Ouro: confira se vale a pena investir

ouro 1

Diversas pessoas optam por investir em ouro com o intuito de obter um retorno financeiro a longo prazo, pois esse metal tende a valorizar seu valor conforme o passar do tempo.

Diante disso, ressalta-se que há mais de 15 anos o ouro está em alta no mercado financeiro. Assim, especialistas consideram como uma das modalidades de investimento que se tornou mais rentável nos últimos anos. Por isso, pode ser considerado um dos ativos financeiros com menor margem de riscos para quem deseja investir.

Por ser um recurso financeiro mundial, o ouro é considerado um ativo que, em tempos de crise e instabilidade financeira, pode ser expressivamente rentável, para se ter na carteira. Pois, ele tende a ser uma garantia contra a desvalorização que ativos podem sofrer com a instabilidade econômica.

O que é o investimento em ouro?

O investimento em ouro, geralmente, recomenda-se a investidores que possuem a intenção de diversificar a carteira de ativos. 

Dessa forma, devido a sua reserva de valor, o investimento em ouro é recorrentemente procurado em situações de crise econômica e alta inflação. 

Portanto, para o investidor realizar aplicações existem dois acessos, sendo eles:

  1. Realizar a compra de barras de ouro na forma física;
  2. Adquirir títulos atrelados à variante do valor do ouro.

Entretanto, ainda é válido ressaltar que quando o investidor decide investir, está sujeito a diversas oscilações do mercado.

Como funciona o investimento em ouro?

Quem deseja iniciar aplicações nesse tipo de investimento deve compreender que existem diferentes modos de investir neste ativo, tanto diretamente, quanto indiretamente.

Porém, os tipos de investimentos mais comuns são: contratos futuros, fundos de investimentos e ouro em barras.

Dessa maneira, assim como outros tipos de investimentos, o ouro possui um código de negociação, que na B3 (Bolsa de Valores brasileira) é OZ1D.

Características do investimento

Devido a esse tipo de aplicação ser um recurso natural finito, o valor da aplicação não está sujeita a intervenções econômicas do governo.

Sendo assim, a cotação é estável, funcionando como uma garantia de não inflação. 

Dessa forma, quando o investidor realiza aplicações não recomenda-se apostar em uma alta valorização durante períodos curtos de tempo. 

Ressaltando que o potencial de valorização se dá, geralmente, a longo prazo. 

Diante disso, esse tipo de investimento torna-se uma maneira de proteção e garantia contra a desvalorização, principalmente, durante os períodos de crise financeira e inflação. 

Além disso, outras características influenciam no valor de negociação do ouro. Dentre a principal, está o preço do dólar, dado que no mercado financeiro o valor do ouro é cotado através do dólar.

Diferentes tipos de investimento em ouro

Dentre os tipos de investimento nessa aplicação, estão:

  • Ouro físico em barras: para investir nesta modalidade é necessário que o investidor procure por uma instituição financeira que comercialize o produto. Logo em seguida, é necessário realizar um cadastro e comprovar renda em compras acima de R$ 10.000,00.

Também será necessário buscar um banco custodiante, pois este será o responsável por deter o ouro do investidor. Porém, uma mensalidade terá que ser paga sobre o volume financeiro que é mantido. Os custos variam de 0,07 a 0,015.

No entanto, existe a opção de comprar esse metal diretamente de uma distribuidora e guarda-lo em casa. Mas ainda assim, a distribuidora cobrará cerca de 1% sobre o valor negociado.

Porém, ressalta-se que ao optar por guardar o ativo em casa os riscos são maiores, pois não terá a mesma proteção que as financeiras de custódia costumam oferecer.

  • Fundo de investimento em ouro: geralmente, está costuma ser a forma mais prática de se investir, principalmente, no Brasil.

Por ser mais acessível para a maioria dos investidores, ao investir em fundos não se faz necessário comprar o ouro. Pois, o investidor deve terceirizar e obter um gestor profissional para gerir o fundo que pode ser: passivo, quando há compra de ouro e ele sofre variações no preço, ou ativo, no qual é feita a compra e venda em decorrência do momento que o mercado financeiro se encontra. Assim, é possível conseguir margens de lucro maior.

  • Contrato Futuro na Bolsa de Valores: é preciso buscar uma corretora ou banco que seja cadastrado na BM&F Bovespa. Então, poderá negociar contratos fracionários nos quais vão de 0,225 g a 10 g, ou 250 g que costuma ser o lote padrão para contratos cheios em ouro.

Quais os riscos ao investir em ouro?

Como qualquer outra aplicação de renda variável existe riscos em investir em ouro. Pois, o valor seu valor é inconstante, ou seja, por causa de sua liquidez, exibe volatilidade do mercado secundário.

Porém, existem outros fatores que podem afetar a cotação desse ativo:

  • Como é um metal, fatores naturais podem afetar sua extração;
  • Fluxo de importação e exportação entre países;
  • Política monetária de vários países.

Então, estes são alguns fatores que podem por em risco investimentos nesse tipo de aplicação, mesmo que dados indiquem sua valorização nos últimos anos.

Vantagens e desvantagens de investir em ouro

Como esta é uma forma de investimento de renda variável existem vantagens e desvantagens em iniciar aplicações nessa categoria de investimento.

Desvantagens

  • Preço inconstante;
  • Não oferece crescimento exponencial;
  • Se afeta a cotação devido a eventos macroeconômicos nos quais o investidor não pode controlar;
  • Seu preço cai com o otimismo do mercado financeiro em ativos que possam gerar renda.

Vantagens

  • É considerado uma reserva de valor a longo prazo;
  • Seu preço pode subir com crises financeiras;
  • Esse investimento pode ser uma forma de proteger o patrimônio da oscilação do mercado.

Portanto, antes de investir, existem vários fatores que devem ser analisados pelo investidor. Mas, se aplicado corretamente, se pode obter bons rendimentos.

Vale a pena investir em ouro?

De início, é importante analisar que considera-se essa forma de aplicação o “porto seguro” do mercado financeiro. 

Visto que, refere-se a um ativo físico que, geralmente, lastreia a reserva monetária de diversos países. Além disso, possui sua demanda e valor garantidos. 

Dessa forma, diversos investidores utilizam esse tipo de aplicação como maneira de proteger a carteira de oscilações que decorrem do mercado. Ressaltando que o ouro é um investimento recomendado para o longo prazo.

Lembrando que nos últimos anos o ouro demonstrou valorizações expressivas. Por isso, entender se vale a pena ou não investir dependerá do perfil do investidor e seus objetivos. 

Quais as vantagens de investir em ouro?

Dentre as principais vantagens de se investir em ouro ressalta-se a possibilidade de proteção de patrimônio frente às oscilações do mercado. Além de tendência de subida de preços durante crises financeiras.

Existem riscos ao investir em ouro?

Sim, fatores naturais que possam afetar a extração do metal, política monetária de países e fluxo de importação e exportação.

Quais os tipos de investimento em ouro?

Ouro físico em barra, fundo de investimento em ouro e contrato futuro na bolsa de valores.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos