Home Blog O que é a taxa de juros efetiva? Entenda como calculá-la!

O que é a taxa de juros efetiva? Entenda como calculá-la!

taxa de juros efetiva 2

No momento de fazer uma dívida, empréstimo, financiamento ou afins, é preciso se ater ao valor que será cobrado pelo serviço e juros, especialmente, à taxa de juros efetiva.

A taxa de juros efetiva funciona como um cálculo de todo o percentual de taxa em uma negociação ou transação.

Portanto, a taxa de juros efetiva é um tipo de soma de taxas que correspondem ao valor efetivo taxado em uma operação.

Dessa forma, é possível ver qual será o real valor cobrado nas taxas e subsequentemente, o custo efetivo total (o valor total a ser pago em um negócio).

A diferença entre taxas de juros: nominal e efetiva

De maneira simplificada, a taxa de juros nominal ou aparente, corresponde ao valor percentual sem acréscimo de juros e inflação.

Já a taxa de juros efetiva, é corresponde ao valor real, por isso, sempre apresentará uma divergência entre os juros nominais e efetivos, uma vez que o nominal é um valor aparente.

Como calcular os juros efetivos e a fórmula da taxa de juros efetiva

Como calcular os juros efetivos? Em todo contrato que apresente juros e taxas deve-se discriminar o Custo Efetivo Total (CET).

Ele é responsável por dizer o valor real pago por uma operação de empréstimo ou financiamento, levando em conta seus juros e taxas.

Por isso, é importante calcular os juros efetivos e saber quais serão as taxas efetivas, de fato, pagas em uma negociação.

Antes de partir para o cálculo, se faz necessário dizer que existem dois tipos de juros:

  • Os juros compostos;
  • Os juros simples.

Com isso em mente, para chegar no montante, é preciso calcular e usar a fórmula da taxa de juros efetiva.

Ela diverge dependendo do tipo de juros, mas em suma consiste em:

Aplicada em juros simples, a taxa efetiva funciona com a fórmula:

r = (1 + i/n) ^ n – 1.

Nessa fórmula, “r” é o valor de taxa efetiva, “i” significa a taxa de juros nominal e “n” é a quantidade de periodicidade por ano. Por exemplo, com uma taxa de juros nominal de 6% ao mês, i=6% ou 0,06, sendo ela aplicada durante um ano inteiro, 12 meses: n=12.

Então, aplicando na fórmula:

r = [(1 + 0,06/12) ^ 12] – 1;

(1+0,06/12) -> 1,005;

(1,005) ^ 12;

1,0616778 ou apenas 1,0616;

Logo, r= 1,0616 – 1 -> r= 0,0616 ou 6.16%;

Então, a taxa efetiva de juros será de 6.16%.

Cuidados com a taxa

A taxa efetiva de juros deve ser averiguada em comparação com o custo efetivo total de uma negociação. É prudente comparar entre instituições se o caso for pedido de linha de crédito.

Diferentes instituições financeiras e bancos, apresentam a taxa efetiva do empréstimo discriminada junto ao valor de custo efetivo total.

Por lei, toda empresa que presta serviços com taxas e custos administrativos no setor financeiro, deve mostrar para o cliente o valor de custo efetivo total.

Entender a taxa efetiva é um passo importante para a educação financeira pessoal, além de ser uma ferramenta importante para a tomada de decisões relacionadas às suas finanças.

Por fim, a taxa de juros efetiva requer análise minuciosa. Dessa forma, é possível saber custo da operação e se for o caso, desistir de um mau negócio. Mais conteúdos como esse? Inscreva-se no nosso Whatsapp.

Escrito por

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Compartilhe conosco suas experiências

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *