Home Blog Investidor iniciante: tudo o que você precisa saber!

Investidor iniciante: tudo o que você precisa saber!

investidor

O investidor que está entrando no mercado e entende pouco sobre o funcionamento das aplicações, seja na renda fixa ou na renda variável, pode se sentir assustado em muitos momentos.

Isso acontece porque, o investidor que não tem conhecimento sobre o universo dos investimentos, se sente pressionado e, muitas vezes, existe a sensação de estar perdendo uma “oportunidade única”.

Qual a diferença de poupar, economizar e investir?

Antes de começar a entrar no universo dos investimentos, é preciso entender a diferença entre poupar, economizar e investir. No final das contas, essa simples assimilação significará muito nas finanças.

  • Poupar: é ter educação financeira e guardar uma parte da renda. Seja para uma reserva de emergência, a realização de uma viagem e afins;
  • Economizar: significa não gastar dinheiro com coisas “desnecessárias” ou até mesmo, se limitar a comprar coisas de forma programada. Por exemplo, ir ao cinema no dia que a entrada custa menos;
  • Investir: significa gerar rendimento para o dinheiro. Assim, é possível aumentar as economias e “fazer o dinheiro trabalhar para você”.

Muitas pessoas se enganam pensando que estão investindo e na verdade estão poupando, vice-versa. Ter esse entendimento é importante para clarificar o que está sendo realizado com o patrimônio.

Especificamente no campo de investimentos, muitas pessoas são influenciadas a iniciarem sem ao menos ter uma base teórica. Essa atitude pode significar uma perda considerável de recursos financeiros e até mesmo, a falsa ideia de que “do dia para a noite ficará rico”.

É preciso ter a consciência de que, os investimentos são utilizados para facilitar o seu caminho para a riqueza, não são a fórmula mágica para se tornar milionário. E além disso, é necessário ter atitudes positivas e inteligentes para fazer com que as aplicações realmente sejam rentáveis, tanto na renda fixa, quanto na renda variável.

Ou seja, são pequenas coisas que se pensadas previamente, podem trazer bons resultados no desenvolvimento da sua carteira de investimentos e, além disso, fará perder o medo de investir.

Qual a diferença de renda fixa e renda variável?

Existem variadas possibilidades de investimentos e cada uma contempla o desejo de alcançar um objetivo específico. Por exemplo, sonhos de curto, médio ou longo prazo.

Para o investidor iniciante, esse é um dos principais tópicos a serem estudados. Já que, é preciso escolher como será montada a carteira de investimentos.

Renda fixa

A renda fixa é uma modalidade de investimentos que permite uma maior previsibilidade de quanto será o retorno daquele montante investido e além disso, é mais conservadora por conta da sua segurança.

Ou seja, para quem quer saber exatamente a rentabilidade, essa é uma opção viável. Mas, assim como é mais previsível, tende a render menos do que outras opções de investimentos. Em todo caso, ainda é uma escolha melhor do que a conhecida poupança.

Dentro da renda fixa podemos trazer alguns exemplos para investir:

  • CDB;
  • LCI e LCA;
  • Debêntures;
  • Títulos de dívidas públicas.

Renda variável

O oposto da renda fixa, a renda variável funciona exatamente como o nome entrega, com diversas oscilações. Essa modalidade de investimento possui menor previsibilidade, mas as suas chances de rentabilidade são superiores aos outros tipos de investimentos.

Essa opção é direcionada, principalmente, para quem tem uma parte do patrimônio em que “se topa perder”. Isto é, um dinheiro que não fará falta em um futuro próximo. Já que, a renda variável costuma ter o direcionamento para planos de médio e longo prazo.

O investidor iniciante precisa entender que o mercado de renda variável exige muito “pé no chão”, porque as suas variações podem ser drásticas. E quem começa a investir sem saber disso, pode acabar perdendo muito dinheiro.

A frase chave e que deve ser levada como um mantra para quem quer investir em ações, por exemplo, é a de que “Compre ao som de canhões e venda ao som de violinos”.

Essa frase é de Warren Buffet, um dos mais famosos investidores, e significa dizer que: quando o mercado está em baixa e os preços descem, é o melhor momento para comprar ações. E quando o mercado está em alta e os preços sobem, é o melhor momento para vender ações.

Por mais que seja óbvio, muitas pessoas se deixam levar pelos vieses do investidor e fazem exatamente o oposto. Causando grandes prejuízos financeiros. Algumas alternativas para investir em renda variável são:

Qual o momento certo para começar a investir?

Muitas pessoas que estão esperando para começar a investir, estão em busca do “momento ideal”. No entanto, o momento certo para começar é relativo. Cada pessoa possui o seu próprio ritmo, suas próprias necessidades e suas próprias disponibilidades financeiras.

Dessa forma, é necessário avaliar as suas próprias questões e não se deixar levar pelo “efeito manada”. O que está fazendo bem para os outros, não significa, necessariamente, que fará bem para você.

Analisando e executando pequenas coisas, como:

  • Educação financeira;
  • Criação de reserva de emergência;
  • Estudo sobre o mercado financeiro;
  • Prática.

Se torna muito mais provável começar a investir em um momento mais assertivo na sua realidade.

Por onde o investidor iniciante deve começar?

A situação de um investidor iniciante pode se dar em duas realidades: alguém com pouca disponibilidade financeira para começar a investir ou alguém que tenha grande disponibilidade financeira.

Imaginando que em ambas as situações o investidor não saiba onde alocar o seu dinheiro, saber por onde começar é uma dúvida comum.

Primeiro é preciso romper o mito do “preparo eterno”. Muitas pessoas estudam por anos antes de entrar no mercado financeiro e podem até saber sobre a teoria, mas não sabem nada na prática. E é difícil ter sucesso sem essas duas cartas na manga: conhecimento e prática.

Por isso, é importante treinar e executar. O investidor que tem pouca disponibilidade financeira e está começando, pode, por exemplo, investir a maior parte do seu patrimônio em renda fixa. Assim, existirá liquidez (facilidade para resgatar o dinheiro) e mesmo que o rendimento não seja grande, ainda assim, será superior ao rendimento da poupança.

Investir em renda variável ou renda fixa?

Uma outra dúvida que pode surgir é: se a renda variável rende mais do que a renda fixa, por que um investidor iniciante deveria alocar a maior parte do seu patrimônio no investimento que rende menos?

Como falado anteriormente, a renda variável rende mais, no entanto, possui mais riscos. Iniciar colocando toda a disponibilidade financeira nessa modalidade de investimentos, pode ser um “tiro no pé”.

O recomendado é que, o investidor faça pequenos aportes em ações, por exemplo, e assim, sinta como funciona o mercado. Essa simples atitude vai trazer mais segurança e mais vontade de conhecer o funcionamento da renda variável. Ou seja: mais conhecimento e mais prática, pode significar mais rentabilidade!

investidor precisa ser alguém dedicado, curioso e com inteligência de mercado. Todas essas três qualidades podem ser desenvolvidas, desde que sejam verdadeiramente desejadas. Assim, a iniciativa deve partir sempre de quem busca por crescimento financeiro.

Escrito por

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Compartilhe conosco suas experiências

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *