Superendividamento: saiba como solucioná-lo

superendividamento 2

O superendividamento atinge quase 15% da população brasileira. Essa realidade é resultado da falta de educação financeira, juntamente à facilidade de crédito no país.

Esse acúmulo de dívidas acaba causando o superendividamento. Além disso, muitos bancos não contribuem para a diminuição dessa realidade com seus juros extremamente altos.

O que é o superendividamento?

superendividamento-2

O superendividamento acontece quando há a impossibilidade de pagamento de uma dívida com a renda atual do devedor. Ainda assim, a cada mês, esse débito continua crescendo por conta das altíssimas taxas de juros cobradas.

Como começa o superendividamento?

Ao contrair uma dívida, o devedor acaba superestimando suas condições de quitá-la. Assim, quando não ocorre o pagamento, os juros compostos são responsáveis por aumentar gradativamente o valor do débito.

Quando ele alcança um valor absurdo, se torna impossível sair dessa situação.  Sendo assim, muitas pessoas entram em um descontrole financeiro em meio a empréstimos, financiamentos e faturas do cartão de crédito.

Muitas vezes, devido a enorme oferta de crédito caro e facilitado no Brasil. Essa realidade associada ao consumismo exacerbado e ausência de um orçamento cria uma bola de neve financeira.

Tipos de superendividamento

O superendividamento pode ter origem em dois tipos de comportamento diferentes:

1. Superendividamento passivo

É aquele em que o motivo do endividamento está fora do controle da pessoa. Ou seja, quando ocorre uma grande redução na renda que impossibilita o cumprimento de um débito. Casos como divórcios, morte na família e acidentes físicos são exemplos de acontecimentos inesperados que acabam desorganizando as finanças.

2. Superendividamento ativo

É resultado de um grande acúmulo de dívidas. Por exemplo, uma pessoa cria uma dívida e, para pagá-la, acaba fazendo um empréstimo no banco. Entretanto, esse empréstimo possui altos juros que acabam ultrapassando a renda mensal dessa pessoa. Ou seja, é resultado de uma má administração financeira.

Como identificar o superendividamento?

Geralmente, alguém está superendividado se encontra nas seguintes situações:

  • Tem o nome sujo no cadastro restritivo de crédito (SPC e SERASA);
  • Faz empréstimos para pagar outros empréstimos;
  • Tem uma renda bem menor que o valor devido;
  • Recentemente sofreu uma eventualidade financeira (acidente, morte na família etc);
  • Compra sem planejamento;
  • Não possui um orçamento mensal pessoal e doméstico;

Se você se identifica na maioria dessas situações, provavelmente está em situação de superendividamento. Essa realidade é extremamente prejudicial para além da área financeira.

Pessoas superendividadas acabam sofrendo de insônia, ansiedade e compulsões. Além disso, as necessidades básicas como a alimentação e a moradia podem ser comprometidas.

Para contornar essa situação, existem órgãos como a Defensoria Pública e o Procon que estão preparados para ajudar. Primeiro, informam o que ocasionou o superendividamento do consumidor e o aumento do valor, e buscam condições de quitação adequadas à renda do endividado.

Além disso, em casos de juros abusivos, o contrato pode até ser anulado ou ter cláusulas revisadas.

Entretanto, é preciso lembrar que a mudança de comportamento é essencial para a solução definitiva. Não adianta conseguir boas condições de pagamento e logo em seguida criar novos débitos.

Como evitar o superendividamento?

A maior prevenção contra qualquer tipo de dívida é a educação financeira. Com ela, é possível estar bem informado sobre os direitos do consumidor e formatos de pagamento.

Além disso, é crucial para a organização financeira um orçamento, seja ele pessoal ou doméstico.

Nele, são anotadas:

  1. Despesas mensais (aluguel/contas em geral);
  2. Gastos mensais variáveis (comida na rua/presentes);
  3. Renda total recebida.

Com essas informações, fica mais fácil encontrar e eliminar hábitos destrutivos.

Além disso, no caso de superendividamento passivo, quando não escolhemos a grande despesa, é preciso se prevenir.

Criar uma reserva de emergência te deixa preparado para eventualidades. O valor dela varia de acordo com sua renda. Ela geralmente corresponde a seis vezes o seu custo de vida. Diferente da renda, o custo de vida são os gastos básicos para alguém se manter.

Portanto, se você está em situação de superendividamento ou busca se prevenir dela, faça um planejamento financeiro. A partir dele é possível entender suas condições e limites no orçamento. Se organize financeiramente, através da planilha – planejador financeiro mensal e tome decisões financeiras mais inteligentes.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos