Prescrição de cheque: entenda essa validade!

prescricao de cheque

Assim como em qualquer outro tipo de crédito, também ocorre a prescrição de cheque. Isso significa que, a partir de um certo tempo, ele perde sua validade jurídica, mas antes disso é possível protestar o cheque.

Por isso, é preciso entender como a prescrição de cheque funciona para evitar problemas jurídicos no futuro.

Além de regularizar os depósitos, a prescrição de cheque serve para evitar que ele seja usado indevidamente.

Com um prazo de validade mais curto, fica mais difícil a circulação do cheque como um tipo de moeda financeira.

O que é o cheque?

prescricao-de-cheque-2

Segundo a Lei do Cheque, ele é definido como um título de crédito.

Isso significa que ele é usado como um tipo de contrato de pagamento que dá ao portador o direito de receber a quantia nele indicada.

Como funciona o pagamento por cheque?

As compras com cheque já foram bastante populares no Brasil. Elas podem ser à vista ou a prazo, no caso do cheque pré-datado.

Para receber o valor constado no cheque, o portador deve ir até a agência do emissor ou depositá-lo em sua conta corrente.

Caso não haja fundos na conta de origem, o cheque volta para o portador. Existem alguns motivos para o cheque ser devolvido:

  • Motivo 11: Cheque sem fundo na primeira apresentação. Não há consequências para o titular;
  • Motivo 12: Cheque sem fundo na segunda apresentação. Nesse caso, o nome do emissor é incluso no Cadastro de Emissores de Cheque sem Fundo que o proíbe de receber novos talões de cheque;
  • Motivo 44: Apresentação após o prazo de prescrição.

O que fazer em caso de cheque sem fundo?

Ao ocorrer o Motivo 12, o portador deverá entrar com uma ação de execução para conseguir o valor preenchido pelo titular.

Essa ação judicial é feita com um profissional jurídico que trabalhará para garantir os direitos de recebimento do credor.

O que significa o termo “prescrição de cheque”?

A prescrição de cheque corresponde ao prazo de validade jurídica do papel. Ou seja, o tempo restante até o valor não mais poder ser depositado na conta do credor.

O prazo da prescrição de cheque também é definido em lei. Diferente dos outros títulos de crédito, que possuem prazo de 3 anos para a invalidação, o cheque possui uma legislação especial.

Primeiro, é preciso respeitar o prazo de apresentação do cheque, que é de 30 dias na mesma praça (ou cidade). Já em regiões diferentes da que houve a emissão, o prazo é de até 60 dias.

O prazo de prescrição é iniciado na finalização do prazo de apresentação. Ele tem duração de 6 meses e, após seu fim, os bancos não aceitam seu pagamento.

Entenda como fazer o cálculo da prescrição do cheque

A validade do cheque é determinada segundo a sua data de emissão, que é o dia no qual o cheque foi preenchido.

Após esse momento, são contados os 30 ou 60 dias da apresentação do cheque, dependendo da praça.

Só então, se inicia o tempo de prescrição de 6 meses, que determina o momento em que o cheque prescreve.

Por exemplo:

  • Data de emissão do cheque: 02/01/2018;
  • Prazo de apresentação do cheque: 01/03/2018;
  • Prazo de prescrição do cheque: 01/09/2018.

O que fazer se o cheque não for descontado dentro do prazo?

No caso de prescrição de cheque não apresentado, o papel não é mais aceito pelos bancos. Entretanto, isso não significa que o credor perde o seu dinheiro.

A Lei do Cheque prevê duas possibilidades de recebimento do valor, chamadas de ação de enriquecimento e ação fundada na relação causal.

A ação de enriquecimento só pode ser iniciada até 2 anos de prescrição do cheque. Já a chamada relação monitória ou causal garante o protesto no período de até 5 anos.

Porém, é preciso destacar que a possibilidade de recebimento depende de cada ação judicial e do andamento do processo.

Por isso, para evitar maiores problemas e prejuízos, fique sempre atento à prescrição de cheque. Ao respeitar esses prazos, você garantirá o recebimento do dinheiro sem nenhuma dificuldade. Acompanhe a nossa carta do fundador com conteúdos diários e gratuitos!

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Últimos artigos