Subscrição: o que é e como funciona esse direito?

subscrição

Quem tem interesse em começar a investir ou já faz aplicações precisa entender como funciona o direito de Subscrição.

Isso porque a Subscrição garante melhores condições para quem já é acionista de empresas na B3, a bolsa de valores brasileira.

Mas o que é Subscrição?

A Subscrição é um direito de preferência na compra de novas ações dado aos já acionistas de uma empresa listada na Bolsa de Valores.

Ela ocorre no momento em que a companhia aumenta seu capital social e, por conta disso, emite novas ações no mercado.

No entanto, essa prioridade de compra de ações ocorre no mercado secundário e requer o cumprimento de algumas regras de preço e prazo.

Mesmo assim, a Subscrição é uma prática bastante comum dentro da Bolsa de Valores.

Qual a função do Direito de Subscrição?

ações subscrição

A função principal da Subscrição é garantir ao acionista o direito de manter sua participação em uma empresa proporcional.

Isso, após a emissão de novas ações, algo que reduz essa porcentagem de maneira proporcional.

Para entender melhor, confira melhor o exemplo a seguir:

Uma empresa emitiu 2000 ações no mercado e você e o comprador de 100 delas. Assim, possuindo uma participação de 5%.

Se, após um período, a empresa emitir 1000 novas ações para captar novos recursos, sua participação cairá para 3,3%.

Justamente para evitar que isso aconteça, a Subscrição existe. Com ela, o acionista tem a condição de manter sua participação e até mesmo conseguir fazer isso por um preço melhor que o de mercado.

Como funciona a Subscrição?

Após a emissão de novas ações por uma empresa de capital aberto, o Direito de Subscrição garante aos acionistas a compra até o limite da participação do capital.

No entanto, apesar se ser um direito, não é ele quem dita as regras de compra das novas ações, mas sim a empresa.

Ao mesmo tempo em que lançam novos ativos, as companhias já emitem suas condições de Subscrição.

Em geral, elas definem a quantidade de preferência para os novos papéis, o preço de Subscrição e o prazo para que o acionista exerça seu direito.

Mesmo sendo uma condição atrativa, na grande maioria das vezes, nenhum acionista é obrigado a fazer a aquisição de novas ações.

Também é possível negociar esse direito dentro da Bolsa de Valores, dependendo das condições apresentadas pela empresa.

Como exercer o Direito de Subscrição?

As condições apresentadas pelas empresas no momento do lançamento de novas ações são enviadas para os acionistas por e-mail.

A partir desse momento, é preciso sinalizar seu interesse entrando em contato com sua corretora de valores.

Basta ter saldo suficiente na conta para garantir o pagamento das ações de forma digitalizada.

O que acontece com as sobras de Subscrição?

Após todo o processo iniciado pela empresa, é possível que algumas de suas novas ações não sejam adquiridas pelos acionistas.

Essas são consideradas “sobras de Subscrição”.

Quando isso ocorre, as empresas voltam a oferecê-las aos acionistas para que consiga o capital desejado.

Subscrição de Ações vale a pena?

Decidir quando subscrever ações é algo que varia de acordo com as estratégias dos investidores.

Para fazer valer seu direito, o acionista precisa manter a proporção da sua participação no negócio.

Porém, de acordo com cada caso, algumas situações podem ser desvantajosas para seus objetivos e pode não fazer sentido adquirir mais ações.

Um exemplo disso é quando as perspectivas para a empresa não estão positivas, onde não há razão aparente para investir mais dinheiro em suas ações.

Por isso, para decidir ou não pela Subscrição, vale a pena analisar seus indicadores econômicos. Isso, inclusive, pode ser feito rapidamente através do Método Empreender Dinheiro.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos