Moeda corrente: entenda sua funcionalidade

moeda corrente 1

Os indivíduos que lidam com a economia de um país estão ligados diretamente a moeda corrente. Além disso, o papel-moeda é responsável por transações monetárias, devido ao dinheiro ser o meio de troca mais utilizado no mundo.

Sendo assim, cada país possui uma nomenclatura própria para a moeda corrente de seu território. Libra, euro, dólar, real são exemplos conhecidos.

O que é a moeda corrente?

A Moeda corrente pode ser definida como o dinheiro utilizado em um território. Ou seja, é o tipo de dinheiro que vale dentro de um país.

Por cada um deles utilizarem nomenclaturas diferentes, então, a moeda adotada no Brasil não vale o mesmo quantitativo da moeda utilizada nos Estados Unidos.

No entanto, existem exceções, pois alguns países que fazem parte da União Europeia podem utilizar a mesma moeda. Lá, o Euro é a moeda corrente que circula em diversos territórios.

Por isso, é permitido também que um país consiga comercializar mais de um tipo de moeda, porém, isso pode gerar uma desestabilização no comércio.

Função da moeda corrente como instrumento econômico

A moeda serve para calcular o valor relativo de algum serviço ou riqueza. Esse ativo é utilizado tanto para resolver dívidas, quanto para realização imediata da compra de bens de consumo.

No entanto, existem diversas definições para esse ativo financeiro:

  • Moeda bancária ou estrutural (admitem-se em circulação);
  • Moeda corrente (que circula em todo território nacional);
  • Peça metálica;
  • Dinheiro que constitui notas (geralmente as de maior valor em papel);
  • Tudo que pode ser aceito em troca de bens e serviços.

Geralmente, emite-se o dinheiro de um país que o governo controla. Este, é o único órgão no qual detém o poder de controlar seu valor unitário.

No entanto, por fatores econômicos, a moeda corrente precisou ter seu sentido ampliado. Então, alguns títulos foram criados para agregar o mesmo valor monetário que a peça física possui.

  • M1: papel-moeda e moedas em circulação e de poder público;
  • M2 + M1 fundos mútuos do mercado monetário, contas de depósito no mercado monetário, depósitos de poupança e depósitos a prazo de menor valor;
  • M3 + M2 fundos mútuos do mercado monetário (pessoas jurídicas) + depósitos a prazo de grande valor + acordos de recompra + eurodólares;
  • M4: abrange o M1, o M2 e o M3, mais os títulos públicos para captação de recursos através de Letras do Tesouro Nacional, câmbio e depósitos a prazo.

Qual é a moeda corrente nacional do Brasil?

A moeda corrente do Brasil é o real, no entanto, essa moeda circula no mercado financeiro a pouco tempo. Ela só existe em território brasileiro há 26 anos.

Mas, antes disso, utilizaram-se outras moedas como o “cruzeiro” na tentativa de controlar o mercado. Porém, acabaram por ocasionar uma hiperinflação, que é quando a economia de um país eleva-se a um aumento de preços agressivo. Dessa forma, a taxa de inflação já não pode mais controlar a situação.

Então, a moeda corrente com a nomenclatura de “real” surge na tentativa de controlar a hiperinflação.

História da moeda brasileira 

As primeiras cédulas brasileiras surgiram no período do real império, entre os anos de 1822 a 1888, dado isso, baseiam-se no sistema monetário português.

Além disso, conhecia-se a moeda da época como réis. 

Entretanto, a partir da Proclamação da República, a moeda manteve-se como o real, por meio da produção de novas cédulas. Visto que, mil réis era a denominação da moeda, ou seja, significando que ela valia mil referente aos antigos réis do império.

Já no ano de 1942, criou-se o cruzeiro com o objetivo de substituir o mil réis, que durante a época surgiam confusões devido aos milésimos. 

Além do mais, o cruzeiro realizou a instituição da moeda com centavos, tornando as transações mais fáceis. 

Assim, um cruzeiro ficou equivalente a mil réis. 

No ano de 1967, surge o cruzeiro novo no qual utilizava cédulas iguais as do cruzeiro, entretanto, possuíam um carimbo para mostrar o novo valor. 

Década de 70

Após três anos, especificamente, em 1970. A moeda voltou a se denominar cruzeiro, com novas cédulas. 

Apesar disso, o valor não sofreu alterações em relação ao novo cruzeiro.

Entretanto, com o passar do tempo a moeda sofreu uma desvalorização e cédulas de valor mais alto surgiram. 

Entre os anos de 1986 a 1989 o padrão das cédulas mantiveram-se os mesmos na transição, porém a moeda da época perdeu três zeros, passando a valer 1 cruzado. 

Assim, no início do período da mudança, carimbaram-se as cédulas antigas de cruzeiro com o valor referente aos cruzados. 

Dessa forma, em 1989, o cruzado novo surge para substituir o cruzado, durante a segunda reforma monetária do governo do presidente Sarney. 

No ano de 1990, a moeda recebeu o nome de cruzeiro pela terceira vez, entretanto, manteve o valor do antecessor, o cruzado novo. 

Durante o ano de 1993 foi instituído o cruzeiro real. 

E, no ano seguinte, criou-se a moeda utilizada até os dias atuais, o real. As cédulas apresentavam animais da fauna brasileira e a efígie da república. 

Moeda corrente de outras nacionalidades

Assim como o real, o dólar e a libra são moedas correntes de países estrangeiros. Confira como elas funcionam:

  • Libra: está é a moeda corrente oficial do Reino Unido. Além disso, considera-se a moeda mais antiga do mundo. Devido à flexibilidade de sua taxa de câmbio, negocia-se por quem vende e compra sem tantas burocracias.
  • Dólar: O dólar americano é a moeda oficial dos Estados Unidos, no entanto, está disponível também em outros países. Supervisiona-se sua emissão pela Reserva Federal dos Estados Unidos. Considera-se a moeda mais desejada do mundo.

Levando em consideração o sistema econômico e monetário, a moeda corrente é um importante meio para realização de transações econômicas dentro e fora de um país.

Quais as moedas correntes existentes?

Libra, euro, dólar e real são algumas das mais conhecidas.

Qual é a moeda corrente do Brasil?

A moeda corrente do Brasil é o real.

Quando surgiu o real?

O real surgiu em 1994.

 

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos