Como identificar o grau de endividamento da empresa?

grau de endividamento

O chamado grau de endividamento é um indicador que mostra como anda a saúde financeira de uma empresa. A partir da análise desse indicador, é possível identificar os causadores do endividamento e criar estratégias para lidar com esse cenário preocupante. 

A economia sofreu profundos impactos por conta da pandemia da Covid-19. Por isso, entender sobre o grau de endividamento é primordial para você identificar os principais desafios do seu negócio, e se preparar financeiramente no futuro.

Em parceria com Empreender Dinheiro, nós do Xerpay preparamos esse guia para falar sobre o cálculo de endividamento, como anda o cenário atual da economia brasileira e de que forma as empresas podem ajudar seus colaboradores nesse assunto.

O que é grau de endividamento?

No início, é comum que uma empresa não tenha capital suficiente para crescer. Por isso, as pessoas optam por realizar empréstimos para aumentar o capital de giro. Porém, da mesma forma que ela adquire recursos, a empresa passa a lidar também com o risco do endividamento. 

Como já vimos, o grau de endividamento é um indicador que permite saber quais dívidas são necessárias ou dispensáveis dentro de um investimento. Distinguir quais dívidas te ajudam a alcançar um determinado objetivo, e quais podem te levar à falência, é de extrema importância.

Portanto, é primordial que gestores busquem acompanhar esse tipo de dado, pois, só assim, conseguirão tomar decisões mais estratégicas sobre o futuro das empresas.

Mas o que seria uma “dívida”? A dívida é todo compromisso assumido perante a alguém, seja um amigo seu, um banco ou uma instituição financeira. 

Ela é também todos os compromissos futuros que irão comprometer parte dos seus ganhos, como empréstimos, compras parceladas no cartão de crédito e financiamentos, entre outros. 

Antes de conhecer a composição do endividamento, é interessante que você entenda a diferença entre despesas e dívidas. Despesas são gastos contínuos, necessários para a manutenção de uma empresa. Já as dívidas são a consequência das despesas fora do controle.

Calculando o grau de endividamento

E qual é “grau de endividamento ideal?” Empreendedores e gestores responsáveis precisam manter um controle contínuo sobre a saúde financeira das empresas.

Por isso, é preciso entender algumas métricas para descobrir como anda o equilíbrio do seu negócio, como: endividamento geral, margem liquida e ROI.

Endividamento geral

O Índice de Endividamento Geral é um dos indicadores mais básicos, porque mostra o valor total comprometido para o pagamento de custos relacionados a terceiros. 

Em outras palavras, ele ajuda a determinar se uma empresa utiliza mais recursos próprios ou de terceiros. Cabe ressaltar que esse índice sozinho não determina a saúde financeira da empresa.

O ideal é que você não tenha um índice de endividamento nem muito baixo e nem muito alto. A fórmula para descobrir esse índice é simples. É o valor total das dívidas dividido pelo total dos ativos:

EG = (Capital de terceiros / Ativos totais) x 100

Para entender melhor como funciona o Índice de Endividamento Geral, confira um exemplo:

Uma empresa tem $5.000.000 em ativos totais, $1.000.000 em passivos de curto prazo e $100.000 em passivos de longo prazo (ativos são os meios de rendimento e passivos todas as saídas de dinheiro. 

Para calcular o endividamento dessa empresa, você divide a soma do passivo exigível ($1.100.000) pelo total do ativo ($5.000.000). Com isso, o índice de endividamento geral seria de 22%.

Isso significa que 22% do ativo total do negócio estaria comprometido para pagamento das dívidas.

Margem líquida

Esse indicador também serve para mostrar a capacidade da empresa de gerar lucro em relação à receita líquida conquistada em determinado período. Ou seja, demonstra se os custos da empresa estão realmente elevados.

A fórmula para realizar esse cálculo é dividir o lucro líquido sobre a receita líquida (o valor que sobra após reduzir impostos). Sendo assim:

Margem líquida = (Lucro líquido / Receita líquida) x 100

Quanto mais alto esse indicador, significa que a empresa está mais preparada para os momentos de baixa.

Retorno sobre investimento (ROI)

O ROI é a relação entre o dinheiro que você ganhou/perdeu e o montante investido. Essa métrica revela o potencial que uma empresa tem para gerar lucros. O cálculo é feito da seguinte forma:

ROI = (Lucro Líquido / Ativo Total) x 100

Para fazer os cálculos corretos, o primeiro passo é ter uma boa gestão financeira. 

Qual é o cenário atual de endividamento no Brasil?

A pandemia da Covid-19 trouxe ainda mais desafios à economia brasileira, que já enfrentava problemas no início de 2020. De acordo com economistas, o PIB brasileiro (Produto Interno Bruto) encolheu aproximadamente 4%. 

Com a chegada da quarentena, o comércio foi prejudicado. Diversos tipos de serviços precisaram ser fechados. Pequenos empreendimentos sofreram para sobreviver sem clientes, e muitos deles foram à falência. E qual o resultado disso tudo?

A falta de crescimento tornou mais difícil manter e oferecer novas oportunidades de emprego. Nesse ritmo, o ano de 2020 fez com que o desemprego atingisse 14 milhões de pessoas no País.

Diante disso, não seria surpresa informar que o grau de endividamento das famílias brasileiras aumentou

Segundo pesquisa da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), no fim de 2020, o percentual de endividados subiu para 67,5% (compromissos assumidos com cheque especial, cartão de crédito e empréstimos).

Então, o que as empresas podem fazer para evitar que o grau de endividamento cresça?  Existem algumas estratégias para lidar com o endividamento.

Como contornar o endividamento?

grau de endividamento 2

A falta de conhecimento e controle financeiro levam os empreendimentos a uma situação de endividamento. 

E sair dessa situação não é simples. É preciso muita organização, planejamento e corte de gastos para colocar a empresa de volta nos trilhos. 

Se a sua empresa está passando por algum grau de endividamento, há alguns passos que você pode seguir.

Entender as causas do endividamento

Não dá para buscar uma solução sem conhecer a raiz do problema. Faça um diagnóstico profundo sobre os investimentos e finanças do seu negócio. Se a sua empresa é pequena e te falta experiência, procure ajuda de um especialista.

Avaliar o que pode ser cortado ou reduzido

Saiba separar o que é realmente necessário para sua empresa funcionar do que é supérfluo. Ou então, caso o corte não seja possível, opte por materiais mais baratos.

Realize uma pesquisa para encontrar bons fornecedores e o melhor custo-benefício. Incentive os funcionários a ter um aproveitamento adequado dos produtos.

Investir na integração de setores

Muitas vezes o principal problema de uma empresa é que os setores não conversam entre si. Ninguém fica sabendo o que está acontecendo, a comunicação é cheia de ruídos e os profissionais não têm interação entre si.

Por isso, coloque em prática ações voltadas para a integração e cooperação. Faça reuniões estratégicas, se comunique melhor com cada colaborador ou líder de setor, invista mais em ferramentas de comunicação.

Definir prioridades

Em momentos de dificuldade, é preciso estabelecer prioridades para que você tenha foco na hora de solucioná-las. 

Se a sua organização tem mais de uma dívida, pense em quais precisam ser quitadas com maior urgência. Use critérios como custo, juros, período da dívida e possíveis riscos (processos judiciais, por exemplo).

Quais estratégias para ajudar colaboradores endividados?

Pode ser que a sua empresa não esteja com problemas relacionados ao endividamento, ou tais problemas já foram solucionados. 

No entanto, os colaboradores podem estar com esse problema. E quando o trabalhador passa por estresse financeiro, sua produtividade fica comprometida.

Mesmo sendo uma questão bastante pessoal, é possível que as organizações ajudem seus colaboradores a lidar com esse problema. Uma ajuda mútua beneficia ambas as partes. 

O salário sob demanda é uma tendência que contribui para aumentar a produtividade, por exemplo. Por meio de aplicativo, o colaborador pode sacar pelos dias já trabalhados sem precisar esperar a virada do mês. 

O processo é simples, rápido e não altera a folha de pagamento das empresas. Com esse benefício, é possível cobrir gastos emergenciais e pagar dívidas com o mínimo de juros. 

Existem ainda outras estratégias para manter o bem-estar financeiro dos colaboradores: palestras, cursos e workshops sobre educação financeira, manuais com dicas práticas, benefícios flexíveis e outros. 

Seja qual for a medida, oferecer um apoio ao colaborador sobre a questão de endividamento pode ser muito vantajoso, pois gera:

  • aumento de produtividade (estar no controle das finanças deixa o colaborador mais tranquilo e focado no trabalho);
  • redução do estresse, o que impacta positivamente no clima do ambiente de trabalho;
  • redução do absenteísmo (muitas vezes causado por problemas em casa ou problemas de saúde relacionados ao estresse);
  • recrutamento mais atraente, afinal, os profissionais estão buscando empregos que ofereçam benefícios relevantes.

Identificar o grau de endividamento envolve múltiplos fatores. Não existe uma fórmula mágica, mas vários cálculos e uma avaliação detalhada.

Sem acompanhar tudo isso, é provável que você fique à mercê das oscilações da economia e prejudique o crescimento da sua empresa. 

Por isso, vale a pena seguir essas dicas. Busque ter uma gestão mais eficiente do seu negócio e, assim, aprenda a evitar um grau de endividamento alto.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Últimos artigos