O que é a taxa de carregamento e como evitá-la?

taxa de carregamento

Apesar da taxa de carregamento ter um custo baixo, ela apresenta um valor substancial que acumulado durante os anos a depender do investimento pode ser um valor expressivo.

A taxa de carregamento funciona como uma cobrança pelo serviço exercido por bancos ou instituições, sendo utilizada para auxílio de custos.

A taxa de carregamento é um percentual cobrado em todo valor investido em uma previdência privada.

Existem algumas variações a depender de sua modalidade, seja mensal, no momento do investimento ou na retirada do mesmo. Conheça algumas delas para fazer a melhor escolha com educação financeira.

Como funciona a taxa de carregamento bancária?

Como funciona a taxa de carregamento? A taxa de carregamento funciona como uma cobrança de determinada porcentagem sobre investimentos aplicados na previdência privada.

Cada instituição ou banco define a sua taxa. Entretanto, ela não pode ultrapassar 5% do valor do investimento.

Além da taxa de carregamento, existe a taxa de administração bancária. Diferente da taxa de carregamento bancário que tende a ser mensal, a de administração é geralmente anual e não pode superar 2% do valor investido no ano.

Os tipos de taxas de carregamentos e planos da previdência privada

Existe alguns tipos de taxa de carregamento da previdência privada. Contudo, esses valores devem ser acordados junto ao plano e instituição escolhida.

Entre os tipos de taxa de carregamento estão:

  • Taxa de carregamento antecipada: ocorre no momento do investimento/contribuição, sendo proporcional ao valor acumulado, ou seja, cada vez que contribuir a porcentagem será consumida do valor total guardado após rendimento;
  • Taxa de carregamento postecipada: ocorre apenas no momento de resgate do valor investido, nessa modalidade quanto maior o tempo de permanência no plano, menor será a taxa cobrada;
  • Taxa de entrada: ocorre cobrança no momento de depósito do investimento;
  • Taxa de saída: ocorre cobrança no momento de retirada do investimento.

Vale lembrar que toda aplicação e/ou investimento em plano previdência privada, são passíveis de portabilidade (mudança ou transferência de uma instituição para outra).

Os tipos de plano de previdência privada

Para fazer uma previdência privada é necessário escolher uma modalidade ou plano. Entre os planos de previdência privada estão:

  • O Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL): é vantajoso para quem realiza a declaração anual do imposto de renda (IR) pelo modelo completo. Já que haverá um abate no tributo pago ao IR;
  • O Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL): é indicado para pessoas que realizam a declaração simplificada do imposto de renda.

Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL)

No PGBL é abatido até 12% do tributo devido a renda anual (salários e afins), dessa maneira, ao pagar menos impostos sobrará mais para investir.

Para ter direito a seguir com esse plano: é necessário contribuir para o Instituto Nacional de Seguro Social – INSS, ou seja, contribuir para a previdência social.

Agora, para realizar o modelo completo de imposto de renda, deve se ter em mente a proporção de despesas e a restituição que será recebida.

O modelo completo de IR se destina para pessoas que apresenta gastos com filhos ou dependentes, escola particular, plano de saúde e contribuição com a previdência privada.

Nesse modelo completo, é necessário guardar recibos, notas, comprovantes no geral por um prazo de 5 anos. Tendo em vista que a Receita Federal pode questionar valores e será necessária comprovação.

Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL)

Em relação ao VGBL, ele é toma como princípio uma dedução no valor de lucro da aplicação ou investimento. Dessa maneira, se em um investimento na previdência privada de R$3.500 reais obtiver um lucro de R$250 reais, o imposto será sobre os duzentos e cinquenta reais.

Para fazer o VGBL é necessário ser adepto da declaração simplificada do imposto de renda.

O modelo simplificado do IR é destinado para pessoas que apresentam poucas despesas dedutíveis.

Dessa forma o modelo simplificado adota 20% de desconto como padrão, tendo um teto limite de em média até R$17mil.
No final das contas, em caso de dúvidas ao fazer uma declaração de IR, é recomendável utilizar o modelo completo.

Já que, se for mais benéfico o modelo simplificado, o próprio o programa da Receita Federal fará o direcionamento.

Por fim, a taxa de carregamento está caindo em desuso no mercado. Por isso, negociar em busca de valores menores ou até mesmo 0% de taxa, é a melhor saída para evitá-la.

Entretanto, é válido buscar mais de uma opção e analisar minunciosamente uma proposta de aplicação de investimento. Já que mesmo que apresente taxa de carregamento zero, existe o repasse dos valores por meio de outras taxas e encargos. Mais conteúdos? acompanhe a carta do fundador.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos