Organização financeira: por onde começar?

organizacao financeira

Manter a estabilidade e alcançar a organização financeira se tornou uma meta para muitos brasileiros, principalmente em momentos de crise e incertezas.

Mas o processo de organização financeira pode parecer bem confuso para quem está começando e pensando nisso, separamos algumas dicas que podem te ajudar a passar por isso da maneira mais simples possível.

Por isso, é importante entender o que significa estar organizado financeiramente e os benefícios. Ao falar de organização financeira, é comum se referir à capacidade de um indivíduo de manter o controle sobre o seu dinheiro dentro do seu ciclo salarial e, consequentemente, também a longo prazo.

As vantagens de se organizar financeiramente vão muito além da satisfação de fechar o mês com dinheiro na sua conta bancária. Quem possui uma organização financeira consegue enxergar com clareza seu orçamento mensal e se planejar para poupar dinheiro ou realizar sonhos de médio e longo prazo.

Saiba quanto você ganha e quanto você gasta.

É muito comum que as pessoas não saibam exatamente o que elas ganham. Por isso, recomenda-se parar para avaliar com calma qual exatamente é a sua renda mensal. É importante que as pessoas parem para entender quais são os gastos fixos, quanto é necessário para viver e pagar contas básicas como contas residenciais, aluguel, mercado e etc.

Dessa forma, é possível entender exatamente quanto custa o seu custo de vida e quais são os seus gastos essenciais.

Anote os seus gastos

Se você não sabe por onde começar, comece anotando todos os seus gastos, desde grandes valores, como compras e mercados, até pequenos gastos como compras em lanchonetes e outros valores. O importante é ter consciência de tudo que você tem gastado, essa é a maneira mais fácil de perceber para onde o teu dinheiro tem ido.

Defina suas prioridades

Agora que você já sabe o quanto ganha e quanto gasta, é hora de definir suas prioridades financeiras, a curto, médio e longo prazo.

Entenda nesse momento quais são as categorias que você deseja gastar mais, quais quer reduzir e quanto quer economizar, sempre faça planos e tome decisões olhando para elas. Assim, você conseguirá alcançar suas metas com mais facilidade.

Gaste menos do que você ganha

Você até pode pensar que isso é óbvio, mas é um erro muito comum. As pessoas não sabem quanto ganham e, consequentemente, não sabem quanto gastam.

Por isso, ter consciência dos seus gastos é importante. Sempre gaste menos do que você ganha e se possível, anote esses gastos.

Crie uma reserva de emergência

A reserva de emergência é muito mais do que só um dinheiro para as horas de desespero, ela pode ser mais uma maneira para que você tenha segurança, caso o orçamento saia do controle em algum mês e com ela, você foge de crédito com juros absurdos.

Montar sua reserva de emergência não precisa ser um processo complicado, o primeiro passo é entender como sua saúde financeira do momento está e qual a porcentagem da sua renda você vai conseguir poupar. O ideal é poupar pelo menos 15% de todo valor, mas se você não conseguir poupar essa quantidade, guarde o quanto você puder.

O importante, no começo, é poupar.

Sempre que possível, pague à vista.

Evitar parcelamentos pode ser a chave para um orçamento mais organizado. Se você tem dinheiro, você compra e se não tem, a resposta é: faz sentido comprometer sua renda nos próximos meses com um parcelamento?

Além disso, tenha sempre em mente aquelas perguntinhas para uma compra mais consciente:

  • Essa compra realmente faz sentido?
  • Eu realmente preciso desse item?
  • Será que eu estou comprando isso por impulso?
  • Esse dinheiro vai me fazer falta depois?
  • Eu tenho dinheiro?

Evite cartão de crédito.

O cartão de crédito pode ser um grande aliado ou um grande vilão, e por isso, se você ainda não se sente confortável para usar o cartão de maneira consciente, evite. Principalmente se você parcelar suas compras e pagar o mínimo da fatura. Já que os juros rotativos do cartão de crédito são um dos mais altos do mercado.

A melhor saída, é deixar o cartão para momentos específicos e sempre que possível, passar “à vista”.

Poupe parte da sua renda e invista esse dinheiro.

Além de poupar para sua reserva de emergência, você deve poupar dinheiro para suas metas e planos a curto, médio e longo prazo. Esse dinheiro vai te ajudar a conquistar desejos sem que você fique em dívidas por conta disso.

Lembre-se, o valor a ser poupado vai depender da sua disponibilidade e do tempo que você deseja levar para realizar a possível meta.

Tenha metas a curto e longo prazo.

Tenha metas, isso vai te ajudar a ter um caminho a trilhar com o seu dinheiro. Dessa maneira, você poderá guardar seu dinheiro com mais propósito o que te ajudará a manter uma consistência maior.

O processo de organização financeira pode não ser linear, mas não precisa ser uma grande dor de cabeça. Principalmente em momentos como esse. Lembre-se, não existe hora certa, o importante é começar.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos