Emprestar o nome: entenda por que você não deve fazer isso

emprestar o nome

Mesmo sendo uma prática comum no Brasil, emprestar o nome para terceiros é uma prática arriscada e perigosa para a educação financeira de uma pessoa.

Emprestar o nome pode até ser um ato solidário, mas no entanto, não vale o risco. Fazer o empréstimo de nome certamente ajuda a outra parte, mas trazer grandes prejuízos para quem faz a concessão

Emprestar seu nome em alguns casos pode até ser até mesmo ilegal. Por isso, é preciso estar atento aos problemas de emprestar o nome para não se envolver nenhuma situação de risco.

Os perigos de emprestar o seu nome para terceiros

emprestar-o-nome

No geral, as pessoas que costumam pedir para emprestar nome são familiares e amigos. Na maioria dos casos, se tratam de pessoas que:

  • Estão negativadas e com o nome sujo nos serviços de proteção ao crédito;
  • Possuem dificuldade de comprovar ou não possuem renda.

Mas mesmo sendo para pessoas próximas e supostamente confiáveis, essa prática oferece riscos.

Além de correr o risco de perder uma relação afetiva, quem opta por emprestar o nome pode:

  • Ficar com o nome sujo: o risco de quem empresta o nome pode ser a negativação e a dificuldade para ações posteriores. Como, por exemplo, não poder comprar uma casa, fazer cartão de crédito, adquirir um automóvel, abrir um negócio ou até mesmo contratar serviços básicos como tv e internet;
  • Ter dificuldades para cobrar a quitação do débito: por se tratar, na maioria das vezes, de relações próximas pode haver dificuldade para cobrar que a dívida seja quitada;
  • Não ter garantias: algumas pessoas fazem acordos ‘boca a boca’. No entanto, a realidade é que na maioria dos casos, não há garantias de efetivação do pagamento da dívida;
  • Arcar com a dívida: tendo problemas com o pagamento do débito, é comum que a pessoa que emprestou o nome assuma a dívida para não ficar com o nome sujo;
  • Responder a crime de falsidade ideológica: no caso de empréstimo de nome para abertura de um negócio, por mais que o utilizador do nome emprestado assumisse no dia a dia a empresa. Indiretamente, quem emprestou o nome possui a obrigação perante o estabelecimento, pelo fato de possuir o nome nos documentos;
  • Sofrer cobranças via processos judiciais: além de ser forçado a pagar a dívida, os custos podem aumentar se as cobranças dos credores forem realizadas via processos judiciais. Acrescentando o gasto com despesas advocatícias.

Emprestar o meu nome é crime?

O empréstimo de nome para que outras pessoas utilizem serviços como crédito, financiamento e até empréstimos pode ser considerado uma infração penal.

Principalmente, se o assunto for abertura de empresas. Em alguns casos, o ‘laranja’ e o utilizador do nome emprestado podem ser obrigados a pagar multa e até serem presos.

Emprestar o nome pode sujar o seu próprio histórico de crédito

Dentre os inúmeros motivos para não emprestar o nome, surge a constatação de que provavelmente, quem solicita para alguém emprestar nome já deve estar com o nome sujo na ‘praça’.

Pensando nisso, são grandes as possibilidades de não haver o cumprimento do compromisso com a dívida gerada. E em todos os casos, o débito oficialmente é de quem emprestou o nome, mesmo que não tenha utilizado o serviço.

Por isso, emprestar o nome não é uma boa uma alternativa para resolver a desorganização financeira de pessoas próximas, devendo ser evitado ao máximo. Na verdade, essa ‘solução’ só pode acabar trazendo mais dores de cabeça. Para ajudar de verdade, recomende a Planilha: Planejador Financeiro Mensal!

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos