Upside: entenda o significado desse termo no mercado financeiro!

UPSIDE

As oscilações cotidianas no preço dos ativos podem impactar diretamente quem atua e investe no mercado financeiro. Contudo, existem análises que podem auxiliar na hora de investir, como por exemplo, a avaliação do Upside.

O upside trata-se de um termo utilizado no mercado financeiro para indicar o potencial de alta no preço de um ativo, ou seja, o potencial da sua valorização.

Assim, pode ser desejável para o investidor entender o que é e como usar esse indicador. 

O que é upside?

O upside (“parte” ou “lado de cima”, em tradução livre) é o termo referente ao potencial que o valor de um ativo tem para crescer. Isto é, a previsão de quanto o preço desse ativo pode subir em determinado período.

Mede-se esse potencial em percentual. Além disso, ele é definido por meio da análise técnica ou fundamentalista.

Portanto, é interessante entender o que são essas análises e como elas atuam para as previsões do upside.

O que é a análise técnica?

A análise técnica é uma maneira de compreender as oscilações nos valores das ações por meio do estudo de gráficos e de dados econômicos.

Esse método tem como finalidade reconhecer quais são as tendências das ações, ou seja, computar se elas estão em alta ou em queda. Ademais, essa prática também fornece uma análise histórica dos movimentos no mercado com finalidade de indicar tendências futuras.

A partir do recolhimento dessas informações, o investidor pode analisar qual o melhor rumo a tomar quanto às suas decisões de mercado, como por exemplo, a compra ou venda de um ativo.

Os analistas técnicos consideram os movimentos dos preços como tendências e usam esses dados para definir o potencial upside do preço de uma ação.

A análise técnica, por trabalhar com a volatilidade presente num cenário de tendência, costuma ser recomendada para investimentos de curto prazo, como as operações de day trade.

Day Trade

O day trade é um processo de venda e compra de ações no mesmo dia. Esse método direciona-se a operações em renda variável (bolsa de valores), e possui a finalidade de lucrar sobre a alta ou queda de uma ação.

As operações de day trade ocorrem, geralmente, através da B3 (BM&F Bovespa). 

Contudo, essas atividades podem ser consideradas complexas. Por isso, quem opera o day trade é o profissional especializado na prática, conhecido como trader.

Exemplo de upside calculado com base na análise técnica

Podemos supor que uma ação vem sendo negociada entre R$ 15,00 e R$ 20,00. Depois de um certo período, essa ação atinge o valor de R$ 24,00. Assim, esse movimento de preço para cima pode ser considerado um breakout (rompimento) na tendência.

Ou seja, o preço dessa ação apresenta uma diferença de R$ 4,00 em relação ao máximo negociado anteriormente e o upside representa justamente essa diferença. Desse modo, existe uma previsão de crescimento acima desse valor, com base na análise do seu comportamento no presente.

Assim, a análise técnica pode auxiliar o investidor a ter um panorama sobre as movimentações dos preços no mercado.

Além desse método, o upside também faz uso da análise fundamentalista.

O que é a análise fundamentalista?

A análise fundamentalista trata-se do estudo aprofundado sobre a economia, mercado e setor no qual uma empresa está inserida. Além disso, esse método também é o estudo do negócio, seu potencial de rentabilidade e saúde financeira.

Para isso, a análise faz uso de indicadores fundamentalistas, bem como estudos sobre a macroeconomia e microeconomia. Esse método pode ser mais eficiente para investimentos e rendimentos de longo prazo.

O que são Indicadores Fundamentalistas?

Os indicadores fundamentalistas são os dados financeiros e informações competitivas das empresas listadas na bolsa de valores

Usa-se esses indicadores para analisar e comparar ações. Assim, as informações colhidas podem contribuir para que o investidor entenda quais ativos são melhores para a sua estratégia de investimento.

Desse modo, a análise fundamentalista tem a função de fornecer dados nos quais o investidor pode basear-se para decidir sobre suas aplicações.

Macroeconomia

A macroeconomia funciona como um agregado econômico que analisa o mercado a partir dos fatores em conjunto. Para isso, é feito o estudo de indicadores, como por exemplo, o PIB (produto interno bruto) de um país.

Assim, a macroeconomia analisa fatores de larga escala em busca de conclusões sobre as decisões econômicas de determinados agentes, como o governo, por exemplo.

Dessa maneira, a macroeconomia estuda questões globais como:

  • Nível de desemprego;
  • Crescimento econômico de uma região ou país;
  • Taxa de juros;
  • Inflação;
  • Distribuição de renda e de agentes econômicos.

Microeconomia

A microeconomia é o estudo das características e comportamentos de empresas e consumidores. 

Para isso, analisa fatores que influenciam no preço dos produtos, a relação entre oferta e demanda, assim como as ações de marketing das companhias. Desse modo, os estudos da microeconomia dividem-se em três teorias:

Teoria do consumidor

Trata-se da análise da preferência, comportamento, escolhas e restrições do consumidor, assim como informações utilizadas para determinar a demanda por um serviço ou produto.

Teoria da firma

Essa teoria apresenta a reunião do capital e do trabalho em uma companhia para a produção, conforme a demanda. 

Teoria da produção

Nesse caso, estuda-se o processo de transformar a matéria-prima em produto final para a venda. A teoria de produção analisa as variáveis que influenciam no produto final.

Como calcula-se o upside com base na análise fundamentalista?

A análise fundamentalista estuda qual seria o preço justo das ações de uma companhia. Isso é feito a partir da avaliação de fatores macroeconômicos, bem como microeconômicos.

Desse modo, ações de empresas capazes de gerir seus custos e com grandes margens de lucro podem ser uma oportunidade de investimento. Isso porque apresentam perspectivas de crescer e se expandir no mercado.

Logo, o upside faz uso dessas análises para indicar se um ativo está sendo negociado por um valor inferior ao que ele realmente vale. Da mesma forma indica se essa poderia ser uma oportunidade de investimento, com a perspectiva de valorização futura.

Vale a pena utilizar o upside?

Em primeiro lugar, o upside atua como uma ferramenta de antecipação. Ou seja, ele oferece a oportunidade de lucrar a partir da previsão de valorização no preço dos ativos.

Contudo, há sempre a possibilidade de reversão de tendências. Isso significa que operar ou não com a expectativa do upside deve ser uma decisão embasada e consciente do investidor.


O upside prevê o potencial de alta no preço de um ativo. Assim, pode servir, por exemplo, para um investidor que opere na bolsa de valores. Um modo de saber se essa é, de fato, uma boa opção é conhecer o seu perfil de investidor e objetivos financeiros.

Qual a diferença entre upside e downside?

Upside é o termo referente ao potencial que o valor de um ativo tem para crescer no mercado financeiro, enquanto o downside indica um movimento negativo no preço de um setor, segurança ou mercado. Além disso, o downside também faz referência às condições econômicas, por exemplo, indicando momentos em que a economia parou de crescer.

Para que serve o upside?

O upside pode servir para demonstrar se um ativo está sendo negociado abaixo do valor que ele representa, bem como indicar se existe uma previsão de alta no valor desse ativo.

Como o upside é definido?

O upside pode ser definido tanto pela análise técnica, quanto pela análise fundamentalista. Isso porque, pela análise técnica, é possível reconhecer as tendências nos valores dos ativos no mercado, já a análise fundamentalista indica qual seria o preço justo das ações de uma empresa. Assim, tem-se a previsão sobre a possibilidade de alta no valor de um ativo, ou seja, o upside.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos