ELET3: descubra se vale a pena comprar ações da Eletrobrás

ELET3

A Eletrobrás (ELET3) atua no setor elétrico, sendo considerada a maior empresa brasileira do setor elétrico.

As ações da Eletrobrás (ELET3) integram a bolsa de valores com participação de 0,65% no Ibovespa. Portanto, é possível que os investidores interessados nas oportunidades desse segmento comprem papéis da empresa na bolsa de valores.

O que é a Eletrobrás (ELET3)?

Em primeiro lugar, a Centrais Elétricas Brasileiras S.A. (ELET3) é uma empresa controlada pelo Governo Federal. A companhia foi criada pela Lei nº 3.890-A, de 1962, realizando seu IPO no ano 1998.

É possível negociar as ações da empresa na B3, mediante a utilização dos tickers ELET3, ELET5 e ELET6. Além do Brasil, seus papéis são negociados nos Estados Unidos e na Espanha.​​

A empresa possui mais de 601.142.455 ações gerenciadas, sendo 38,32% destas em free float.

Além da Eletrobrás, outras organizações também direcionam seus serviços para o setor elétrico como, por exemplo, Neoenegia (NEOE3) e a Engie Brasil (EGIE3).

  1. Neoenergia: a empresa centraliza suas atividades na geração, transmissão, distribuição e venda de energia elétrica. Além disso, a companhia possui 17 parques eólicos, 7 hidrelétricas e uma usina térmica e gás natural;
  2. Engie Brasil: a companhia atua no setor privado de energia elétrica, promovendo geração, transmissão e venda de energia. Possui 61 usinas, com capacidade de 10.211 MW.

Dessa forma, diante da importância da Centrais Elétricas Brasileiras (ELET3) para esse setor do mercado, é relevante entender sua história e modelo de negócio.

Sendo assim, os investidores poderão utilizar as informações mais relevantes sobre a companhia para realizar aplicações de forma segura e assertiva.

O que faz a Eletrobrás (ELET3)?

A principal atividade da Eletrobrás é a geração, transmissão e distribuição de energia elétrica para todo o Brasil.

Dessa forma, a empresa tem como atribuição também, por exemplo, a promoção de estudos, projetos de construção e operação de usinas de geração e linhas de transmissão e distribuição de energia elétrica.

A companhia é responsável ainda pela administração de programas de governo voltados para o desenvolvimento do setor elétrico, como:

  • Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica);
  • Luz para Todos (Programa Nacional de Universalização do Acesso e Uso da Energia Elétrica);
  • Proinfa (Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica).

Sendo assim, é possível perceber como a empresa organiza seus programas.

Como a Eletrobrás (ELET3) atua?

A Eletrobrás (ELET3) atua em todo o Brasil e tem uma capacidade geradora equivalente a cerca de um terço do total da capacidade instalada de produção de energia elétrica no Brasil.

A empresa tem 48 usinas hidrelétricas, 12 termelétricas a gás natural, óleo e carvão, duas termonucleares, 62 usinas eólicas e uma usina solar.

Cerca de 89% da malha de linhas de transmissão de energia do Brasil são linhas corporativas do sistema Eletrobrás, por exemplo.

Além disso, cerca de 96% da capacidade instalada da companhia vem de fontes com baixa emissão de gases de efeito estufa (“GEE”), como solar, nuclear, eólica e hidráulica.

Esse fato faz da Eletrobrás uma das maiores do mundo em geração de energia limpa e renovável. Ainda, ela é responsável pela matriz elétrica brasileira ser a segunda mais limpa e renovável do mundo.

Dada a sua participação na matriz elétrica do País, em 2019, do total instalado que vem de fontes com baixa emissão de GEE, 42% pertencem à Eletrobrás.

As ações da Eletrobrás (ELET3): onde e como são negociadas?

O ticker da Eletrobrás (ELET3) é negociado na bolsa de valores brasileira. É possível negociar seus papéis por meio de plataformas digitais. A intenção é facilitar os investimentos, além de zelar pela segurança de todos os investidores.

A companhia possui ações preferenciais de classes diferentes (ELET5 PNA e ELET6 PNB). Elas costumam variar de acordo com a empresa emissora da ação.

As ações preferenciais favorecem acionistas no recebimento de dividendos e em caso de liquidação da empresa.

Por último, a Eletrobrás também tem ações ordinárias (ELET3 ON). Essas, por sua vez, garantem direito de voto ao acionista.

Sendo assim, para que o investidor possa adquirir ações da Eletrobrás, ele deve realizar a abertura de uma conta em uma corretora de valores que preferir.

Vale lembrar que a corretora precisa ser credenciada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Depois, é preciso fazer uma transferência TED, com o valor direcionado para realizar os aportes. Em seguida, é possível escolher ações do banco pelos tickers ELET5, ELET6 ou ELET3.

Características das ações da Eletrobrás (ELET3)

elet3 4

Considerada uma Large Cap, a Eletrobrás (ELET3) tem como seu sócio majoritário o Governo Federal, com mais de 50% das ações gerenciadas. Além disso, o banco participa do IBOV (Índice Ibovespa) com 0,65%.

A classificação setorial da Eletrobrás (ELET3) através dos dados divulgados pela B3, é: Utilidade Pública / Energia Elétrica / Energia Elétrica.

Ainda, seu segmento de listagem na bolsa de valores é Nível 1. Nesse tipo, os únicos requisitos são apresentar algumas informações adicionais as exigidas pela lei e garantir o mínimo de 25% das ações em circulação no mercado.

Por fim, suas ações oferecem tag along de 80% ON E 0% PN. Além disso, seu free float é de 38,32%.

História da Eletrobrás

A história da Eletrobrás começa em 1954. Nesse ano, a criação da Centrais Elétricas Brasileiras S.A. é proposta em 1954 pelo então presidente Getúlio Vargas. No entanto, o projeto enfrenta intensa oposição no Congresso Nacional.

Sete anos depois, em 1961, o presidente da época, Jânio Quadros, assina a Lei 3.890-A, que autorizava a União a constituir a Eletrobrás.

Em seguida, em 1962, no governo de João Goulart, a empresa recebe a atribuição de realizar pesquisas e projetos de usinas geradoras.

Além disso, também tem como papel fazer linhas de transmissão e subestações, suprindo a crescente demanda de energia elétrica enfrentada pelo Brasil.

É em 1963 que a entra em operação a primeira unidade da hidrelétrica de Furnas (MG). Já no período militar, a partir de 1964, a empresa se firma como uma agência planejadora e financiadora, além de holding de outras empresas federais.

A partir de 1990, as reformas institucionais e as privatizações na década provocam a perda de algumas funções da estatal e mudanças no perfil da Eletrobrás. A companhia realiza a Oferta Pública Inicial no ano de 1998.

Nesse período, a companhia passa a atuar também, por determinação legal, na distribuição de energia elétrica, por meio de empresas nos Estados de Alagoas, Piauí, Rondônia, Acre, Roraima e Amazonas.

Já no século 21, em 2004, a Eletrobrás é excluída do PND (Programa Nacional de Desestatização), permanecendo uma empresa estatal.

Por último, em 2018, o presidente Michel Temer envia ao Congresso Nacional o projeto de lei que dispõe sobre a privatização da Eletrobrás. Além disso, nesse ano também, a empresa encerra suas atividades no setor de distribuição em 2018.

Linha do tempo da Eletrobrás

  • 1954: Primeiros passos da Eletrobrás. A Eletrobrás é proposta em 1954 pelo então presidente Getúlio Vargas;
  • 1961: Jânio Quadros assina a Lei 3.890-A, que autorizava a União a constituir a Eletrobrás;
  • 1962: No governo de João Goulart, a empresa recebe a atribuição de realizar pesquisas e projetos de usinas geradoras, entre outras funções;
  • 1963: Nesse ano entra em operação a primeira unidade da hidrelétrica de Furnas (MG);
  • 1964-1985: No período militar, a empresa se firma como uma agência planejadora e financiadora, além de holding de outras empresas federais;
  • 1990: A partir desse ano, as reformas institucionais e as privatizações na década provocam a perda de algumas funções da estatal e mudanças no perfil da Eletrobrás.;
  • 1998: Realização da IPO;
  • 2004: Eletrobrás é excluída do PND (Programa Nacional de Desestatização), permanecendo uma empresa estatal.
  • 2018: Michel Temer envia ao Congresso Nacional o projeto de lei que dispõe sobre a privatização da Eletrobrás. Ainda, a empresa encerra suas atividades no setor de distribuição em 2018.

Como ganhar dinheiro com as ações da Eletrobrás (ELET3)?

elet3 3

Existem algumas maneiras de ter lucros com as ações da Eletrobrás (ELET3). O acionista pode, por exemplo, ganhar dinheiro através da venda de suas ações por um valor mais alto do que o custo de compra delas.

Essa segunda postura é típica de um trader. No entanto, ele não atua como um sócio, acionista ou investidor, já que ele busca lucro em curto prazo. Por essa razão, vale definir o seu perfil do investidor e os seus intuitos financeiros.

Desse modo, é importante que o investidor perceba algumas questões que influenciam na realização de investimentos com segurança e consciência.

Sendo assim, dentre as questões, por exemplo, o investidor pode considerar a busca pela diversificação da sua carteira de ativos, realizando aportes em renda fixa e renda variável.

Se recomenda, portanto, que o acionista analise a segurança, a liquidez e a rentabilidade das ações que integram a bolsa, antes de fazer uma compra.

Dessa forma, priorizar alta liquidez ou rentabilidade vai depender de cada investidor. Isso porque ele pode comprar ações para o curto, médio ou longo prazo de tempo.

Vale a pena investir na Eletrobrás (ELET3)?

Considera-se a Eletrobrás a maior empresa do setor elétrico do País. Como ponto positivo, a Eletrobrás se destaca pelo seu modelo de produção sustentável. Por exemplo, a companhia recebeu o título de Carbon Clean 200 e de Empresa mais inovadora do país – Eletrobrás Furnas.

No entanto, é possível considerar a participação do Governo brasileiro como sócio majoritário na empresa uma desvantagem. Isso porque, dessa forma, ele pode ter maior participação nas decisões em assembleias.

Desse modo, antes de realizar a compra de ações da Eletrobrás, se deve realizar uma análise fundamentalista.

Assim, será possível acompanhar seus investimentos e conferir se eles estão sendo feitos de maneira prudente. Isso vale tanto para a Eletrobrás (ELET3) como para outra empresa da bolsa de valores.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Últimos artigos