Home Blog Pagamento recorrente: vantagens e desvantagens sobre esse método

Pagamento recorrente: vantagens e desvantagens sobre esse método

pagamento recorrente

Muitos serviços de streaming de vídeos e músicas utilizam da cobrança recorrente para consolidar seus negócios.

A cobrança recorrente funciona a partir de um contrato de vínculo temporário ou duradouro entre um prestador e um cliente. Em virtude disso, o prestador (vendedor) tende a ganhar com a recorrência de pagamento e tempo de serviço, não por um valor unitário.

O que é pagamento recorrente?

O pagamento recorrente ou cobrança recorrente é uma modalidade de pagamento que visa angariar volumes monetários de forma periódica.

Geralmente, o contrato de recorrência é realizado durante um período fixo, por exemplo:

  • Ao mês;
  • Durante um trimestre;
  • Anualmente e/ou por mais de um ano.

Exemplos de pagamento recorrente

pagamento recorrente 2

Grandes empresas do mercado, em especial as streaming’s de conteúdo, apresentam fortes produtos e com cobrança recorrente, são eles:

  • Spotify – streaming de música com planos diferenciados de individual até família;
  • Netflix – streaming de  filmes e séries de televisão, precursor da categoria streaming;
  • Amazon – serviço de frete e varejo, mas também apresenta streaming de vídeos e jogos.

E isso não é exclusividade dos maiores do mercado, é muito comum também empresas que se envolvem com:

  • Planos de telefonia;
  • Academias;
  • Planos de saúde.

Qual a vantagem do pagamento recorrente?

Diante alguns avanços no campo do marketing e das vendas, alguns produtos ganham maior notoriedade pela propagação, algumas vezes pelo acesso freemium e posteriormente um pagamento recorrente.

Para empresas, essa é uma boa maneira de conquistar clientes que pagão mensalmente (ou periodicamente ao menos), por a solução apresentada.

Isso aumenta a segurança, pois as empresas podem contar com aquele dinheiro no final do mês e pode usar desses retornos para pagar os custos fixos.

Qual a desvantagem do modelo de recorrência?

O modelo de recorrência, muito comum em clubes de assinatura e outros negócios que atuam com o pagamento recorrente, apresenta um grande problema logo em seu desenvolvimento.

Por isso, é preciso seduzir pessoas, mas mais que isso, é preciso que elas criem um vínculo com o seu produto, caso contrário ele não vai engatar bem.

Será necessário, criar um produto sólido que apresente valor para o cliente e que ele não seja extinguido em pouco tempo, caso contrário o comprador não terá motivos para continuar.

Portanto, a maior desvantagem do pagamento recorrente é, portanto, a manutenção do cliente, se você não apresenta vantagens reais para que ele continue.

Imagine o seguinte, se o seu produto não estabelece uma relação em que alguma das partes é dependente, infelizmente, ele tenderá ao insucesso.

Sou cliente, quais cuidados devo ter?

Existe um grande número de pessoas endividadas no Brasil, algumas até superendividadas.

Diante esse viés, a cobrança recorrente pode ser um perigo para alguns consumidores, especialmente se for uma “cobrança insignificante“.

Um exemplo clássico: algumas pessoas desconhecem que toda instituição bancária tem que, por obrigação, permitir a criação de uma conta gratuita com serviços essenciais.

Porém, a realidade é que muitos bancos gostam de cobrar de forma recorrente.

Nem que seja valores pequenos, até para o público universitário, por exemplo, que geralmente não apresenta uma condição financeira elevada e, ainda assim, contraí gastos atoa com esse tipo de cobrança.

O veredito sobre a recorrência

Por fim, se você é um consumidor, deve ficar atento com os gastos desnecessários e a recorrência.

Já na visão das empresas, o pagamento recorrente pode ser uma ótima estratégia de vendas para servir de porta de entrada para consumo de outros produtos de ticket mais alto, a depender do volume poderá servir até como modelo de negócio em si.

Escrito por

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Compartilhe conosco suas experiências

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *