Home Blog Indicadores fundamentalistas: entenda o que são e como analisá-los

Indicadores fundamentalistas: entenda o que são e como analisá-los

indicadores fundamentalistas

Quando falamos em investir em renda variável, é praticamente impossível não destacar o papel dos indicadores fundamentalistas como ferramenta de seleção de ativos.

Para quem pretende ter sucesso no longo prazo com seus investimentos, saber o que são os indicadores fundamentalistas, quais são os principais e como analisá-los conjuntamente, sem dúvidas, é um importante passo para o êxito.

O que são os indicadores fundamentalistas?

Os indicadores fundamentalistas são informações financeiras e competitivas das empresas listadas na bolsa de valores, que podem ser usados para analisar e comparar ações, decidindo a partir disso quais ativos são mais interessantes para a sua carteira de investimentos.

A título de entendimento, é necessário ressaltar o fato de que não existe apenas uma forma de analisar ações.

Não existe um indicador que sozinho seja o mais importante e possa ser usado de forma separada dos demais para provar que um ativo é mais qualificado do que outro.

Entretanto, conhecendo os principais indicadores fundamentalistas, entendendo o que cada um deles aponta e aprendendo a analisá-los de forma conjunta, o investidor terá em suas mãos importantes informações para o seu processo de formação de carteira.

Para otimizar o trabalho do investidor fundamentalista, é interessante dividir os indicadores em 2 grupos:

  • Indicadores financeiros;
  • Indicadores de mercado.

5 Indicadores financeiros mais importantes

Os indicadores financeiros mostram para os investidores as informações relativas à saúde financeira do negócio.

Uma empresa desequilibrada financeiramente, que possua grande dívida em relação ao seu patrimônio líquido, por exemplo, dificilmente terá um crescimento interessante para os investidores.

Por isso, para uma análise fundamentalista de ações, o investidor deve conhecer e entender o que demonstra os indicadores financeiros de uma empresa.

1. Margem bruta

A margem bruta mede a porcentagem da receita advinda da venda de produtos ou serviços que é convertida em lucro bruto.

O lucro bruto, por sua vez, é o que resta da receita retirando os custos de produção e as deduções, que são:

  • Imposto sobre o produto;
  • Devoluções de mercadorias;
  • Descontos incondicionais.

Esse indicador mostra de forma mais direta o quanto a empresa está ganhando imediatamente por cada R$1,00 vendido.

2. Margem EBITDA

A margem EBITDA ou LAJIDA (Lucros Antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização) representa o lucro das atividades operacionais da empresa, sem levar em consideração os tributos e pendências financeiras do negócio.

O EBITDA é a sigla em inglês equivalente a LAJIDA e é muito mais comum de ser encontrados em meios de informação sobre investimentos.

A informação da margem EBITDA é muito importante para demonstrar a lucratividade operacional da empresa.

3. Margem líquida

Assim como a margem bruta e a EBITDA, a margem líquida busca demonstra a lucratividade do negócio sobre determinada perspectiva.

A margem líquida mostra para o investidor o lucro líquido unitário da empresa, ou seja, o lucro por unidade vendida descontando todas as despesas, deduções, incluindo o imposto de renda.

A margem líquida é um indicador de investimento muito interessante para a análise de empresas de um mesmo segmento.

4. ROIC

O ROIC (Return on Invested Capital) é a sigla para demonstrar o retorno sobre capital investido em determinado negócio.

O ROIC mede o retorno sobre o capital total investido, portanto, leva em consideração o capital próprio e o capital de terceiros.

O resultado do ROIC é demonstrado em termos percentuais que apontam quanto o negócio consegue gerar de lucro líquido a partir dos investimentos totais.

5. ROE

O ROE (Return on Equity) demonstra a relação entre o lucro de uma empresa e o seu patrimônio líquido.

Portanto, ele mede a capacidade de gerar resultado da empresa a partir do seu patrimônio, que agrega os recursos aplicados pelos acionistas.

Quanto maior o ROE de uma empresa melhor, já que demonstra os resultados da empresa gerados apenas pelo próprio patrimônio líquido.

3 indicadores de mercado mais importantes

Os indicadores de mercado são essenciais para que o investidor encontre as melhores oportunidades disponíveis na bolsa, tendo em suas mãos eficientes ferramentas de comparação entre empresas de um mesmo segmento.

É importante ressaltar que para analisar ativos a partir destes indicadores, é necessário usa-los entre empresas que sejam comparáveis, ou seja, que apresentem semelhanças em alguns pontos, como:

  • Setor econômico de atuação;
  • Tamanho do negócio e número de funcionários;
  • Margens;
  • Público consumidor.

1. P/L

O indicador preço/lucro é a relação entre o preço que uma determinada ação está sendo negociada no momento e o lucro líquido anual por ação da empresa.

O resultado do P/L demonstra, em anos, quanto tempo se levaria para reobter o valor investido em ações de determinada empresa.

Além disso, demonstra quando o mercado está subvalorizando ou sobrevalorizando determinado ativo, o que é muito útil para identificação de boas oportunidades de compras e vendas por parte do investidor.

2. EV/EBTIDA

O indicador EV/EBTIDA mede a relação entre o valor da empresa sobre o seu EBTIDA que, como definido anteriormente, representa o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações.

O valor da empresa é representado no indicador pela sigla EV (enterprise value), e leva em consideração o valor de mercado (preço da ação da empresa multiplicado pelo total de ações) somado a dívida líquida do negócio.

Para empresas de um mesmo setor, quanto menor for o EV/EBTIDA mais atraente o ativo será para o consumidor.

De forma semelhante ao p/l, o indicador EV/EBTIDA demonstra, em anos, quanto tempo o negócio demoraria a recompensar o investimento baseando-se no lucro operacional da empresa.

3. Dividend Yield

O divided yield é um indicador que leva em consideração a relação entre os dividendos pagos para os acionistas e o preço das ações da empresa.

Esta é uma informação valiosa para investidores que estão buscando empresas que paguem bons dividendos.

Por fim, é importante lembrar que os indicadores fundamentalistas devem ser usados de forma conjunta, para que assim o investidor possa encontrar as opções no mercado que mais se encaixem com o seu perfil e necessidades financeiras.

Escrito por

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Compartilhe conosco suas experiências

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *