Taxa Mínima de Atratividade: saiba mais sobre o indicador

Taxa mínima de atratividade

Quando uma empresa projeta um empreendimento para obter retorno financeiro no futuro, é preciso realizar análises para verificar se o investimento será rentável. Por isso, gestores e investidores utilizam a taxa mínima de atratividade como referência.

Visto que, descobrir a porcentagem de juros que um projeto poderá render é uma das formas de evitar lidar com prejuízos futuros.  Dessa forma, considera-se a taxa mínima de atratividade como um dos indicadores mais utilizados pelos gestores e empresas que decidem realizar investimentos em um empreendimento.

O que é Taxa Mínima de Atratividade?

A taxa mínima de atratividade (TMA) se refere a um indicador no qual aplica-se para realizar a análise de um investimento. Pois, é um indicador de percentual de juros que representa o valor mínimo de retorno esperado ao investir, ou o valor máximo que uma empresa está disposta a pagar por um financiamento.

Como funciona a TMA?

A TMA, geralmente, é utilizada quando o investidor ou gestor contabiliza os gastos que terá quando decide iniciar um projeto, além do lucro que poderá obter futuramente com o mesmo.

Ou seja, decide-se uma taxa de juros que se projeta para o valor atual de um projeto futuro.

Por exemplo, se considerada a construção de um prédio nos dias atuais para vendê-lo futuramente. O valor gasto hoje, não será o mesmo amanhã. Assim como os objetos, o dinheiro perde ou ganha valor com o passar do tempo. Portanto, sua valorização e desvalorização oscila conforme a instabilidade do mercado financeiro.

Desta forma, um empreendimento que é construído hoje por um determinado valor, futuramente, não custará a mesma coisa. Então, através de indicadores é possível calcular o valor presente de pagamentos futuros.

VPL e TIR

Índices como o Valor Presente Líquido (VPL) que é uma taxa de cálculo no qual indica o valor futuro de um projeto que está sendo construído atualmente, levam em consideração o valor gasto nos dias atuais (data zero) para analisar os fluxos de caixa e o tempo do investimento.

Tendo o custo anual uniforme como a atualização de todos os custos de um projeto. Desta forma, ele equipara os fluxos de caixa para receitas e despesas de um investimento descontando a taxa mínima de atratividade.

Em conjunto com a VPL, utiliza-se a Taxa Interna de Retorno (TIR) para analisar economicamente a viabilidade e rentabilidade de um investimento no futuro.

Portanto, a taxa mínima de atratividade considera o cálculo de outros índices junto a taxa de juros estipulada pela empresa, para determinar as reais vantagens do investimento.

Porém, como sua base é feita através de juros, a lucratividade vai depender tanto de fatores internos, quanto externos. Por isso, é indicado utilizar a Selic como taxa de juros base, pois esse é o indicador médio econômico brasileiro utilizado para operações de rendimentos através dos juros.

Componentes da taxa mínima de atratividade

taxa minima de atratividade 2

Alguns conceitos ligam-se diretamente a taxa mínima atrativa para se obter uma análise mais completa e eficaz.

Por isso, quatro componentes devem ser estudados para levar em consideração o cenário financeiro:

  • Risco do negócio: devem ser considerado os ganhos financeiros. Quando maior for o risco de um investimento, mais alto deve ser o seu retorno financeiro. Assim, cobra-se a taxa mínima de atratividade mais alta.
  • Liquidez: serve para analisar a velocidade no qual um investimento será convertido em caixa.
  • Custo de oportunidade: quando um investidor toma uma decisão, ele renuncia outras opções possíveis. Então, o custo de oportunidade está diretamente relacionado a todas as opções que o investidor escolheu renunciar para poder realizar o investimento eleito.

Ou seja, no setor financeiro, exibe-se a margem de lucro que se pode obter em um projeto que foi rejeitado.

  • Custo de capital: este é um conceito que pode ser comparado à TMA, dado que representa a taxa de retorno que os investidores desejam obter ao elaborar um projeto.

Porém, o custo de capital é o custo direto, ou seja, o dinheiro que uma empresa possui para conseguir captar novos recursos.

Como a TMA se relaciona ao custo de capital e custo de oportunidade?

O Custo de Capital, a TMA e o Custo de Oportunidade se correlacionam no momento em que a análise desses fatores, feitas de modo conjunto, podem ajudar um gestor a tomar decisões sobre o resultado que obtêm-se.

Dessa forma, quando uma empresa agrupa esses conceitos, ela deve ter pleno conhecimento do quantitativo que seu dinheiro deve render, quanto os financiadores esperam de resultado e quais oportunidades deixam-se.

De início pode parecer complexo. Entretanto, é importante ressaltar que a tomada de decisão correta sobre as vantagens futuras de uma empreendimento decorrem dessas taxas e conceitos.

Como calcular a taxa mínima de atratividade?

A TMA é uma porcentagem de juros cobrados para estipular o valor futuro do projeto, contudo, este percentual é determinado pelo investidor.

Por isso, para calcular e alcançar um valor considerado justo e que traga a lucratividade desejada, a partir das informações coletadas, recomenda-se que o investidor considere o valor da taxa Selic como mínimo, pois assim possivelmente vai obter o mínimo de retorno desejado.

Sendo inclusive recomendada e indicada por especialistas, o valor da TMA deve ser sempre mais alto que a Selic.

Além disso, a liquidez, o risco do negócio e os custos de oportunidade, que são componentes da taxa mínima de atratividade, são os fatores que podem ser determinantes para a tomada de decisão sobre a viabilidade de um projeto. Assim, o resultado do investimento deve ser consideravelmente maior que o investimento em si, considerando eventuais despesas.

Vantagens de utilizar a TMA

Considerando todos os gastos e riscos que um investimento pode ter, a taxa mínima de retorno oferece como vantagem a possibilidade de identificar o percentual de lucro que a empresa vai receber. Assim, apagam-se todas as suposições e empolgações iniciais caso a rentabilidade não seja minimamente atrativa.

Pois, as vezes um projeto não é economicamente viável. Então, caberá exclusivamente ao gestor do negócio, o investidor, a decisão de levar em consideração a análise da taxa mínima de atratividade para não haver prejuízo financeiro devido a lógica por trás dos investimentos, que buscam obter bons resultados e margens de lucro consideráveis.

Quais os componentes da taxa mínima de atratividade (TMA)?

Os componentes da TMA são: Risco de negócio, Liquidez e Custo de Oportunidade.

O que é a Taxa Mínima de Atratividade?

A TMA refere-se a um indicador que busca expressar a remuneração mínima no qual um investimento deve oferecer para que venha a valer a pena economicamente.

A Taxa Mínima de Atratividade é fixa ou variável?

A taxa mínima de atratividade é variável.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos