Valor Recuperável: entenda o que significa!

valor recuperável

Entender o que é Valor Recuperável é fundamental para uma boa gestão financeira e controle patrimonial dentro das empresas.

O Valor Recuperável serve para evitar prejuízos financeiros com bens e garantir a manutenção do negócio ao longo do tempo.

O que é Valor Recuperável?

O Valor Recuperável de um ativo é o maior valor entre o valor líquido de venda de um ativo e seu valor em uso.

Nessa perspectiva, quando o valor contábil de um item supera o seu Valor Recuperável, é possível determinar que ele está desvalorizado.

Por exemplo:

Se um ativo possui um valor contábil de R$100 mil, e seu Valor Recuperável é de R$55 mil, o valor da perda por desvalorização é de R$45 mil.

É recomendado que as empresas testem, ao menos anualmente, a redução ao Valor Recuperável de um ativo intangível com vida útil indefinida ou não disponível para uso.

Para isso, deva haver a comparação entre o valor contábil e o recuperável.

Mas, simplificando, se um valor não exceder o valor contábil do ativo, não há desvalorização financeira e, consequentemente, necessidade de estimar outro valor.

Como funciona a redução ao Valor Recuperável de ativos?

calculadora contabilidade empresa

Os testes de valores recuperáveis de ativos, também chamados de Testes de Impairment, são o reconhecimento das reduções nos valores de ativos (impairment) que precisam ser consideradas nas demonstrações contábeis das empresas.

Eles consistem na avaliação de perdas de valor do capital aplicado quando a empresa deseja interromper atividades as quais se destinavam tais bens.

No entanto, também são necessários quando é identificado que esses bens não conseguem produzir resultados suficientes para a recuperação do valor aplicado.

Na prática, esse teste ajuda a reconhecer o valor de mercado do bem analisado, para que as demonstrações contábeis demonstrem de forma adequada o valor econômico dos ativos da empresa.

Quando realizar o Teste de Impairment?

As Sociedades de Grande Porte com ativo total superior a R$ 240 milhões ou receita bruta anual acima de R$ 300 milhões são obrigadas a realizar o Teste de Impairment, de acordo com a Lei Nº. 11.638/07.

Porém, essa verificação do Valor Recuperável de ativos é indicada em alguns casos, como:

  • O ativo deixa de ser útil, é reestruturado ou vendido parcialmente;
  • O desempenho econômico da empresa é abaixo do esperado pelo seu planejamento estratégico;
  • Há liquidação da empresa;
  • É percebida a depreciação acelerada dos bens do negócio;
  • A empresa deseja realizar ajustes no Balanço Patrimonial.

É possível perceber que esse teste de recuperabilidade está ligado ao controle patrimonial da empresa, a partir da demonstração dos seus aspectos financeiros.

Com ele, os gestores financeiros ou contadores conseguem identificar onde foram aplicados os recursos gerados e a capacidade de gerar caixa.

Além disso, informações como: liquidação, rotação de estoques, estado de endividamento e lucratividade sobre o patrimônio e as receitas também são obtidas.

Vale lembrar que, ao final do Teste de Impairment, a empresa deve reportar se seu ativo sofreu ou não desvalorização.

Caso haja perda, é preciso estimar o Valor Recuperável e tomar as medidas necessárias, de acordo com o planejamento da companhia.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Últimos artigos