Regime de caixa: como funciona esse princípio contábil?

regime de caixa 2

O descontrole financeiro é um dos principais fatores que assolam algumas empresas e, consequentemente, ocasionam a ruína das mesmas. Por isso, é importante ter em mente uma forma de controle, como por exemplo o regime de caixa ou os demais regimes.

Como funciona o regime de caixa?

O regime de caixa funciona por meio de um registro de todas as despesas, gastos e recebimentos na medida em que eles são figurados. Por exemplo, uma empresa recebeu um lançamento (dinheiro) a prazo, o registro acontece apenas no momento de compensação.

Então, o regime de caixa é um meio de catalogar os gastos, despesas e lançamentos de uma empresa no período de sua validação. Ou seja, uma forma de registrar os processos, ocorrências e incidências de uma empresa a fim de manter um controle comedido.

O que é regime de caixa?

O regime de caixa é uma modalidade de registro que não leva em conta as tributações e impostos incidentes. Por isso, para fins de declarações de renda, cabe a utilização do regime de competência.

Contudo, o regime de caixa registra as despesas e ganhos apenas no seu momento de compensação. Dessa forma, permite saber quais incidências ocorreram em determinados meses no ano de uma empresa.

Por que fazer a contabilidade de uma empresa?

O princípio de contabilidade é que a ação de até mesmo apenas um indivíduo pode impactar, modificar e influenciar o patrimônio de um negócio ou empresa, por meio do controle procedimentos socioeconômicos, procedurais e contábeis.

O regime de caixa, por exemplo, adota o princípio contábil da mensuração e descrição dos componentes participantes do patrimônio de uma empresa.

É justamente uma forma de apresentar dados: íntegra e catalogável, exemplificando as ocorrências e fluxos de entrada e saída de uma empresa (no sentido de seu capital monetário).

A contabilidade, por sua vez, preza pela produção de uma informação que seja relevante para o negócio.

Sendo assim, se configura muito bem atrelada ao controle, pois a falta de integridade e de catalogação, pode gerar a perda da relevância da informação e a perda de capital.

Quais os tipos de regimes para empresas?

Regimes são aparatos para medir o fluxo de caixa de uma empresa.

Através deles, torna-se mais viável averiguar os resultados de um período, bem como a situação financeira da empresa, a valoração e a depreciação.

Existem alguns tipos de regimes de fluxo de caixa, entre eles:

  • Regime de caixa: consiste em registrar os ganhos, lançamentos, recebimentos e despesas apenas no dia que forem, de fato, efetivados;
  • Regime de competência: consiste em registrar o acontecimento no momento de sua execução. Assim, mantém um maior controle das receitas e situação atual da empresa;
  • Regime misto: é a união entre regime de caixa e regime de competência. Apesar de não usual na questão tributária, pode ser uma forma viável de controle pelo fato de realizar o registro tanto no momento de execução quanto na sua compensação.

Nessa perspectiva, o regime de caixa tende a ser mais simples e, possivelmente, usual no quesito de registro, devido a sua análise incidir apenas no momento de compensação.

Contudo, a melhor forma de reger um controle de fluxo de caixa é por meio da combinação entre dos regimes, já que cada modo de registro apresenta suas determinadas falhas e lacunas.

Por fim, o regime de caixa serve para manter um controle aparente do fluxo de caixa, e com ele é possível entender determinados momentos de uma empresa. Mas, para conhecer de forma mais abrangente a situação contábil e financeira de uma empresa, é preciso um esforço a curto e longo prazo, unindo mais de um regime de fluxo. Para mais informações como essa, assine nossa newsletter no WhatsApp!

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos