Home Blog Vale a pena investir em Fundos de Renda Fixa?

Vale a pena investir em Fundos de Renda Fixa?

fundos de renda fixa

Para quem está começando a investir, conhecer alternativas seguras e diversificadas é muito importante. Nestes casos, os fundos de renda fixa podem ser ótimas opções.

Com baixa volatilidade, muita segurança e diversificação, os fundos de renda fixa podem ser um ótimo primeiro passo no mundos dos investimentos.

Dentro dos fundos de investimentos, os fundos de renda fixa, sem dúvidas, são aqueles de perfil mais conservador.

Mas, para que você possa entender esses fundos, primeiramente, é importante saber o que são os fundos de investimentos.

O que são fundos de investimentos?

Os fundos de investimentos são opções de aplicações financeiras, onde o investidor aplica seus recursos em uma carteira de ativos.

Os ativos financeiros que vão compor esta carteira de investimentos serão escolhidos pelo gestor do fundo.

Existem vários tipos de fundos de investimentos, cada um com a sua particularidade no tipo de investimento.

No caso dos fundos com investimento em renda fixa, os ativos que compões a carteira são, predominantemente, da renda fixa.

O que são fundos de renda fixa?

fundos de renda fixa

Agora que você entende um pouco melhor o conceito de fundos de investimentos, é possível discutirmos mais a fundo sobre os fundos de renda fixa.

Eles são fundos de investimentos que devem ter, no mínimo, 80% da sua composição formada porinvestimentos de renda fixa.

São diversos os investimentos que podem se enquadrar nessa categoria.

Algumas vezes, a parte do fundo de renda fixa que não é composta por ativos de renda fixa é destinada para aplicações em derivativos.

Os derivativos, em contrapartida, são investimentos de perfil arrojado, mas possibilitam grandes rentabilidades.

Mas, por conta do alto risco envolvendo os derivativos, apenas uma parte mínima do fundo deve ser destinada para essas aplicações.

Todos os ativos que irão compor o fundo de renda fixa são escolhidos por um gestor, que tem como objetivo maximizar segurança e rentabilidade do investidor.

Mas, grande parte das vezes, esses fundos tem resultados previsíveis, acompanhando indicadores econômicos como a Selic e a inflação.

Tipos de fundos de renda fixa

A composição desses fundos pode variar de acordo com o gestor do fundo e de acordo com o perfil do investidor.

Desta forma, é interessante que você conheça os principais tipos de desses fundos e avalie qual faz mais sentido para você:

  • Simples;
  • Curto prazo;
  • Longo prazo;
  • Crédito privado;
  • Referenciado.

Simples

Os fundos de renda fixa simples, como o nome já diz, são os mais simplificados, sendo formados 95% por títulos renda fixa.

Normalmente, os fundos simples são compostos por títulos do Tesouro Nacional e por títulos de instituições com baixo risco de crédito.

O gestor desse fundo evita aplicações no exterior e alguns títulos privados mais arriscados, para proteger o investidor da volatilidade.

Ou seja, esse produto é muito interessante para quem está começando a investir.

Curto prazo

Os fundos de curto prazo tem um vencimento de no máximo 1 ano e, por isso, recebem esse nome.

Neste caso, para manter a segurança de curto prazo, os fundos de curto prazo são compostos por ativos que estão atrelados a indicadores macroeconômicos e financeiros, como a Selic.

Longo prazo

Por sua vez, os fundos de longo prazo possuem um vencimento médio com prazo de mais de um ano.

Ou seja, o gestor tem uma maior flexibilidade para montar a carteira de investimentos e conseguir melhores rentabilidades.

Portanto, apesar da menor liquidez e maior exposição ao risco, esse investimento vale mais a pena para quem não tem tanta urgência em relação ao recurso.

E, quando falamos de maior exposição ao risco, não estamos dizendo que é uma aplicação arriscada, afinal, é composta majoritariamente por investimentos de renda fixa.

Crédito privado

Os fundos de renda fixa de crédito privado, como o nome já antecipa, são compostos principalmente por títulos privados.

A composição desse fundo é feita de pelo menos 50% de ativos de crédito privado, como CDB e debêntures.

O resto do fundo pode ser formado por títulos públicos, para dar mais segurança, e derivativos, para alavancar os resultados.

Referenciado

Os fundos de renda fixa referenciados são aqueles que tentam “seguir” o resultado de algum índice, como a SELIC ou o CDI.

Portanto, até 95% dos investimentos inseridos no fundo estão atrelados a esses indicadores econômico-financeiros.

Eles são indicados para investidores que querem proteger o poder de compra de parte dos seus recursos.

Vantagens dos fundos de renda fixa

Como todas as aplicações financeiras disponíveis no mercado, existem vantagens e desvantagens relacionadas a este investimento.

Portanto, entre as principais vantagens dos fundos de investimento em renda fixa estão:

  • Rentabilidade: graças a boas gestões, os fundos conseguem muitas vezes superar o Selic e o CDI;
  • Aporte mínimo baixo: enquanto alguns investimentos como CDBs, LCI e LCA, os aportes mínimos podem superar R$1 mil, é possível começar a investir em fundos de renda fixa com R$500;
  • Diversificação: os fundos de investimentos são ótimas formas de investir em vários produtos financeiros através de um só. Isso é muito positivo no sentido da segurança do investimento;
  • Praticidade: não é necessário nenhum estudo altamente aprofundado para escolher um bom fundo. Na verdade, muitas vezes, para fundos de investimentos, o mais importante é conhecer o gestor e evitar altas taxas de administração, performance e custódia.

Desvantagens dos fundos de renda fixa

Em contrapartida, é necessário conhecer também as desvantagens dos fundos de investimento em renda fixa.

  • Come-cotas: como os investimentos estão sujeitos ao IR, algumas cotas do fundo são “comidas” ao pagar o imposto de renda;
  • FGC: os fundos de investimento não contam com o apoio do FGC (Fundo Garantidor de Crédito);
  • Taxas: um dos pontos que podem tornar os fundos desvantajosos são justamente as taxas cobradas. Por isso, é indispensável que você analise as taxas vinculadas a eles e decida se o investimento vale a pena para você.

Por fim, para quem está começando a investir os fundos de renda fixa podem ser ótimas opções de segurança, rentabilidade real e liquidez necessária.

Escrito por

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Compartilhe conosco suas experiências

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *