamente de mercado para mercado.
  • Índice de inflação: índice utilizado para quantificar o aumento de preços de determinado período.
  • Inadimplência: não cumprimento de uma obrigação financeira.
  • Inflação: aumento de preços de determinado período.
  • Inventário: avaliação dos bens e valores de uma pessoa física ou jurídica.
  • Leasing: arrendamento mercantil, operação financeira entre uma empresa proprietária de bens de capital e outra que usufrui deles contra o pagamento de prestações por um tempo determinado.
  • Leilão: processo de venda de bens ou títulos no qual os interessados devem fazer lances.
  • Mercado de capitais: mercado onde ocorre a demanda e oferta de valores mobiliários.
  • Nota promissória: título de crédito nominal emitido pelo devedor diretamente para o seu credor, que firma a promessa de pagamento do compromisso a um prazo determinado.
  • Penhor: entrega de bem móvel como garantia de pagamento de dívida. Caso o devedor não pague no prazo estabelecido, o credor pode executar o bem penhorado.
  • Previdência privada: sistema de pensão gerido por instituições financeiras, com o objetivo de complementar a aposentadoria.
  • Pro-rata: Juros definidos a uma taxa nominal contado proporcionalmente ao tempo de vigência do empréstimo.
  • Quitação: eliminação de uma obrigação.
  • Renda variável: rendimento não fixado a uma taxa
  • Renda fixa: rendimento atrelado a uma taxa, com conhecimento da rentabilidade da aplicação.
  • Seguro: contrato no qual a seguradora, mediante a assunção do risco que corre o segurado, recebe uma quantia, e pagará a indenização na ocorrência do sinistro.
  • Sinistro: presságio de acontecimentos infaustos.
  • Spread: diferença entre a taxa de captação e a de contratação das instituições financeiras.
  • Transação: negócio comercial ou financeiro entre duas pessoas físicas ou jurídicas.

Economês da ciência econômica

O mundo bancário e dos investimentos possuem muitos jargões inacessíveis para quem não é da área.

Muitos deles derivam das ciências contábeis, mas os mais desconhecidos derivam das ciências econômicas.

Desta forma, é importante conhecer melhor alguns jargões da economia utilizado por estudiosos e profissionais da área, que podem te auxiliar nos investimentos, consumo, entre outras decisões financeiras.

  • Agente econômico: consumidor, aquele que maximiza o seu bem estar, e produtor, aquele que maximiza seus lucros.
  • Âncora monetária: instrumento da política monetária utilizado para estabilizar o valor de uma moeda.
  • Barreiras comercias: taxas e normas alfandegárias impostas pelo governo para intervir sobre a troca de mercadorias internacional.
  • Bens públicos: bens consumidos por vários indivíduos com um custo menor do que se fosse destinado para somente um indivíduo.
  • Bens de capital: bens econômicos que servem para a produção de outros bens (de consumo ou até de capital).
  • Bens de consumo: bem que já é adquirido pelo seu consumidor final. Designado para satisfazer necessidades diretas.
  • Banco mundial: instituição financeira ligada à ONU, com finalidade de conceder recursos para governos e instituições para projetos de desenvolvimento econômico e social.
  • BNDES: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, criado para fomentar o desenvolvimento da economia brasileira, sobretudo para setores considerados estratégicos.
  • Capital: estoque de riqueza acumulado, que pode servir para gerar mais riqueza.
  • Cartel: grupo de empresas que fazem acordo para regular preço e condições do mercado para atingir interesses comuns.
  • Custo de oportunidade: custo de algo em termos de uma oportunidade renunciada. Ou seja, leva em consideração os benefícios que poderiam ser obtidos partir de uma oportunidade econômica.
  • Controle de preço: intervenção mais direta e radical do poder público no mercado.
  • Ceteris paribus: situação onde todas outras variáveis em questão mantêm-se constante.
  • Duopólio: oligopólio formado por apenas 2 pessoas.
  • Dumping: venda de produtos a preços inferiores ao seu custo de produção com o objetivo de eliminar a concorrência.
  • Economia de escala: redução dos custos unitários decorrente a um aumento no volume ou escala de produção.
  • Empresa estatal: empresa que pertence majoritariamente ao estado.
  • Escassez: insuficiência de determinados recursos em relação a quantidade total que seria demandada pelo mercado caso o bem fosse infinito.
  • Estagflação: situação econômica estagnada acompanhada de pressões inflacionárias.
  • Expectativas: grau de incerteza em relação ao futuro.
  • Financiamento do déficit: emissão de títulos da dívida pública para captar recursos para cobrir o déficit.
  • FMI: Fundo Monetário Internacional, organização financeira que tem como finalidade promover a cooperação monetária entre o mundo capitalista.
  • Hiperinflação: caso especial de inflação em que os preços crescem em um nível demasiadamente alto.
  • IPCA: principal indicador de inflação do país.
  • Inflação: aumento no nível geral de preços.
  • Incentivo fiscal: redução da carga tributária para estimular as atividades de certa empresa ou mercado.
  • Inflação inercial: reajuste pleno e natural dos preços da economia.
  • Juros: prêmio pela renuncia à liquidez.
  • Liquidez: um dos atributos de um bem.
  • Markup: diferença entre o custo total de produção e o preço de venda ao consumidor final.
  • Mercado: onde há forças de oferta e demanda.
  • Moeda: único bem aceito por todos para a aquisição de mercadorias e para reserva de valor.
  • Moratória: prorrogação do prazo definido para o pagamento de uma dívida.
  • Monopólio: estrutura de mercado onde uma empresa deve ofertar produtos ou serviços para atender a toda demanda.
  • Política fiscal: instrumento de decisões políticas relacionadas a receita e gastos do governo.
  • Política monetária: medidas adotadas pela autoridade monetária para buscar efeitos de curto prazo na economia.
  • Política cambial: Instrumento de política em relações comerciais entre os países.
  • Protecionismo: estratégia econômica de impor dificuldade a entrada de produtos estrangeiros no mercado doméstico, na tentativa de incentivar a indústria local.
  • Provisão: soma destinada pela empresa à cobertura de um encardo, perda virtual, futura ou eventual.
  • Recessão: redução do fluxo de produção em determinado período.
  • Renda per capita: medido no Brasil como PIB per capita. Indicador usado para medir nível de renda de um país em relação ao total de sua população.
  • Sazonalidade: propriedade de alguns produtos ou agentes econômicos de flutuações estatísticas em determinado período que tendem sempre se repetir em uma mesma estação.
  • Selic: taxa básica de juros do mercado brasileiro.
  • Taxa de câmbio: proporção entre determinada moeda e outra estrangeira.
  • Trade off: operação ou negócio que é renunciado a partir da escolha de outro negócio ou operação econômica.

Combatendo o economês com clareza

Desta forma, com essas palavras introduzidas, certamente você pôde melhorar o seu economês.

Sem dúvidas, o economês é uma linguagem muito frequente no universo bancário, dos investimentos e da própria ciência econômica.

Por isso, entender o economês é essencial para que a pessoa desenvolva mais profundamente seus conhecimentos no campo econômico.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos