Vínculo empregatício: entenda quando essa relação começa a existir

vinculo empregaticio

Ter uma jornada de trabalho, renda mensal, apresentar superiores e trabalhar com um propósito. Tudo isso faz parte da vida de trabalhadores, mas não necessariamente, são constituintes do vínculo empregatício.

O vínculo empregatício funciona amparado pela lei trabalhista e contempla toda pessoa física que está envolvida em uma relação de emprego, intermediada por uma jornada e pelo salário. Ele é firmado por meio de algumas características previstas pela lei trabalhista.

Então, o vínculo empregatício é determinado por uma relação entre empregador (aquele que emprega) e empregado (aquele que trabalha), levando em conta circunstâncias como frequência, salário (ou onerosidade), pessoalidade e subordinação.

Como funciona o vínculo empregatício?


O vínculo empregatício é constituído pela relação de emprego, mas não somente isso.

Através da lei 13.467 de 2017, algumas relações trabalhistas foram alteradas e levadas em consideração, assim como o próprio vínculo trabalhista das mesmas.

Para caracterizar vínculo empregatício é necessário:

  • Onerosidade: reflete a questão salarial ou contraprestação para o empregado, fazendo necessário que haja o recebimento de salário para que se firme um vínculo trabalhista;
  • Periodicidade: é mensurada pela frequência ou definição de carga horária ou jornada. Mesmo nos trabalhos Home Office, se destina uma parcela de tempo para determinada função, atribuição e apresenta relação entre empregador e empregado;
  • Subordinação: se configura pela relação de hierarquia composta entre o empregado (ou subordinado) e empregador (de quem advém às ordens). Geralmente, se estipula um supervisor ou chefe para quem o empregado prestará contas;
  • Pessoalidade: é um principio de que a pessoa interpelada pelo contrato trabalhista deverá ser a pessoa que exercerá a função predeterminada. Nesse caso, não é possível transferir obrigações da relação trabalhista, caso contrário, não se consuma vínculo.

Como funcionam os tipos de trabalho sem vínculo?

Os cuidados com vínculo empregatício são importantes para que o empregado usufrua de seus direitos previstos pela Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT).

Mas, em quais casos não se constituem ou não apresentam vínculo:

  • Independentes ou Autônomos: empreendedores, microempresários, ambulantes, revendedores, investidores e profissionais que atuam por conta própria;
  • Freelancer: trabalhadores que são contratados para realizar a prestação de um serviço único ou apenas um trabalho (até a sua finalização);
  • Trabalhadores terceirizados: no caso, ele não apresenta vínculo direto com a instituição ou empresa para quem está prestando serviço. Mas, é empregado da empresa concessora dos serviços terceirizados;
  • Trabalho voluntariado: relativo à ONGs, estudantes que precisam cursar uma cadeira de estágio não remunerado, entre outros. Sua atuação não está vinculada com um ganho salarial e, portanto, permanece sem vínculo empregatício;
  • Trabalhador informal: pessoas que trabalham sem delimitação de algum dos pontos previstos na lei trabalhista.

Quais as consequências de não ter um vínculo empregatício?

As consequências de não apresentar vínculo empregatício é a perda dos direitos trabalhistas. Entre esses direitos, estão figurados:

  • Direito ao salário mínimo;
  • Férias;
  • Jornada de trabalho definida;
  • Recebimento de 13º Salário;
  • Direito ao seguro desemprego;
  • Licença maternidade e paternidade;
  • FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço);
  • Benefícios relativos à previdência social;
  • Normas de segurança e garantia de saúde do trabalhador.

Por fim, o vínculo empregatício é crucial para definir quais trabalhadores estarão assegurados dos direitos trabalhistas previstos pela CLT. Por isso, na hora de oficializar um emprego, é necessário se ater as suas nuances e firmar um vínculo. Mais conteúdos de educação financeira? Inscreva-se no nosso Whatsapp.

Acesso rápido

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email
Arthur Dantas Lemos

Arthur Dantas Lemos

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimos artigos