Home Blog MGLU3: vale a pena investir na Magazine Luiza?

MGLU3: vale a pena investir na Magazine Luiza?

ações magazine luiza mglu3

A Magazine Luiza (MGLU3) é uma empresa de varejo que atua com lojas físicas e no e-commerce. Além disso, ela é considerada uma das Small Caps mais valiosas do Brasil.

Os papéis da Magazine Luiza (MGLU3) estão disponíveis na bolsa de valores, com participação do IBOV. Sendo assim, pode ser uma empresa que desperte o interesse de quem vê no setor varejista uma boa oportunidade de investimentos.

O que é a Magazine Luiza (MGLU3)?

No setor varejista, a Magazine Luiza S.A se destaca com um marketplace que reúne mais de 8 mil vendedores. A empresa também possui as marcas Netshoes, Zattini e Shoestock.

A empresa surgiu em 1957, realizando sua Oferta Pública Inicial (IPO) em 2011. É possível comprar e vender ações da empresa através do ticker MGLU3. Além disso, a Magazine tem mais de 674.275.876 bilhões de ações em circulação, sendo 41% destas em free float.

Além da Magalu, outras empresas integram o setor de varejo, como a B2W (BTOW3) e Via Varejo (VVAR3):

  1. B2W: empresa de comércio eletrônico negociada na B3 e criada no final de 2006 pela fusão entre Submarino, Shoptime, Americanas.com;
  2. Via Varejo: holding de comércio varejista brasileira negociada na B3 e responsável pelas redes de lojas Casas Bahia e Pontofrio, além das suas respectivas lojas virtuais.

Sendo assim, por conta da relevância da Magazine Luiza para o mercado financeiro e a B3, é importante entender sua história, atuação e modelo de negócio. Dessa forma, então, os investidores poderão tomar decisões de investimento bem fundamentadas.

O que faz a Magazine Luiza (MGLU3)?

Em primeiro lugar, a atividade principal da Magazine Luiza é o varejo de eletrônicos, móveis e eletrodomésticos. Sendo assim, sua comercialização acontece através de seus mais de 1000 pontos físicos e pelo seu vasto marketplace, com mais de 8 mil sellers, por exemplo.

Além disso, os principais produtos vendidos pela Magalu são:

  • Eletrodomésticos;
  • Eletroeletrônicos;
  • Móveis.

Ainda, a companhia busca diversificar cada vez mais seus segmentos de atuação. Devido a isso, também possui serviços financeiros, ‘como:

  • LuizaSeg;
  • Consórcio Luiza;
  • Cartão Luiza (Cartão de Crédito);
  • Luizacred.

Por último, além de expandir suas operações, a empresa cria melhores condições para a compra de seus próprios produtos.

Como atua a Magazine Luiza (MGLU3)?

O modelo de distribuição da Magazine Luiza é bastante eficaz. Portanto, a empresa conta com diversos centros que garantem uma rápida entrega aos consumidores e uma ampla participação de mercado.

A Magazine Luiza atua enquanto as maiores varejistas do Brasil,  com cerca de 900 lojas físicas no País e um vasto e-commerce.

Além disso, as vendas online da empresa são responsáveis por um dos maiores canais de marketplace do País, com milhões de acessos diários e uma forte estratégia de expansão também no ambiente virtual. Por último, com a compra da Netshoes, a companhia também comercializa roupas, calçados e itens esportivos.

Ações da Magazine Luiza (MGLU3): onde e como são negociadas?

Em primeiro lugar, vale ressaltar que o ticker da Magazine Luiza é negociado na bolsa de valores brasileira. A empresa possui ações ordinárias (MGLU3 ON), que são papéis que dão direito a voto durante assembleias empresariais.

Para comprar ações da Magazine Luiza (MGLU3 ações), então, basta baixar o aplicativo de sua corretora favorita, que precisa ser credenciada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e abrir uma conta de investimento.

Nela, você irá acessar o home broker de corretoras de valores no ambiente digital. Em seguida, você deverá fazer uma transferência TED do valor que deseja aplicar e escolher as ações da Magazine Luiza representadas pelo ticker MGLU4.

Características das ações da Magazine Luiza (MGLU3)

Considerada uma Small Cap, a Magazine Luiza tem como sócio majoritário Ltd Administração E Participações S.A, possuindo mais de 53% das ações. Além disso, a empresa faz parte do Índice Bovespa (IBOV).

A classificação setorial da Magazine Luiza, segundo o site da B3, é: Consumo Cíclico / Comércio/ Eletrodomésticos. Já o segmento de listagem da Magazine Luiza é o Novo Mercado, destinado à empresas que possuem boas práticas de governança corporativa. Por fim, os papéis da empresa oferecem Tag Along de 100% ON, além de um Free Float de 41%.

História da Magazine Luiza 

Em primeiro lugar, a Magazine Luiza surgiu no ano de 1957, em Franca, interior de São Paulo, por Luiza Trajano Donato e Pelegrino José Donato. A empresa começou sua história com a compra de uma loja de presentes, que foi renomeada após um concurso promovido pela Luiza em uma rádio local.

Nos seus primeiros anos, a Magazine Luiza se notabilizou pelo atendimento feito pelos próprios donos, além da supervisão e pesquisa de mercado.

Até 1976, a empresa expandiu suas operações para mais cidades do interior de São Paulo e adquiriu as Lojas Mercantil, por exemplo. Com 20 anos após sua fundação, a companhia já possuía 30 lojas e diversos familiares presentes no negócio.

Luiza Helena Trajano, sobrinha da fundadora, entrou para a empresa com 18 anos e, após passar por todos os departamentos, assumiu a companhia em 1991. Foi ela, então, quem criou uma das estratégias de marketing mais famosas da loja, a Liquidação Fantástica.

Além disso, esse modelo foi copiado por diversos outros varejos brasileiros e mobilizou muitos consumidores, algo que popularizou ainda mais a empresa.

Em 1996, a empresa inaugurou sua primeira loja virtual e se expandiu ainda mais, chegando no Paraná e no Mato Grosso do Sul. Já em 2001, a companhia lançou o Luizacred em parceria com o Itaú Unibanco.

Nos anos seguintes, a Magazine Luiza fez diversas aquisições no mercado e chegou a inaugurar 46 lojas no mesmo dia na cidade de São Paulo, em 2008. Além disso, a empresa manteve o lucro líquido sempre em crescimento.

Abertura de capital na B3

No entanto, foi em 2011 que a Magalu abriu o capital na bolsa de valores brasileira, então BM&FBovespa. Durante os últimos anos, a empresa já possuía centros integrados, com entregas mais rápidas e baratas. No entanto, foi em 2015 que a companhia lançou o seu novo aplicativo, que deu início à sua transformação digital.

Esse fenômeno foi ainda mais expressivo com a presidência de Frederico Trajano, em 2016, que registrou recordes de venda e de lucro, causando uma alta valorização das ações da Magazine Luiza.

Em 2019, a companhia anunciou a compra da Netshoes, um dos maiores varejistas digitais até então. Já no ano seguinte, em 2020, em meio à crise do coronavírus, a empresa reduziu a jornada de seus trabalhadores e lançou a plataforma Parceiro Magalu, com a intenção de ajudar pequenas empresas a vender pela internet.

Linha do tempo da Magazine Luiza 

  • 1957 – Inauguração da primeira loja em Franca, interior de São Paulo;
  • 1976 – Compra das Lojas Mercantil e expansão das atividades para mais cidades do interior de São Paulo;
  • 1991 – Luiza Helena Trajano assume o comando;
  • 1992 – Primeiras lojas virtuais são lançadas;
  • 1994 – Lançamento das campanhas “Liquidação Fantástica” e “Só Amanhã”;
  • 1996 – Expansão para o Paraná e Mato Grosso do Sul;
  • 2000 – Site de comércio eletrônico da rede é lançado;
  • 2001 – Criação do Luizacred, cartão da loja em parceria com o Itaú Unibanco;
  • 2003 – Aquisição da rede Lojas Líder, de Campinas;
  • 2005 – Lançamento do Luizaseg e compra das redes Base, Kilar e Madol;
  • 2005 – Criação da TV Luiza, Rádio Luiz e Portal Luiza;
  • 2008 – Inauguração de 46 lojas no mesmo dia em São Paulo, alcançando 1 milhão de novos clientes;
  • 2011 – Abertura de capital na bolsa de valores e negociações da MGLU3; Compra do Baú da Felicidade;
  • 2012 – Lançamento do Chip Luiza, que dá acesso gratuito às redes sociais aos clientes de baixa renda;
  • 2014 – Inauguração de centros integrados de distribuição, oferecendo entregas mais rápidas e baratas;
  • 2015 – Lançamento do novo aplicativo Magazine Luiza e implantação do Mobile Vendas em 180 lojas;
  • 2016 – Frederico Trajano assume a presidência e registra recordes de venda e lucro, com grande valorização nas ações;
  • 2019 – Compra da Netshoes por US$62 milhões, ou US$2 por ação, que um dia antes fecharam a US$2,65 na bolsa de Nova York;
  • 2020 – Compra da Estante Virtual por R$31 milhões e captação de R$800 milhões com o lançamento de debêntures.
  • 2020 – Por fim, lançamento da plataforma digital Parceiro Magalu, voltada a micro e pequenas empresas e autônomos, oferecendo a possibilidade de venda sem sair de casa durante a crise do novo Coronavírus.

Como ganhar dinheiro com as ações da Magazine Luiza (MGLU3)?

Existem diversas formas de ganhar dinheiro com ações na Bolsa de Valores e com as ações da Magazine Luiza (MGLU3). Sendo assim, uma das formas que o investidor pode incluir é, por exemplo, o pagamento de dividendos. Isso é possível porque a empresa possui em seu histórico um pagamento recorrente de proventos.

Além disso, o investidor pode adquirir capital com a venda de suas ações por um valor mais alto que o adquirido de início. No entanto, é importante se atentar a alguns fatores que podem afetar direto na conquista de seus objetivos financeiros.

Por essa razão, o investidor pode considerar diversificar da sua carteira de ativos, criando uma carteira que tenha renda fixa e renda variável.

Dessa forma, é importante realizar a análise da liquidez, rentabilidade e segurança, antes da aquisição. Por fim, a partir do perfil do investidor de longo prazo e suas metas financeiros, ter uma boa rentabilidade poderá ser uma opção mais viável quando comparado a busca por uma alta liquidez, por exemplo.

Vale a pena investir na Magazine Luiza (MGLU3)?

A Magazine Luiza é uma das maiores redes de varejo do Brasil. Além disso, é responsável por um dos maiores e-commerces do País e um excelente histórico de crescimento.

Sendo assim, ela pode representar uma opção de exposição ao setor de consumo e varejo. Junto a isso, a empresa apresenta um bom pagamento de dividendos durante os anos, o que pode atrair quem usa esse critério para escolher uma empresa.

No entanto, a empresa não só atua em um segmento cíclico, o que a torna sensível aos ciclos econômicos, como está dentro de um setor com forte concorrência e inovação.

Portanto, antes de tomar sua decisão de investimento na Magazine Luiza (MGLU3), é importante, fazer uma análise fundamentalista da empresa para descobrir se suas ações estão sendo negociadas por um preço vantajoso.

Qual é o tag along das ações da MGLU3?

A Magazine Luiza tem um Tag Along de 100% ON.

A MGLU3 participa do Ibovespa?

A empresa participa do Índice Bovespa (IBOV), com 3,21%.

Quais são os concorrentes da MGLU3?

Alguns dos concorrentes da Magazine Luiza são, por exemplo, a Via Varejo e a B2W.

Escrito por

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Compartilhe conosco suas experiências

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *