PDD: o que é a Provisão para Devedores Duvidosos?

provisao para devedores duvidosos

O processo de vendas de um negócio pode enfrentar algumas complicações com clientes devedores. Por isso, existe a Provisão para Devedores Duvidosos.

A Provisão para Devedores Duvidosos serve para que o caixa da empresa não seja prejudicado no caso de inadimplência.

Mas afinal, o que é a Provisão para Devedores Duvidosos?

provisão para devedores duvidosos

Também chamada de PDD, a Provisão para Devedores Duvidosos é uma reserva de recursos financeiros que serve para cobrir prejuízos com clientes devedores.

Ela é feita antes do início do exercício contábil da empresa, protegendo-a contra perdas financeiras por conta de dívidas não recebidas.

Para a contabilidade, ela é como um tipo de gasto lançado antes mesmo de existir, sendo registrado como uma despesa futura.

A grosso modo, ela é como a reserva financeira de uma empresa. Protegendo-a contra emergências relacionadas ao pagamento dos clientes.

O que é PECLD?

O termo Perdas Estimadas em Créditos de Liquidação Duvidosa surgiram quando o Brasil adotou as Normas Internacionais de Contabilidade.

A partir desse momento, o PDD sofreu algumas alterações, passando a se tornar uma PECLD.

A principal delas foi que o PDD era uma obrigação das empresas, se tornando um passivo. No entanto, agora são as contas dos clientes que são ajustadas. Tornando-as, assim, um ativo.

Além disso, o Manual de Contabilidade Societária questiona o uso do termo provisão, alterando-o para o termo “perdas estimadas”. Assim, visando corresponder o conceito de redução ao valor recuperável.

Ou seja, a Provisão para Devedor Duvidoso é utilizada para perdas esperadas e a PECLD, para as perdas efetivas.

Como calcular a Provisão para Devedores Duvidosos (PDD)?

O uso da ferramenta de provisão deve ser bastante criterioso e planejado. Por isso, é importante contar com o auxílio do contador da empresa.

Para calcular a PDD, deve-se antes fazer estimativas de pagamentos a partir do contato direto com os clientes.

Além disso, utilizar o histórico de vendas do crediário e diversos dados sobre a inadimplência do seu negócio ao longo do tempo ajuda.

Por exemplo:

Uma empresa com estimativa de venda de R$100 mil, deseja fazer uma análise de inadimplência junto à sua equipe comercial e contábil.

Ao analisar o fluxo de caixa da empresa, comparando as receitas e inadimplências anteriores, foi percebida uma média de 5%.

Assim, tendo uma perda esperada é de R$5 mil.

No entanto, por ser uma simples provisão de inadimplência, esse valor é reajustado ao final do exercício contábil.

Como calcular a PECLD?

Já quando falamos do PECLD, estamos considerando as perdas efetivas do negócio. Por conta disso, é preciso tomar situações reais como base para esse critério.

Caso a empresa possui evidência de perdas, é preciso medir a quantia pela diferença entre a quantidade contabilizada e o valor do fluxo de caixa estimado.

Por isso, são excluídas perdas que ainda não ocorrem no negócio, já que o evento precisa ter efetivamente ocorrido nesse tipo de registro.

Para calcular o PECLD, deve-se ter por base uma média percentual dos recebimentos ao longo dos três últimos exercícios contábeis.

A partir desse valor, será inferido o percentual de inadimplência a ser aplicado sobre o saldo final de contas a receber.

Um ponto interessante no PECLD é que, ao contrário do PDD, essas despesas podem ser dedutíveis do lucro base para IRPJ e CSLL.

Como se prevenir contra problemas no fluxo de caixa?

Mesmo com o cálculo do PDD e PECLD, é preciso tomar algumas atitudes para que o fluxo de caixa da empresa seja preservado.

De início, vale a pena observar os prazos médios de pagamento e recebimento.

O prazo médio de pagamento corresponde ao tempo entre a data da compra e o pagamento efetivo ao fornecedor. Quando as empresas compram mercadorias em duas vezes, por exemplo, esse prazo é de 50% à vista e 50% em 30 dias.

Já o prazo médio de recebimento é o tempo médio entre a venda e o recebimento do pagamento pelos clientes.

E é justamente esse período que influencia bastante no balanço patrimonial da empresa, aumentando a necessidade de um bom capital de giro.

Entre algumas atitudes para evitar um baixo capital de giro, estão:

  • Reduzir os prazos de recebimentos e pagamentos;
  • Reduzir o prazo de financiamentos oferecido aos clientes;
  • Aumentar o prazo de pagamento a fornecedores;
  • Reduzir o número de estoque.

Isso porque, caso esses valores estejam desequilibrados, será preciso utilizar o uso de recursos de terceiros. Assim, causando um prejuízo com o pagamento de juros.

Sendo assim, não deixe de utilizar a Provisão para Devedores Duvidosos e o PECLD para auxiliarem nestas ações. Acompanhe a nossa carta do fundador, com conteúdos diários e gratuitos!

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos