Home Blog Investir em ações: descubra como funciona!

Investir em ações: descubra como funciona!

investir em ações

Falar sobre investir em ações para algumas pessoas, é comparada a algumas das atividades mais arriscadas do mundo dos investimentos.

Mas, a verdade é que, investir em ações é um processo simples da renda variável e que pode trazer grandes resultados na rentabilidade.

O que é investir em ações?

Para investir em ações, antes de tudo, é preciso saber do que se tratam as ações.

Esse tipo de investimento é possível através da renda variável e, as ações, também são conhecidas como papéis. Esses papéis representam um título de propriedade em empresas que possuem capital aberto.

Assim, é possível se tornar um acionista da empresa escolhida através da negociação na bolsa de valores.

Portanto, através da disponibilização de compra de ações, a empresa consegue financiar as atividades da própria organização e aumenta o seu poder econômico.

Ou seja, aquela instituição se torna mais poderosa e ganha vantagem competitiva no mercado.

As ações são os melhores investimentos da renda variável?

investir-em-acoes

Talvez as comprar ações seja uma das modalidades mais conhecidas do mercado de renda variável, mas, não é a única possibilidade.

Quem quer aumentar as possibilidades de ganho, para além da renda fixa, pode aplicar, por exemplo em investimentos da renda variável, como:

  • Fundos de investimentos;
  • Imóveis;
  • ETFs.

Assim, cada uma dessas opções de investimentos é indicada para um tipo de perfil. Então, não existe uma melhor escolha.

No entanto, as opções de diversificação da carteira de investimentos e proteção de capital, funciona de forma significativa dentro do investimento em ações.

Como começar a investir em renda variável?

É preciso que o investidor entenda que não se deve investir focando apenas a rentabilidade. Claro, algumas opções de aplicação oferecem ganhos e condições melhores que as outras, mas, nem sempre são as melhores escolhas dentro da realidade de atuação.

Por exemplo, uma pessoa que não possui uma reserva de emergência e começa a investir em ações, pode ter complicações financeiras.

Isso se dá porque, o mercado de renda variável, como o próprio nome sugere, sofre oscilações, tanto para cima, quanto para baixo. Isso quer dizer que, aquelas ações podem se desvalorizar ou valorizar.

Assim, se alguém direciona todo o seu patrimônio para a renda variável e não possui nenhum capital para lidar com situações emergenciais, pode acabar se vendo obrigada a resgatar os investimentos em um momento inoportuno e, consequentemente, perdendo dinheiro.

Por isso, para investir em renda variável deve-se, primeiro:

  • Ter um planejamento financeiro;
  • Criar uma reserva de emergência;
  • Identificar o perfil de investimentos;
  • Buscar aumentar a renda para ter maior disponibilidade para aplicações;
  • Entender sobre os vieses do investidor.

Classificações das ações

No mercado de ações estão disponíveis algumas classificações associadas as ações, são elas:

  • Ordinárias (ON);
  • Preferenciais (PN);
  • Units.

Lembrando que as ações ordinárias, possuem o código “3” no final do ticker e as preferenciais, por sua vez, possuem o código 4.

Ações Ordinárias (ON)

De início, ressalta-se que as ações do tipo ON ofertam direito ao voto durante as assembleias empresariais.

Ou seja, para o investidor que possui a intenção de se tornar sócio ativo de uma companhia, recomenda-se que realizem a compra do maior número de ações possível.

Ações Preferenciais (PN)

No caso das ações do tipo preferenciais, elas oferecem preferência na distribuição de proventos. Ou seja, na distribuição de Juros sobre Capital Próprio (JCP) e dividendos.

Units

As Units são basicamente a junção das ações preferenciais e ordinárias. Isto é, quando o investidor adquire uma unit, ele compra tudo que ela abarca.

Além disso, é importante ressaltar que identificam-se as units pelo número 11 ao final do ticker.

O que é preciso para começar a investir?

Além do conhecimento prévio sobre os seus desejos financeiros e as disponibilidades financeiras, é preciso que haja a abertura em uma corretora de valores.

Existem algumas corretoras que atuam com taxa zero para operações, dessa forma, é possível comprar e vender ações sem pagar pelas operações.

O processo para abrir conta em uma corretora de valores é bastante simples, basta escolher a melhor corretora de valores para o seu perfil, nesse ponto, também é possível abrir uma conta em mais de uma corretora. Dessa forma, pode-se escolher entre a melhor experiência.

Assim, através da internet o futuro investidor pode solicitar a abertura de conta e fazer os procedimentos indicados pela própria corretora.

Lembra-se que: nenhuma corretora pede depósito para fazer a abertura da conta, a transferência de valores para começar a investir não é um quesito obrigatório para concluir o cadastro.

Como investir em ações?

Depois de saber todo o processo, entender o perfil de investimento e decidir quais são as ações que se deseja aplicar, o investidor precisa seguir os passos:

  • Acessar o site da corretora de valores;
  • Acessar o Home Broker;
  • Buscar a identificação do código da ação (referente a empresa que se deseja investir);
  • Identificar o valor e a quantidade de ações que se deseja comprar;
  • Colocar a assinatura eletrônica;
  • Finalizar operação.

A compra de ações acontece através de um “match”, por isso, é preciso ver por qual valor e quais as quantidades de ações que estão sendo oferecidas pelo Home Broker.

Por exemplo, se um investidor quer comprar ações da empresa X e, naquele momento, cada papel está sendo negociado pelo valor de R$10, é pouco provável que ele consiga comprar por um valor abaixo.

Dessa forma, é preciso entender qual é o melhor momento de compra e, de acordo com a oferta, realizar a sua demanda.

Se você quer comprar 5 ações que estão sendo vendidas a R$10, é possível ver se, naquele momento, existe algum investidor vendendo 5 ações por aquele mesmo valor.

Se houver, a “ordem” é liquidada e ocorre o investimento em ações.

Vale a pena investir em mais de uma ação?

Muitas pessoas que estão começando a investir em ações pensam que trazer o maior número de empresas para a carteira de investimentos é a atitude mais inteligente para crescer e proteger o capital. Mas isso não é completamente verdade.

Na realidade, ter uma quantidade mais enxuta e com uma boa composição (empresas de valor), tem uma performance melhor no longo prazo. Até porque, não basta comprar, precisa existir um certo acompanhamento do desenvolvimento daquelas ações.

Assim, não é indicado que se acompanhe todos os dias, mas a cada 3, 4 meses, pode ser um tempo melhor visto.

Então, pensar bem nas empresas que se quer investir e aplicar com regularidade é melhor do que ter várias ações, de várias empresas, com baixas aplicações.

  • Estudar sobre a empresa;
  • Entender as suas chances de desenvolvimento;
  • Compreender as oscilações.

São etapas essenciais para ter uma melhor autonomia ao investir em ações. Por isso, conhecimento é a base de uma boa carteira de investimentos.

O que são ações?

Como comprar ações?

As ações são compradas por meio dos tickers que consiste em um código seguido por uma numeração.

Quais os tipos de ações disponíveis na bolsa?

Existem dois tipos de ações disponíveis na bolsa de valores, sendo elas: as ordinárias (ON) e as preferenciais (PN).

Escrito por

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Compartilhe conosco suas experiências

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *