Home Blog Taxa Interna de Retorno: entenda como funciona

Taxa Interna de Retorno: entenda como funciona

calculadora em cima de papéis com caneta e clips coloridos

Quando se faz investimentos o objetivo é que no futuro o valor aplicado renda consideravelmente. Então, a Taxa Interna de Retorno pode auxiliar o investidor na tomada de decisão.

No mercado financeiro, definir em qual modalidade de investimento seguir não é fácil. Por esse motivo a Taxa Interna de Retorno é utilizada, pois desta forma é possível definir se a longo prazo um projeto dará retorno financeiro ou prejuízo comparando valores em um determinado período.

O que é Taxa Interna de Retorno?

Ninguém inicia um investimento ou projeto sem fazer uma análise de riscos. Então, a Taxa Interna de Retorno surge como indicador no qual ajuda a analisar se um projeto econômico terá viabilidade e será rentável futuramente.

Vamos supor que hoje você adquiriu uma casa no valor de R$ 100.000, mas só poderá pagar daqui a 12 meses com juros de 10%. Então, daqui um ano, com o reajuste, o valor a ser pago é de 110,000. Portanto, após 12 meses a casa custará R$ 10.000 a mais. O valor presente é de 100.000, no entanto, o valor futuro será acrescido dos 10%.

Para empresas, a lógica seguida é a mesma: investir antes de receber através de tarifas. Então, uma taxa é definida para manter os valores antecipados, os previstos no cronograma de obras e despesas futuras, está é a TIR.

Ou seja, uma métrica utilizada para avaliar o percentual de retorno de um investimento, tanto para pessoa física quanto para empresas.

Essa taxa tem como base o cálculo do fluxo de caixa no qual o Valor Presente Líquido (VPL) de um projeto se iguala a zero.

No caso, VPL é o cálculo capaz de determinar o valor presente de pagamentos futuros. Já que, o dinheiro que recebemos ou investimos atualmente, com o passar do tempo, sofrerá oscilação devido aos fatores econômicos, como por exemplo, a inflação.

Outro cálculo usado para auxiliar com a TIR é o playback, indicador que avalia se o retorno do investimento será viável. Geralmente, seu cálculo consiste em meses ou anos.

Além disso, este indicador também identifica em qual período o capital estará exposto ao risco.

Assim, esses indicadores juntos com a taxa interna servem para realizar análise de atratividade de um projeto. Sendo validado como um comparativo à Taxa Mínima de Atratividade (TMA), para assim, decidir se o projeto vale a pena ser levado a diante.

  • TIR > (maior que o) TMA o investimento deve ser aceito;
  • TIR < (menor que o) TMA o projeto deve ser rejeitado;
  • TIR = TMA a decisão de continuar com o projeto e possíveis riscos, fica por conta do gestor ou investidor.

Como calcular Taxa Interna de Rentabilidade?

Para calcular a Taxa Interna de Retorno o processo de “tentativa e erro” pode ser o mais assertivo. Existe uma fórmula na qual é possível compreender o passo a passo até obter o resultado manualmente. Entretanto, o recomendável é que esse cálculo seja feito de forma automática através do Excel para evitar possíveis erros.

Fórmula da taxa interna de retorno:

Fórmula para cálcular Taxa Interna de Retorno

t: Período em que ocorre o fluxo de caixa. Ele pode ser em meses, bimestres, semestre ou anos, meses;

FCt: Fluxo de caixa do período t;

n: número total de períodos analisados;

Σ: somatório dos fluxos de todos os períodos.

Logo:

  • O VPL sempre será igual a zero, pois a TIR calcula a taxa de desconto para que o fluxo de caixa da VPL sempre seja igual a zero;
  • A letra N representa a quantidade de períodos a serem analisadas;
  • Já o capital, é equivalente ao valor do investimento inicial. Este deve ser sempre negativo;
  • Ft representa o valor de entrada de dinheiro em determinado período (t).

Calculando no Excel:

Para realizar o cálculo no Excel uma tabela deve ser montada utilizando a função TIR do programa. Então, todos os fluxos de caixa devem ser selecionados nos parâmetros da função.

Dessa forma, é possível avaliar a viabilidade de um investimento.

Vantagens e desvantagens da taxa interna

Como a TIR iguala o valor das entradas com os das saídas, a taxa pode oferecer vantagens como a interpretação para avaliar o retorno financeiro futuro de um investimento. Seus resultados são apresentados em percentual.

Assim, a TIR se torna uma facilitadora na tomada de decisões de um gestor, comparando taxas definidas para o custo de capital. Além disso, apresentará o valor da rentabilidade.

A desvantagem de utilizar o cálculo da TIR é que ele não mostrará ao investidor o percentual de risco que a empresa corre para conseguir obter retorno financeiro em determinado prazo. Ademais, se o fluxo de caixa não for uniforme, dificultará o processo de análise, pois, os resultados serão inconclusivos.

No entanto, Taxa Interna de Retorno pode ser uma boa opção para avaliar percentuais futuros. Vale ressaltar que ela não analisa o lucro em si, mas sim, estipula o valor que futuramente o investimento terá.

Escrito por

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Compartilhe conosco suas experiências

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *