ENBR3: entenda tudo sobre as ações da Energias do Brasil!

ENBR3 jpg

A Energias do Brasil (ENBR3) é uma empresa do setor de energia. Ela funciona como uma holding que detém investimentos nos segmentos de geração, distribuição, comercialização, transmissão e serviços de energia elétrica.

Os papéis da Energias do Brasil (ENBR3) podem ser vendidos e comprados dentro da bolsa de valores brasileira. Portanto, para quem investe em renda variável e gosta desse setor, vale conhecer mais sobre a empresa para saber se trata de um bom negócio.

O que é a Energias do Brasil (ENBR3)?

A EDP Energias do Brasil S.A (ENBR3) é empresa de controle da EDP em Portugal, uma das principais operadoras europeias no setor energético.

Criada no início do século 21, em 2000, a empresa deu entrada na bolsa de valores, realizando sua Oferta Pública Inicial em 2005.  Por isso, na B3, é possível comprar e vender ações da empresa através do ticker ENBR3. Além disso, a Energias do Brasil tem mais de 250 milhões de ações em circulação, sendo 41,26% destas em Free Float.

Da mesma forma que a EDP, há outras empresas que também atuam nesse setor de energia. São elas, por exemplo, a Eneva (ENEV3) e a Eletrobrás (ELET3):

  1. Eneva: trata-se de uma empresa integrada de energia. Tem negócios complementares em geração de energia elétrica e exploração e produção de hidrocarbonetos no Brasil;
  2. Eletrobrás: é uma holding composta por empresas como Eletrobras Chesf, Eletrobras Eletronorte, Eletrobras Eletronuclear, com foco na integração energética na América do Sul.

Visto isso, é interessante entender a importância da Energias do Brasil (ENBR3) dentro do setor elétrico a partir do seu modelo de negócio e histórico.

O que a Energias do Brasil (ENBR3) faz?

A principal atividade da Energias do Brasil é o ramo de energia. Portanto, atua com:

  • Geração;
  • Transmissão;
  • Distribuição.

Além disso, a companhia atua na comercialização de energia elétrica através de contratos fechados, de fornecimento de energia elétrica.

Como a Energias do Brasil (ENBR3) atua?

No segmento de geração, a Energias do Brasil atua no controle das operações de empreendimentos de fonte convencional (Usinas Hidroelétricas e uma Usina Termelétrica) em 6 estados do País. Além disso, detém 2,9 GW de capacidade instalada.

No segmento de distribuição, a empresa atua nos estados de São Paulo e Espírito Santo. Junto a isso, possui participação de 29,90% no capital social da Celesc, em Santa Catarina.

Já no segmento de comercialização, a empresa negocia contratos de compra e venda de energia com clientes distribuídos em todo território nacional.

No segmento de transmissão, a companhia possui 6 projetos, totalizando 1.441 km de extensão. Por fim, no segmento de serviços, através da EDP Grid, a empresa presta serviços técnicos e comerciais.

Ações da Energias do Brasil (ENBR3): como e onde negociar?

Para comprar e vender ações da Energias do Brasil (ENBR3), o investidor precisa usar plataformas online como o home broker. É importante também entender que tipo de papel a empresa oferta: ações ordinárias (ENBR3 ON), dando o direito ao voto durante as assembleias da empresa.

Para comprar papéis da Neoenergia, é preciso realizar a abertura de uma conta em uma corretora de valores que seja autorizada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Em seguida, o investidor deve fazer uma transferência TED ou um PIX para a instituição financeira com o valor que se deseja aplicar. Após isso, então, será possível selecionar ações da empresa (ENBR3).

Características das ações da Energias do Brasil (ENBR3)

ENBR32

A Energias do Brasil é uma Mid Cap. A classificação setorial da EDP, segundo dados da B3, é: Utilidade Pública e Energia Elétrica.

Além disso, o segmento de listagem da Energias do Brasil na bolsa de valores é Novo Mercado, que prioriza empresas com boa governança e alta transparência. Por fim, a empresa apresenta um Tag Along de 100% ON, além de um free float de 41,26%.

História da Energias do Brasil

As operações do Grupo EDP no Brasil tiveram início em 1996, com a aquisição de uma participação minoritária na Cerj – atualmente Ampla.

No ano seguinte, em 1997, o Grupo EDP no Brasil fez seu primeiro investimento na área de geração no país ao assumir 25% da hidrelétrica Luís Eduardo Magalhães (TO).

Em 1998, a empresa realizou a compra do controle da Bandeirante Energia, em conjunto com a CPFL. Em seguida, em 1999, foi a vez da aquisição de participação direta e indireta na Iven, veículo controlador da Escelsa e da Enersul.

2001-2010

A Criação da EDP Brasil aconteceu, oficialmente, em 2000. Já em 2001, a empresa ganhou a concessão para construir a usina de Peixe Angical (TO), com potência de 452 MW.

Além disso, nesse ano, houve a cisão da Bandeirante Energia. Com a saída da CPFL do capital social da empresa, a Bandeirante Energia passa ser de controle somente da EDP Brasil.

No ano de 2002, a hidrelétrica Lajeado entrou em operação plena, com potência de 902,5 MW. Em 2005, o nome da empresa passou a ser EDP Energias do Brasil.

Nesse ano também, a companhia abriu o capital através do IPO. Já em 2006, as ações da Energias do Brasil ingressaram no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), da BM&F Bovespa.

Em 2007, em parceria com a MPX Mineração, a companhia adquiriu a Usina Termelétrica Pecém I, no Ceará. Em 2008, a EDP Energias do Brasil e EDP Renováveis criaram uma subsidiária e definiram o primeiro investimento eólico no país.

2010 -2020

Na chegada da nova década, em 2010, foi inaugurado, o Centro de Operação da Geração (COG) no ES. Em 2011, a EDP Energias de Portugal e China Three Gorges deram início a uma parceria estratégica.

Em 2012, Ana Maria Machado Fernandes assumiu o cargo de diretora-presidente da companhia. Nesse ano, ainda, a EDP Energias do Brasil venceu no leilão A-5, realizado pela ANEEL, a concessão da Central Hídrica de Cachoeira Caldeirão a se construir no Amapá.

Outro marco foi o ano de 2013, quando as ações da Companhia passaram a integrar o índice Bovespa. Em 2015, ocorreu a conclusão da Aquisição de 50% de Porto do Pecém I pertencentes à Eneva. A EDP Energias do Brasil passou a deter 100% do empreendimento.

Já em 2016, foi a vez da conclusão da Venda da Pantanal Energética. Em 2018, houve a entrada da empresa em operação comercial das UGs 02 e 03 da UHE São Manoel.

Linha do tempo da Energias do Brasil

  • 1996: Início das operações da EDP, com a aquisição de uma participação minoritária na Cerj;
  • 1997: Compra do controle da Bandeirante Energia, em conjunto com a CPFL;
  • 1998: Aquisição de participação direta e indireta na Iven.

2001-2010

  • 2000: Criação da EDP Brasil;
  • 2001: Concessão para construir a usina de Peixe Angical (TO);
  • 2002: Início da operação da hidrelétrica Lajeado;
  • 2005: Empresa passa a ser EDP Energias do Brasil; IPO da companhia;
  • 2006: Ações da Energias do Brasil ingressam no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), da BM&F Bovespa;
  • 2007: Parceria com a MPX Mineração na qual a companhia adquire a Usina Termelétrica Pecém I, no Ceará;
  • 2008: Criação de uma subsidiária pela EDP Energias do Brasil e EDP Renováveis.

2010 -2020

  • 2010: Inauguração do Centro de Operação da Geração (COG);
  • 2011: Parceria entre a EDP Energias de Portugal e a China Three Gorges;
  • 2012: Ana Maria Machado Fernandes assume o cargo de diretora-presidente da companhia;
  • 2013: Ações da Companhia integram o índice Bovespa;
  • 2015: Conclusão da Aquisição de 50% de Porto do Pecém I pertencentes à Eneva;
  • 2016: Conclusão da Venda da Pantanal Energética;
  • 2018: Entrada em operação comercial das UGs 02 e 03 da UHE São Manoel.

Como lucrar com ações da Energias do Brasil (ENBR3)?

ENBR33

Em primeiro lugar, vale dizer que há diversas formas de lucrar com ações da Energias o Brasil na B3. Uma dessas formas, por exemplo, é através dos dividendos, que podem ser usados como uma renda extra ou para o reinvestimento,  no caso de aplicações voltadas ao longo prazo.

Além isso, o investidor pode vender ações da empresa por um valor maior do que comprou. Essa prática é vista como de curto prazo. Portanto, isso vai depender do perfil do investidor de cada um e dos respectivos objetivos financeiros.

Outra forma prática de lucrar com os ativos da Energias do Brasil de forma segura é aderindo à diversificação de ativos, uma estratégia que consiste na criação de uma carteira de ativos variados, podendo ser de renda fixa ou renda variável.

Com isso, então, o investidor se protege contra flutuações financeiras causadas por crises gerais ou em determinados setores do mercado.

Vale a pena investir na Energias do Brasil (ENBR3)?

Entre os pontos positivos da Energias do Brasil se pode citar, por exemplo, a participação da empresa no Índice de Sustentabilidade da B3 (ISE).

O ISE, por sua vez, se constitui por empresas que se distinguem pelo compromisso com o desenvolvimento sustentável, equidade, transparência e prestação de contas. Além disso, a empresa apresenta uma boa governança e um baixo endividamento.

Por outro lado, trata-se de um setor em que é comum o pagamento de encargos ao governo. Sendo assim, os custos podem sofrer variações e, portanto, afetar a empresa. Junto a isso, trata-se de um nicho com muita concorrência.

Visto esses fatores, é importante que o investidor busque fazer uma análise fundamentalista antes de escolher uma empresa. Dessa forma, então, o investidor poderá fazer boas escolhas, tanto em relação a ENBR3, como em relação outros tickers.

Quais são os concorrentes da ENBR3?

Algumas das concorrentes da ENBR3 são, por exemplo, Eneva (ENEV3 e Eletrobráa (ELET3).

A ENBR3 participa do Ibovespa?

A empresa participa do IBOV com 0,21%.

A ENBR3 realiza o pagamento de dividendos?

A Energias do Brasil paga historicamente dividendos recorrentes.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos