Home Blog VVAR3: vale a pena investir na Via Varejo?

VVAR3: vale a pena investir na Via Varejo?

VVAR3

As ações da Via Varejo (VVAR3) estão listadas na bolsa de valores brasileira e são comercializadas por alguns investidores que buscam investir no setor de varejo.

A Via Varejo (VVAR3) é uma companhia do comércio varejista e apesar de ser um mercado bem concorrido, ela pode ser considerada bem expressiva no setor, pois está atrelada a marcas como por exemplo: Casas Bahia, Extra e Ponto Frio.

O que é a Via Varejo (VVAR3)?

A Via Varejo (VVAR3) é uma companhia que atua no setor de comércio varejista, ou seja, ela comercializa produtos ao grande público. Além disso, a Via Varejo é uma empresa brasileira e suas ações são negociadas na B3 (Brasil, Bolsa e Balcão) através do ticker VVAR3 ou VVAR11.

Em suma, a empresa atua desde 2010, sendo responsável pelo controle de e-commerce e pela administração de grandes redes de móveis e eletroeletrônicos brasileiros.

A empresa possui, em média, mais de 1.300.016.941 bilhões de ações gerenciadas, sendo 72,4% destas em free float.

Além da Via Varejo (VVAR3) outras instituições integram o setor varejista brasileiro, dentre elas está a Magazine Luiza (MGLU3) e as Lojas Americanas (LAME4).

  • Magazine Luiza: a empresa é uma varejista nacional que oferece produtos eletrônicos e móveis. Além disso, seu modelo de negócio integra seus pontos físicos e seu e-commerce.
  • Lojas Americanas: a companhia atua no setor do comércio e varejo, ofertando lojas físicas em diversos lugares do Brasil, a empresa ainda conta com sua plataforma digital, que abriga variadas marcas.

Desse modo, mediante a relevância da Via Varejo para o mercado e sua atuação na B3, é de suma importância analisar seu modelo de negócio e histórico.

Assim, os investidores conseguirão realizar negociações de maneira mais ponderada e independente.

História da Via Varejo (VVAR3)

VVAR3 1

A Via varejo surgiu no ano de 2010, em São Paulo,  a partir da compra das Casas Bahia, que pertence à família Klein, pelo grupo Pão de Açúcar, que na época transferiu sua varejista para a Globex Utilidades S.A.

Logo após, a empresa Ponto Frio, que pertencia a Globex Utilidades S.A. foi comprada pelo Grupo Pão de Açúcar.

Em 2010, foi criada a subsidiária Nova Pontocom, direcionada ao varejo online, a empresa surgiu mediante a associação do comercio eletrônico das Casas Bahia, Ponto Frio e Extra.

Além disso, a Nova Pontocom detinha 18% de participação no varejo online da época.

O surgimento da Via Varejo

No ano de 2012, a Globex Utilidades foi renomeada e começou a se chamar Via Varejo.

Logo após, em 2013, foi comunicado o interesse da família Klein em vender 16%, equivalente a 2 bilhões de reais, de sua parte na participação da empresa, através de um IPO. Assim, ainda em 2013, 553,7 milhões de ações ordinárias que detinham a participação da família Klein, entraram em negociação.

Dessa maneira, a Via Varejo conseguiu 2,845 bilhões de reais mediante a oferta pública de ações. Três quartos do valor foi direcionado para família Klein, ou seja, o restante foi transferido para o Grupo Pão de Açúcar.

Portanto, a propriedade da empresa foi alterada para o Grupo Pão de Açúcar com 43,3%, sendo os acionistas minoritários com 29,3% e a família Klein com 27,3%.

Nesse sentido, ainda em 2013, a Via Varejo anunciou a compra de 75% da parcela que restava da Bartira, empresa fundada em 1962 e fornecedora exclusiva de móveis para a Ponto Frio e Casas Bahia.

No ano de 2014, foi criada uma empresa multinacional de comércio eletrônico, nomeada de Cnova, fundada a partir de um empreendimento conjunto entre Casino, Grupo Pão de Açúcar, Via Varejo e Grupo Éxito.

Além disso, em 2016, a Via Varejo adquiriu a administração das operações da Cnova Brasil, tornando-se proprietária das lojas: Extra, Casas Bahia e Ponto Frio.

Após isso, especificamente, em 2017, a Via Varejo detinha 966 lojas pelo Brasil, diversificadas entre Casas Bahia e Ponto Frio.

No ano de 2019, o Grupo Pão de Açúcar decidiu vender suas ações na Via Varejo, o GPA possuía 36% de participação na companhia e efetuou as negociações através de um leilão na B3.

Assim, o empresário Michael Klein realizou a compra das ações da Via Varejo que pertenciam ao Grupo Pão de Açúcar, tornando-se o maior acionista da Via Varejo, logo após, foi nomeado Presidente do Conselho de Administração.

Além disso, em 2019, a Via Varejo lançou o banQi, seu banco digital em associação com as Casas Bahia.

Linha do Tempo da Via Varejo (VVAR3)

  • 2010 – Surgiu a Via Varejo, após a associação entre as Casas Bahia e o Grupo Pão de Açúcar;
  • 2013 – Família Klein vende o equivalente a 16% de sua participação na empresa;
  • 2013 – Via Varejo anuncia aquisição de 75% da empresa Bartira;
  • 2014 – Criação da Cnova, empresa multinacional de comércio eletrônico;
  • 2016 – Via Varejo adquire a administração das operações da Cnova Brasil;
  • 2017 – A companhia já possuía 966 lojas pelo Brasil;
  • 2019 – O Grupo Pão de Açúcar decide vender suas ações na Via Varejo;
  • 2019 – Lançamento do banco digital da Via Varejo.

Como atua a Via Varejo (VVAR3)?

A companhia Via Varejo (VVAR3) é uma das líderes do comércio varejista.

Dessa forma, a empresa possui, ao todo, mais de 1073 lojas distribuídas pelo Brasil, focando primordialmente no sudeste e nordeste.

Além disso, a Via Varejo é detentora de algumas empresas que compõem seu grupo de atuação, dentre elas estão:

  1. Casas Bahia: a empresa é uma varejista popular de móveis e eletrodomésticos, possui mais de 700 lojas pelo Brasil e foi avaliada em R$800 milhões de reais;
  2. Ponto Frio: a companhia está incluída como varejista do comércio eletrônico, a Ponto Frio possui mais de 250 lojas na região Sudeste, Sul e Centro-Oeste;
  3. Bartira: a empresa é vista como uma das maiores fábricas de móveis do Brasil, produzindo, em média, 750 produtos por hora. Além disso, a Bartira representa 35% da venda de móveis da Via Varejo;
  4. Extra: o Extra é uma rede varejista, atuando no formato de hipermercado, sendo um dos primeiros e-commerce a começar uma plataforma para Marketplace;
  5. VVAtacado: é uma unidade da Via Varejo, que possui como propósito oferecer aos pequenos e médios varejistas, orientações e ajudá-los  através de soluções customizadas.

Em resumo, a Via Varejo (VVAR3) dispõem de variados serviços, principalmente, relacionados a administração de marcas.

Características das ações do Via Varejo (VVAR3)?

As ações da Via Varejo são negociadas na bolsa de valores brasileira ou B3, possuindo as seguintes características:

A classificação setorial da Via Varejo (VVAR3) mediante as informações divulgadas na B3 é: consumo cíclico, comércio e eletrodomésticos.

Além disso, seu segmento de mercado na bolsa de valores é o Novo Mercado.

Suas ações oferecem Tag Along de 100% ON, além de free float de 72,4%.

O que faz a Via Varejo (VVAR3)?

A principal atividade da Via Varejo está relacionada com a sua administração de lojas.

Dessa maneira, entre alguns de seus serviços ofertados, estão:

  • Soluções Financeiras;
  • Full commerce;
  • Facilitação do acesso ao crédito.

Em suma, percebe-se que o objetivo da Via Varejo é identificar as necessidades de seus clientes, para oferecer os serviços necessários.

As ações da Via Varejo (VVAR3): onde e como são negociadas?

O ticker da Via Varejo (VVAR3) pode ser negociado na B3 (Brasil, Bolsa e Balcão).

As negociações de ativos podem ser executadas em plataformas digitais, zelando pela praticidade e segurança dos investidores.

A empresa possui ações ordinárias (VVAR3 ON) que dão direito ao voto nas assembleias empresariais.

Dessa maneira, para comprar ações da Via Varejo, o investidor precisará abrir uma conta na corretora de valores de sua escolha.

Logo após, será necessário realizar uma transferência TED contendo o valor desejado para realizar o investimento, em seguida, o investidor deverá selecionar as ações da Via Varejo, referenciadas com o ticker VVAR3 ou VVAR11.

Como ganhar dinheiro com as ações da Via Varejo (VVAR3)?

VVAR3 2

Antes de tudo, é de suma importância entender que existem algumas formas de conseguir lucro com as ações da Via Varejo (VVAR3) na bolsa de valores brasileira.

Dentre essas formas, pode-se incluir o ganho de dividendos, entretanto, vale salientar que a Via Varejo não paga dividendos de forma constante.

Além disso, o investidor poderá adquirir lucros através da venda de suas ações por um preço mais elevado, que o comprado por ele.

Além disso, algumas maneiras podem possibilitar que os acionistas consigam investir com mais segurança e consciência, dentre essas maneiras, pode-se incluir a diversificação da carteira de investimento, originando uma carteira com renda variável e renda fixa.

Logo, é importante se atentar a liquidez, rentabilidade e segurança antes de negociar ações.

Dessa forma, mediante seu perfil investidor e seus objetivos, assegurar uma boa rentabilidade, pode ser mais viável para o investidor, quando comparado, a busca por uma alta liquidez.

Entretanto, a priorização entre rentabilidade e alta liquidez, poderá depender dos objetivos do investidor, visto que, o acionista poderá realizar investimentos para médio e longo prazo.

Vale a pena investir na Via Varejo (VVAR3)?

A Via Varejo (VVAR3) é uma das principais empresas de administração de redes e e-commerces no setor de varejo.

Isso porque a empresa comanda marcas bem conceituadas dentro do mercado brasileiro, o que acaba transmitindo uma maior sensação de confiabilidade para os seus acionistas.

Por conta disso, a companhia pode representar uma boa oportunidade para investidores que buscam bons resultados na área varejista.

É importante destacar, entretanto, que a margem líquida, indicador que expõe a porcentagem de lucro em relação às receitas das empresas, expõe que a Via Varejo possui um histórico negativo em alguns dos seus balanços operacionais.

Portanto, antes de escolher qual será a ação que você irá realizar negociações, é necessário efetuar uma análise fundamentalista para checar se o investimento está sendo executado de forma consciente, seja com a Via Varejo (VVAR3) ou com outra empresa que integre a bolsa de valores.

Escrito por

Especialista em Finanças Corporativas pela Fundação Getúlio Vargas. É formado pelo Programa de Profissionais do Mercado Financeiro da Bolsa de Valores de São Paulo e pelo Programa CVM de Professores para Mercado de Capitais, Avaliador de Empresas pela NACVA - National Association of Certified Valuators and Analysts (EUA). Fundou a Empreender Dinheiro para democratizar o acesso à Educação Financeira de Alto Poder Transformacional e já impactou diretamente mais de 50.000 pessoas em suas soluções educacionais.

Compartilhe conosco suas experiências

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *