Venda externa: como fazer e quais as qualidades necessárias?

venda externa 2

A venda externa é muito utilizada em atividades de varejo ou negócios relacionado à revenda. Contudo, a venda externa pode ser realizada de diferentes formas e para negócios diversificados como, por exemplo, concessionárias e até mesmo para cursos técnicos.

A venda externa funciona por meio de um vendedor ou consultor que se desloca até o público-alvo, ao invés de aguardar que o mesmo vá até a empresa. Dessa maneira, é possível realizar mais vendas devido ao maior número de impactos, já que antes se restringiria à região sede.

Então, venda externa é um recurso que empresas e negócios buscam para alcançar oportunidades externas a sua base. Através dela, é possível vender para um público que antes não tinha acesso aquele produto ou serviço ofertado.

Como funciona a venda externa?

O processo de venda externa, em muitos casos, atua como um complemento para a venda interna.

Por isso, é comum que o contato seja realizado, por exemplo, inicialmente na venda interna e depois, no fechamento presencial (externo).

Contudo, o processo de venda externa e venda interna, algumas informações devem estar previamente estabelecidas.

Então, o vendedor externo deve:

  • Estar a par do perfil do consumidor, do negócio ou da empresa com quem irá tratar diretamente;
  • Averiguar em que ponto do funil de vendas a pessoa ou empresa se encontra, por exemplo, se está no início e requer um produto de entrada ou se está no meio e requer uma sugestão para progredir no funil, se está no fim e precisa manter;
  • Refletir previamente sobre a necessidade do cliente, qual é o momento que ele vive, problemas e possíveis sugestões que o fariam mais suscetível à proposta;
  • Verificar o “humor” do cliente, suas expressões, interesse e o ambiente, para que assim, o vendedor consiga discernir e controlar seu desempenho dentro daquilo que o cliente deseja que ele demonstre.

É evidente, portanto, que o vendedor tem que fazer um levantamento prévio com as causas, motivos, circunstâncias e perfis que cada consumidor apresenta.

Dessa maneira, ele saberá como qualificar aquela venda ou até mesmo fidelizar o consumidor em questão.

Nessa perspectiva, é possível inferir, portanto, que as características da venda externa são diferentes da venda interna, a externa requer um pouco mais de tato e controle emocional.

Sendo assim, classifica-se a venda interna como aquele tipo de venda que é realizada dentro da empresa ou negócio, sem a visita dos clientes ou até mesmo por transações online.

Esse tipo de transação tende a ser mais econômico por não requerer necessariamente um ativo humano operando ou até mesmo poupar deslocamento.

Porém, o fator humano ainda é impactante na questão decisória. Um bom vendedor, por enquanto, atua melhor que um chatbot ou site automatizado.

É evidente, portanto, que essas características da venda interna são alicerces para todo tipo de negócio e o ideal é a junção das duas modalidades para um melhor desempenho.

Quais as melhores táticas de venda externa?

O processo de venda externa requer algumas táticas que podem auxiliar no sucesso e concretização da venda.

Por isso, entre algumas táticas de venda externa e qualidades de um bom vendedor externo, estão:

  • Conhecimento e percepção: é necessário analisar o negócio e conhecê-lo. Por vezes, até fazer visitas prévias ou pesquisa online. Além de que perceber determinados aspectos do negócio faz com que o vendedor tenha maior êxito e recursos para sua venda;
  • Identificação de pontos vitais para o consumidor: através da análise do ambiente ou até mesmo da linguagem (informal, descontraída, leve ou formal), é possível identificar questões que podem ser vitais para tanto “quebrar o gelo”, quanto facilitar a venda;
  • Carisma: o uso do carisma auxilia em uma aproximação com o cliente, mesmo para os clientes que agem de forma mais conservadora e formal. É importante, claro, não exagerar e sentir se deve alterar a técnica de acordo o rumo da reunião;
  • Resiliência e criatividade: saber adaptar aos ambientes, situações e pessoas. Ao vender para diferentes públicos e entrar em contato com pessoas, é essencial saber comunicar de forma diversa, dinâmica e criativa, para que assim, os clientes sejam contemplados.

Quais dicas para fazer uma venda externa?

Uma venda externa pode ser feita de diversas formas, mas existem alguns aspectos que se o vendedor não tomar cuidado, poderá perder a venda antes mesmo de começar alguma conversa e negociação.

Por isso, entre as dicas para a venda externa:

  • “A primeira impressão é a que fica”, apesar de clichê é uma forma contundente, mesmo que o cliente não julgue conscientemente, seu inconsciente estará trabalhando e é possível que isso influencie na sua decisão;
  • Estabelecer um prazo limite para cada reunião ou consulta com o cliente: evitando assim, a perda de tempo para ambos e por vezes, agilizando o processo de venda, já que existe uma meta.;
  • Pontualidade e respeito são fundamentais para que o vendedor demonstre ao cliente que seu tempo é valioso e que ele é uma figura confiável;
  • Pós venda e acompanhamento, muitos vendedores pensam que é só fazer a venda e está encerrado. Contudo, é mais barato fidelizar um cliente do que prospectar um novo. Por isso, é importante o vendedor se preocupe no “depois da venda” e como avançar.

Por fim, a venda externa é uma forma prática de conciliar o consumidor e seus desejos, lidando presencialmente. Por isso, isso tende a ser uma forma de jogo de persuasão e de conquista do cliente, sendo por sua vez, uma atividade mais complexa que o ambiente digital. Assine a newsletter e receba conteúdos gratuitos sobre empreendedorismo e finanças!

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos