Registro de marca: saiba como proteger a sua propriedade intelectual

000002

Muitos empresários, por descuido com o registro de marca, acabam tendo muitos prejuízos financeiros e patrimoniais.

Para evitar esse tipo de dor de cabeça, é interessante, desde do princípio, se preocupar com o registro de marca, garantindo assim alguns direitos dentro do empreendedorismo.

O que é o registro de marca?

Fazer o registro de marca significa proteger a sua marca de forma legal, garantindo o uso exclusivo desta propriedade intelectual em território nacional.

Registrar marca é uma garantia do direito à propriedade intelectual que garante a responsáveis por produção do intelecto o direito de receber recompensas exclusivas pela criação.

Isso, não se resume somente a marca registrada, sendo um direito também para áreas artísticas, científicas, literárias, entre outras que usufruem da criatividade.

Para empreendedores que optam por não registrar a marca, em casos de plágio ou cópia de nome, não haverá recursos suficientes para recorrer à justiça, que costuma ser muito rigorosa nestes casos.

Além disso, é importante ressaltar a diferença entre marcas e patentes, termos frequentemente confundidos.

A patente é um título, fornecido pelo estado, que comprove a propriedade sobre uma invenção, podendo ser concedido a uma pessoa física ou jurídica.

Já a marca, é uma propriedade intelectual e tem como característica ser marcada por uma identidade visual, como muitas vezes vemos no dia a dia.

Como fazer o registro de marca?

Portanto, para proteger a marca, é necessário atender a alguns processos burocráticos.

Para iniciar o processo, o proprietário da marca deve procurar o INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial) para que o caso seja examinado, precisando apresentar alguns documentos, como:

  • Formulário de registro de marca do INPI;
  • CPF ou RG (para pessoas físicas);
  • Documento de comprovação profissional (pessoas físicas);
  • Cópia do CNPJ (pessoas jurídicas);
  • Contrato social (pessoas jurídicas).

Nesse caso, o pedido de registro de marca deve atender aos critérios definidos pela Lei de propriedade industrial.

Além disso, deverá passar pelo crivo de não ter outra marca com nome idêntico registrada, e assim, o pedido será aceito.

Normalmente, a avaliação do registro demora por volta de 60 dias.

Caso aceito, o proprietário da marca deverá pagar algumas taxas

As taxas irão variar, dependendo se há ou não o desconto do INPI, que é dado para:

  • Microempresas;
  • Microempreendedores individuais;
  • Pessoas físicas;
  • Pessoas cooperativas.

A taxa para solicitar o registro de marca custa R$355, e para quem tem desconto, R$142.

Além disso, os custos com a taxa do primeiro decênio (10 anos) do registro são de R$745, mas para quem desconto R$298.

Após os 10 anos de vigência do registro da marca, é necessário arcar com o custo de renovação que chegam a R$1.100, e com desconto R$440.

Qual a importância de registrar marca?

Apesar dos custos e burocracias envolvidas no processo, o registro de marca deve ser encarado como um investimento, já que, além de proteger sua propriedade intelectual.

Essa ação poderá fornecer fluxo de caixa futuramente para a empresa.

Muitas empresas que vemos no dia-a-dia tem lucros grandes graças à sua marca registrada, não recebendo renda somente via produção.

Portanto, mesmo que inicialmente o seu objetivo ao registrar marca seja motivados por questões de segurança, futuramente a identidade visual da sua empresa pode ser influente e valiosa.

Por isso, podemos afirmar que a marca é um dos mais valiosos patrimônios que as empresas têm.

Logo, é fácil perceber que o registro de marca é um processo extremamente necessário para todos que almejam garantir a integridade da sua empresa e, quem sabe até, ganhar lucros advindos desse registro.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos